Portal:Bélgica/Banco de destaques

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Primeira seleção

O Casal Arnolfini

O Casal Arnolfini é o mais famoso quadro do pintor flamengo Jan van Eyck, pintado em 1434. A obra exibe o então rico comerciante Giovanni Arnolfini e sua esposa Giovanna Cenami, que se estabeleceram e prosperaram na cidade de Bruges (hoje Bélgica), entre 1420 e 1472. Nos dias de hoje, os historiadores da arte discutem exatamente a imagem que o quadro representa; a tese dominante durante muito tempo, introduzida por Erwin Panofsky em um ensaio de 1934, assegura que a imagem corresponde ao matrimônio de ambos, celebrado em segredo e testificado pelo pintor. Contudo, muitas outras interpretações têm sido propostas acerca da obra, e o consenso atual é que a teoria de Panofsky seria, dificilmente, sustentável. Especula-se sobre a presença efetiva do pintor no casamento dos Arnolfini, pois isso explicaria o porquê do pintor neerlandês ter escrito no quadro, em latim, Johannes de Eyck fuit hic (van Eyck esteve aqui).

Em todo caso, a pintura - desde 1842 na National Gallery de Londres - é considerada uma das obras mais notáveis de van Eyck. É um dos primeiros retratos de tema não hagiográfico que se encontram conservados, e, por sua vez, representa uma relativa cena costumeira. O casal se apresenta de pé, em sua alcova; o esposo bendiz a sua mulher, que lhe oferece sua mão direita, enquanto apóia a esquerda em seu ventre. A pose das personagens resulta-se teatral e cerimoniosa, praticamente hierática; alguns especialistas vêem nessas atitudes fleumáticas certa comicidade, ainda que a estendida interpretação que se vê no retrato, a representação de um casamento atribui a isso seu ar pomposo.

A obra, considerada muito inovadora para a época em que foi concebida, exibe diversos conceitos novos relativamente às perspectivas e à acentuação dos segundos planos. Note-se o espelho no fundo da composição, em que toda cena aparece invertida, tal como a imagem do próprio artista.

Segunda seleção

Vista da Cidade de Bruxelas

Bruxelas (em neerlandês: Brussel; em francês: Bruxelles), oficialmente a Região de Bruxelas ou Região de Bruxelas-Capital (em neerlandês: Brussels Hoofdstedelijk Gewest; em francês: Région de Bruxelles-Capitale), é a capital de facto da União Europeia (UE) e a maior área urbana na Bélgica. É composta por 19 comunas, incluindo a Cidade de Bruxelas, propriamente dita, que é a capital da Bélgica, Flandres e da Comunidade Francesa da Bélgica.

Bruxelas cresceu de uma fortaleza no século X, fundada por um descendente de Carlos Magno, para uma metrópole de mais de um milhão de habitantes. A área metropolitana da cidade tem uma população de mais de 1,8 milhões de habitantes, tornando-a maior da Bélgica.

Embora historicamente seja uma região de falantes do neerlandês, Bruxelas tornou-se uma cidade com cada vez mais falantes da língua francesa ao longo dos séculos XIX e XX. Hoje a maioria dos habitantes são falantes nativos do francês, embora ambas as línguas tenham estatuto oficial. Tensões linguísticas continuam e as leis de linguagem dos municípios em torno de Bruxelas são um tema de muita controvérsia na Bélgica.

Terceira seleção

Antuérpia

Antuérpia (Antwerpen em neerlandês, Anvers em francês) é a segunda maior cidade da Bélgica e a maior da região de Flandres. A população total de Antuérpia é 507.007 (em 31 de dezembro de 2011), tornando-se o maior município tanto de Flandres quanto da Bélgica, em termos populacionais. É conhecida como centro mundial de lapidação de diamantes e por seu porto, um dos maiores do mundo, localizado nas margens do Rio Escalda. Sua área total é de 204,51 km², dando uma densidade populacional de 2.308 habitantes por km². A área metropolitana, incluindo a zona exterior suburbana, cobre uma área de 1,449 km² com um total de 1.190.769 habitantes (em 1 de Janeiro de 2008). Os habitantes de Antuérpia são localmente apelidado Sinjoren, após o título honorífico espanhol señor. Refere-se aos nobres líderes espanhóis que governaram a cidade durante o século XVII.

O fato de ser considerado o centro mundial do diamante deve-se a que nessa cidade são negociados 80% dos diamantes brutos e 50% dos diamantes lapidados do mundo. De acordo com dados divulgados pelo Alto Conselho para o Diamante (HRD) em 2004, foram exportados mais de 8 mil milhões de dólares. Ainda de acordo com o HRD, o setor do diamante em Antuérpia movimentou nesse ano 34 mil milhões de dólares, e representou perto de 7% das exportações da Bélgica.