Poro (rei)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Poro
Rei de Paurava e outros domínios até o Hifase
LubokAlexanderPorus.jpg
Rei Poro combatendo Alexandre, o Grande na batalha do rio Hidaspes; lubok russo do início do século XVIII.
Governo
Reinado 340 a.C. - 317 a.C.
Casa Real Dinastia Paurava Puru1 2 3 Shoorsaini yaduvanshi 4 5
Vida
Morte 317 a.C.
Punjabe

Poro (do latim Pōrus e do grego Πῶρος, por sua vez do sânscrito Puru, Purushottama; também conhecido localmente como Raja Puru, Rai Por, Raja Paurava ou Parvatka) foi rei de Paurava, antigo Estado localizado no território do Punjabe, entre os rios Jhelum e Chenab (antigos Hidaspes e Acesines), cujo domínio eventualmente se estendeu até o rio Beas (Hifasis).6 Acredita-se que sua capital tenha sido na atual cidade de Lahore.7 Poro é célebre por ter enfrentado Alexandre, o Grande, na batalha do rio Hidaspes, em 326 a.C..

Fontes antigas afirmam que o rei Poro teria "cinco cúbitos de altura", equivalendo à implausível altura de 2,3 metros (se for considerado o cúbito tradicional), ou, mais provavelmente, 1,8 metro se o cúbito macedônio for utilizado.

Contexto dinástico[editar | editar código-fonte]

Teorias com base na etimologia[editar | editar código-fonte]

Não existem fontes textuais indianas que mencionem Poro e indiquem a que tribo ou grupo étnico ele pertencia. Diversos grupos étnicos no subcontinente indiano tentaram em algum ponto mencioná-lo como seu próprio ancestral.

Segundo o acadêmico Buddha Prakash, em seu livro Movimento Político e Social no Antigo Punjabe (1964), "os purus teriam colonizado a região entre o Asikni e o Parusni, de onde teriam lançado seu ataque aos báratas, e, após a derrota inicial na Guerra Dasarajna, logo teriam se reagrupado e prosseguido sua marcha sobre o Yamuna e o Sarasvati, e posteriormente acabaram por se misturar com os báratas". Alguns de seus descendentes teriam permanecido no Punjabe, onde desempenharam um papel importante nos eventos ocorridos na época de Alexandre. Provavelmente sobreviveram na região com o nome de Puri, uma sub-casta dos khatris.8

Outro acadêmico, Damodar Dharmanand Kosambi, também concorda com este ponto de vista. Segundo ele, a causa da "batalha dos Dez Reis" teria sido por um suposto desvio das águas do rio Parusni, um trecho do atual rio Ravi que mudou de curso por diversas vezes. O desvio de águas do sistema de afluentes do Indo ainda hoje é motivo de disputas entre a Índia e seu vizinho, o Paquistão. Os purus, embora fossem inimigos dos sudas, não apenas seriam arianos como teriam sido parentes próximos dos báratas. Ainda segundo Kosambi, a tradição posterior teria mesmo chegado a classificar os báratas como um ramo dos purus; os sacerdotes do mesmo clã no Rigveda entoam feitiços e bençãos sobre os purus em diversos hinos, o que mostraria que as diferenças entre eles e os báratas não teriam sido permanentes. A disputa teria relação com outro fatos, e não com a diferença entre arianos e não-arianos; os purus permaneceram na região de Harappa e aumentaram seu domínio sobre o Punjabe posteriormente; teriam sido eles quem mais resistiram contra Alexandre, em 327 a.C.. O atual sobrenome punjabe Puri possivelmente pode ter se originado da tribo dos purus.2 Este ponto de vista também é reforçado por Hermann Kulke3 e Naval Viyogi.9

Segundo o tenente-coronel britânico James Tod, historiador e estudioso da cultura local, os shoorsainis (os Sourasenoi citados pelos antigos gregos) seriam a tribo puru, cujo rei se chamava Poro, lendário adversário de Alexandre, o Grande. Segundo ele, Puru teria se tornado o patronímico deste ramo da "raça lunas", e o termo teria sido transformado em Porus pelos historiadores de Alexandre. Os "surassenos" de Methoras (descendnetes de Soor Sen, de Mathura) eram todos purus, chamados Prasioi por Megástenes.10 Para Tod, estes vestígios da "antiga raça de Harikula" eram inestimáveis; entre as ruínas no Yamuna, por exemplo, viam-se imagens de "Héracles" (Baldeva, deus da força) ainda com seu tacape e a pele de leão, sobre seu pedestal, em Baldeo, e ainda em seu tempo venerados pelos surassenos. O nome, segundo ele, era utilizado para todo o trecho de terra situado em torno de Mathura, ou, mais precisamente, em torno de Surpura, a antiga capital fundada por Surasena, o avô das divindades-irmãs hindus, Krishna e Baldeva, "Apolo e Héracles".4 O título podia ser aplicado a ambos, embora Baldeva fosse caracterizado como 'deus da força'. Ambos são es ("senhores") da "raça" (kula) de Hari (Hari-kul-es), de onde os gregos poderiam ter extraído o composto Hercules (variante latina do nome de Héracles), sugerindo até mesmo que tal raça poderiam ter migrado para o Ocidente após a "Grande Guerra".4

Por este ser um nome relativamente comum, são muitos os que alegam a descendência de Poro; Tod considerou, no entanto, os paramaras como os mais prováveis detentores legítimos desta "honra", especialmente devido a sua pronúncia do topônimo Pramar, Puar.5

Teorias com base na simbologia e localização[editar | editar código-fonte]

James Tod não baseou sua teoria, no entanto, de que Poro seria um yadava shoorsaini na semelhança dos nomes, embora tenha mencionado o fato tangencialmente; alegando o que via como uma "óbvia fraqueza" nesta metodologia, rejeitou explicitamente qualquer conclusão baseada nela.5 11

Ishwari Prashad e outros acadêmicos do Congresso Indiano de Histórica utilizaram-se de metodologia idêntica para chegar à mesma conclusão. O núcleo desta teoria consiste no fato de que os soldados da vanguarda de Poro carregaram um estandarte de Héracles, identificado explicitamente por Megástenes - que só viajou à Índia depois que Poro havia sido suplantado por Chandragupta - com os shoorsainis de Mathura. Este 'Héracles' mencionado por Megástenes e Arriano foi identificado por alguns estudiosos como Krishna, e, por outros, como seu irmão, Baldeva,4 ambos ancestrais e padroeiros dos shoorsainis.12 O indólogo americano também corrobora esta hipótese, mencionando que Arriano, Diodoro e Estrabão, além de Megástenes, descreveram uma tribo indiana chamada de sourasenoi, que venerado Héracles, em particular, na sua terra, e que esta sua terra tinha duas cidades, Methora e Kleisobora, além de um rio navegável, o Jobares.13 Sabe-se que os gregos tinham por hábito descrever divindades estrangeiras em termos comuns às suas próprias divindades, por vezes mesmo associando-as e dando-lhes os mesmos nomes, e disso pode-se concluir que os sourasenoi seriam, de fato, os shurasenas, "um ramo da dinastia Yadu ao qual o próprio Senhor Krishna pertencia"; Héracles, portanto, seria identificado com Krishna, ou Hari-Krishna. Methora com Mathura, onde Krishna teria nascido; Kleisobora seria Krishnapura, a "cidade de Krishna"; e o rio Jobares o Yamuna, célebre rio da história do deus.13 O historiador romano Quinto Cúrtio também menciona que, quando Alexandre, o Grande enfrentou Poro, os soldados deste portavam uma imagem de Héracles na vanguarda de sua tropa.13 14 15 Tod e outros acadêmicos, como Prashad, seguindo esta trilha, encontraram ainda mais suporte para esta conclusão com a lenda de que uma parte dos yadavas/shoorsainis teriam migrado para o oeste, rumo ao Punjabe e Afeganistão, a partir de Mathura e Dvaraka, e fundado ali novos reinos. Esta lenda da "marcha para o ocidente dos yadus", mencionada no Mahabharata (1.13.49, 65), a partir de Mathura, rumo à possível localidade de Darwaz, no Afeganistão - já que o caminho para Dvaraka, ao sul, passa por um deserto e seria um destino pouco provável para os refugiados.16

Para uma publicação oficial do governo britânico da Índia que data do século XIX, a Gazeta do Distrito de Dera Ghazi Khan (Gazetteer of the Dera Ghazi Khan District), podia se concluir que o nome 'Poro' designaria simplesmente o título de Purrus ou Porus, nome de um rei ou família de reis;17 e que, na medida em que não existiam registros autênticos das tribos que habitavam a região de Peshawar antes da época de Maomé, e nada se sabia delas além do fato de que tinham origem indiana, não seria improvável conjecturar que seriam descendentes da raça de Yadu que teriam sido ou expulsos ou migrado voluntariamente a partir do Guzerate, por volta de 1100 a.C., e que posteriormente chegaram a Kandahar e às montanhas de Cabul, onde "teriam dado origem aos jaduns que vivem nas montanhas ao norte de Yusafjai".17

James Tod também associou Poro com os shoorsainis com base na simbologia relativa a Héracles usada pelo exército de Poro e o movimento rumo ao Ocidente feito pelos yadavas shoorsainis rumo ao Punjabe e Afeganistão, indicado pelos textos purânicos e épicos,18 após a batalha do Mahabharata.19

Outra teoria, no entanto, associa Héracles com outra divindade do panteão hinduísta, Shiva.20

Sátrapa[editar | editar código-fonte]

O rei Poro parece ter ocupado a posição de sátrapa helenístico por diversos anos depois da partida de Alexandre da região. É mencionado pela primeira vez no cargo como sátrapa da região do Hidaspes, no texto relativo à Partilha da Babilônia, em 323 a.C., e confirmado nela em 321 a.C., no Pacto de Triparadiso.

Aliança com Chandragupta Máuria[editar | editar código-fonte]

A peça em sânscrito de Visakhadutta, Mudrarakshasa, bem como a obra jainista Parisishtaparvan, mencionam uma aliança de Chandragupta Máuria com o rei Parvatka, também identificado com Poro. Esta aliança teria fornecido a Chandragupta um exército formidável, que incluía indo-citas, yavanas, cambojas, kiratas, parasikas e bahlikas.21

Morte[editar | editar código-fonte]

Fontes indianas registram que Parvata (Poro) teria sido morto acidentalmente por outro soberano indiano, Rakshasa, que estava tentando assassinar Chandragupta Máuria em seu lugar.

Já os historiadores gregos registram que ele teria sido assassinado, por volta de 321 e 315 a.C., pelo general trácio Eudemo, encarregado de comandar as tropas macedônias estacionadas no Punjabe:

"Da Índia veio Eudamo, com 500 cavaleiros, 300 soldados de infantaria de 120 elefantes. Estas feras ele conseguiu obter após a morte de Alexandre, ao assassinar de maneira traiçoeira o rei Poro."
Diodoro Sículo, XIX-14

Após seu assassinato seu filho, Malayketu, subiu ao trono, com o auxílio de Eudemo. Malayketu acabou, no entanto, sendo morto logo depois, na Batalha de Gabiene (316 a.C.).

Em 44 d.C. Taxila foi visitada por um filósofo grego chamado Apolônio. O relato do filósofo, mantido por seu diarista, descreve dois templos, um fora das muralhas da cidade, e o outro na sua rua principal, que levava ao palácio real. Ambos os templos tinham grandes murais de cobre adornando suas paredes, que ilustravam cenas de batalha das guerras ocorridas nas margens do rio Jhelum 367 anos antes. O relato elogia a beleza destas ilustrações; suas cores e formas equivaleriam a assistir uma cena real, congelada no tempo. Ambos os murais, que mostravam Raja Paurava (o "rajá Poro") derrotado, teriam sido encomendados pelo próprio Poro, quando as notícias da morte de Alexandre chegaram até ele, em Taxila. Segundo o diarista de Apolônio, Poro o fez não apenas para reconhecer sua amizade com Alexandre, mas também para preservar a história fielmente, tal como ela havia se desenrolado. Quando os murais foram feitos, Taxila ocupava o sítio conhecido atualmente como Monte de Bhir; duzentos anos mais tarde, os indo-gregos o deslocaram para o local conhecido atualmente como Sirkap, para onde os murais teriam sido levados. Apesar da delicada transferência para outro local, e de um terremoto ocorrido em 25 que destruiu completamente a cidade, dezenove anos mais tarde, quando Apolônio a visitou, a cidade estava sendo reconstruída por um rei parta, e os murais haviam sido recolocados, com perfeição, nos novíssimos templos.22

Referências

  1. "Nesta residência dos filhos de Puru residia Poro, um dos dois príncipes com este nome, oponentes de Alexandre, e, provavelmente, Bindusara, filho de Chandragupta, tido como o Abisares e Sandrakottos das autoridades gregas. Dos dois príncipes chamados Poro mencionados pelos historiadores de Alexandre, um morava no próprio berço das dinastias Puru; a morada do outro tinha fronteira com o Punjabe." (In this abode of the sons of Puru resided Porus, one of the two princes of that name, opponents of Alexander, and probably Bindusara the son of Chandragupta, surmised to be the Abisares and Sandrakottos of Grecian authorities. Of the two princes named Porus mentioned by Alexander's historians, one resided in the very cradle of the Puru dynasties ; the abode of the other bordered on the Panjab. Tod, James, Annals and Antiquities of Rajasthan, pp 49
  2. a b Kosambi, Damodar Dharmanand, Ancient India: A History of its Culture and Civilisation, pp 81-83
  3. a b "O rei Poro pertencia à tribo dos pauravas, que descendem da tribo puru mencionada com tanta frequência no Rigveda." ("King Poros belonged to the tribe of the Pauravas, descended from the Puru tribe mentioned so often in the Rigveda"). Kulke, Hermann e Rothermung, Dietmar, A History of India, pp 57
  4. a b c d "Puru became the patronymic of this branch of the Lunar race. Of this Alexander's historians made Porus. The Suraseni of Methoras (descendants of the Soor Sen of Mathura) were all Purus, the Prasioi of Megasthenes...How invaluable such remnants of ancient race of Harikula! How refreshing to the mind yet to discover, amidst the ruins on the Yamuna, Hecules (Baldeva, god of strength) retaining his club and lion's hide, standing on his pedestal at Baldeo, and yet worshipped by Suraseni! This was name given to a large tract of country round Mathura, or rather round Surpura, the ancient capital founded by Surasena, the grandfather of the Indian brother-deities, Krishna and Baldeva, Apollo and Hercules. The title would apply to either ; though Baldeva has the attributes of 'god of strength'. Both are es (lords) of the race (kula) of Hari (Hari-kul-es), of which the Greeks might have made the compound Hercules. Might not a colony after the Great War have mighrated westward?" Tod, James. Annals and antiquities of Rajasthan : or, The central and western Rajpoot states of India, Asian Education Services, New Delhi 2001.
  5. a b c "To convince the reader I do not build upon nominal resemblance, when localities do not bear me out, he is requested to call to mind, that we have elsewhere assigned to Yadus of the Punjab the honour of furnishing the well known king named Porus; although the Puar, the usual pronunciation of Pramar, would afford a more ready solution." - Tod, James. Annals and Antiquities of Rajasthan, pp 283, edição: 2, Asian Educational Services, 2001 (originalmente The annals and antiquities of Rajastʼhan : or the central and western Rajpoot states of India, 1156, James Tod , Publisher: Calcutá: Indian Publication Society; editado por R.C. Ghose, 1898-1899
  6. Arriano, Anábase de Alexandre, V.29.2
  7. www.livius.org
  8. The Purus settled between the Asikni and the Parusni, whence they launched their onslaught on the Bharatas, and after the initial rebuff in the Dasarajna War, soon regrouped and resumed their march on the Yamuna and the Sarasvati and subsequently merged with the Bharatas, Some of their off-shoots lingered on in the Punjab and one of their scions played a notable part in the events of the time at Alexander's invitation. They probably survived in the Punjab under the name of Puri, which is a sub-caste of the Khatris. ,

    —Prakash, Buddha. Political and Social Movement in Ancient Punjab, pp 77.

  9. "It was they who put up the strongest fight against Alexander in 327 B.C. The modern Punjabi surname Puri may possibly originate with the Puru tribe." Viyogi, Naval, The founders of Indus valley civilization and their later history, pp 155
  10. Puru became the patronymic of this branch of the Lunar race. Of this Alexander's historians made Porus. The Suraseni of Methoras (descendants of the Soor Sen of Mathura) were all Purus, the Prasioi of Megasthenes...

    — James Tod, Annals and Antiquities of Rajasthan Asian Education Services, New Delhi 2001.

  11. Bhati, Hari Singh. Ghazni to Jaiselmer (Pre-medieval History of the Bhatis), pp 93, Hari Singh Bhati, 1998, Sankhala Printers, Bikaner
  12. Deliberações, pp 72, Congresso Indiano de História, 1957
  13. a b c "According to Arrian, Diodorus, and Strabo, Megasthenes described an Indian tribe called Sourasenoi, who especially worshipped Herakles in their land, and this land had two cities, Methora and Kleisobora, and a navigable river, the Jobares. As was common in the ancient period, the Greeks sometimes described foreign gods in terms of their own divinities, and there is a little doubt that the Sourasenoi refers to the Shurasenas, a branch of the Yadu dynasty to which Krishna belonged; Herakles to Krishna, or Hari-Krishna: Mehtora to Mathura, where Krishna was born; Kleisobora to Krishnapura, meaning the "the city of Krishna"; and the Jobares to the Yamuna, the famous river in the Krishna story. Qunitus Curtius also mentions that when Alexander the Great confronted Porus, Porus's soldiers were carrying an image of Herakles in their vanguard." Bryant, Edwin Francis. Krishna: a sourcebook, pp 5, Oxford University Press US, 2007
  14. Bhargava, Purushottam Lal. Chandragupta Maurya: a gem of Indian history‎, pp 76, segunda edição, ilustrada. D.K. Printworld, 1996
  15. A Comprehensive History of India: The Mauryas & Satavahanas, pp 383, editado por K.A. Nilakanta Sastri, Kallidaikurichi Aiyah Nilakanta Sastri, Bharatiya Itihas Parishad. Orient Longmans, 1992.
  16. "Actually , the legend reports a westward march of the Yadus (MBh. 1.13.49, 65) from Mathura, while the route from Mathura to Dvaraka southward through a desert. This part of the Krsna legend could be brought to earth by digging at Dvaraka, but also digging at Darwaz in Afghanistan, whose name means the same thing and which is the more probable destination of refugees from Mathura..." Kosambi, D. D. Introduction to the study of indian history, pp 125, [S.l.]: Popular Prakashan, 1999
  17. a b Gazeta do Distrito de Dera Ghazi Khan, pp52, Lahore: Civil and Military Gazette Press, 1898.
  18. Mahabharata, 1.13.49, 65.
  19. "How invaluable such remnants of ancient race of Harikula! How refreshing to the mind yet to discover, amidst the ruins on the Yamuna, Hecules (Baldeva, god of strength) retaining his club and lion's hide, standing on his pedestal at Baldeo, and yet worshipped by Suraseni! This was name given to a large tract of country round Mathura, or rather round Surpura, the ancient capital founded by Surasena, the grandfather of the Indian brother-deities, Krishna and Baldeva, Apollo and Hercules. The title would apply to either ; though Baldeva has the attributes of 'god of strength'. Both are es (lords) of the race (kula) of Hari (Hari-kul-es), of which the Greeks might have made the compound Hercules. Might not a colony after the Great War have mighrated westward?" Tod, James. Annals and Antiquities of Rajast'han, Or, The Central and Western Rajpoot States of India, pp 36, Higginbotham and co., 1873, v. 1, Original da Universidade de Oxford.
  20. "Apparently Siva is meant, though his many wives and sons are unknown to Hindu mythology". Schwanbeck e McCrindle, Ancient India as described by Megasthenes and Arrian (1877), pp 57
  21. Visakhadutta, Mudrarakshasa 2 (trad. para o francês em "Le Ministre et la marque de l'anneau", ISBN 2-7475-5135-0).
  22. Rashid, Salman. On Raja Paurava and Alexander. Daily Times (visitado em 27-4-2010).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Arriano, Anábase de Alexandre, livro 5.
  • Annals and Antiquities of Rajasthan, James Tod (editor)
  • Holt, Frank L. Alexander the Great and the Mystery of the Elephant Medallions, California: University of California Press, 2003, 217pgs. ISBN 0-520-24483-4
  • Lendring, Jona. Alexander de Grote - De ondergang van het Perzische rijk (Alexander the Great. The demise of the Persian empire), Amsterdam: Athenaeum - Polak & Van Gennep, 2004. ISBN 90-253-3144-0
  • Parkash, Buddha. History of Porus, Patiala,
  • Prashad, Ishwari. History of India: (from the earliest times to the fall of the Mughal Empire)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre reis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.