Principado de Teodoro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Principado de Teodoro
Principado de Teodoro
Blank.png
 
Blank.png
século XIV – 1475 Ottoman flag.svg
Localização de Principado de Teodoro
Localização do Principado de Teodoro (em verde) na Crimeia
Continente Europa
Região Crimeia
Capital Mangup
44° 35' N 33° 48' E
Língua oficial grego
Religião Cristianismo ortodoxo
Governo Monarquia
Período histórico Idade Média
 • século XIV Primeira menção nas fontes
 • 1475 Conquista pelo Império Otomano

Principado de Teodoro, também conhecido como Gótia (em grego: Γοτθία; transl.: Gotthía) ou Principado Godo-Bizantino de Teodoro-Mangup,[1] era um pequeno principado no sudoeste da Crimeia, o último Estado remanescente do Império Romano e um vestígio dos godos da Crimeia até sua conquista pelos turcos otomanos em 1475. Sua capital era Doros, que também era chamada às vezes de Teodoro e é conhecida agora como Mangup. O Estado era um aliado próximo do Império de Trebizonda e era distinto por sua população germânica oriental (embora fortemente helenizada).

História[editar | editar código-fonte]

Sua população era uma mistura de gregos, godos da Crimeia, alanos, búlgaros, cumanos, quipchacos e outros grupos étnicos, que seguiam o cristianismo ortodoxo. A língua oficial do principado era o grego. O território esteve inicialmente sob o controle do Império de Trebizonda como parte de suas possessões na Crimeia, o Perateia Gazarian.

O principado é mencionado pela primeira vez no início do século XIV, com a data mais antiga oferecida pelo historiador pós-bizantino Teodoro Espandunes, que registra a existência de um "Príncipe de Gótia" no reinado de Andrónico III Paleólogo (r. 1328–1341). Outras referências ocorrem ao longo do século XIV, com vários estudiosos identificando "Demétrio" (Dmitry nas línguas eslavas), um dos três príncipes tártaros na Batalha das Águas Azuis (cerca de 1362/3), com um Príncipe de Gótia. O nome neste caso pode possivelmente ser o nome batismal de um senhor tártaro de Mangup, nomeado Cuitani.[2]

O nome "Teodoro" (na forma corrompida Θεοδωραω) aparece pela primeira vez em uma inscrição grega também datada de ca. 1361/2 e novamente como "Theodoro Mangop" em um documento genovês de 1374.[3] Foi sugerido por A. Mercati que a forma é uma corruptela do plural grego "Theodoroi", "Theodores", significando os santos Teodoro de Heracleia e Teodoro de Amásia, mas N. Bănescu propôs a explicação alternativa que resultou do nome definitivo grego Τὸ Δόρος (a Doros) ou τὸ Δόρυ (a Dory),[4] por conta do nome medieval da região.[5] Seja qual for a sua procedência, o nome ficou popular: na década de 1420 a titulatura oficial do príncipe dizia: "Senhor da cidade de Teodoro e da Região Marítima",[6] enquanto coloquialmente se chamava Theodoritsi Θεοδωρίτσι, "pequeno Teodoro") por seus habitantes.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Kołodziejczyk 2011, p. 21.
  2. Vasiliev 1936, p. 183–186.
  3. Vasiliev 1936, p. 185–187.
  4. Vasiliev 1936, p. 191.
  5. Pritsak 1991, p. 654–655.
  6. Vasiliev 1936, p. 215.
  7. Vasiliev 1936, p. 218.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.