Reinaldo Moraes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Reinaldo Moraes
Reinaldo na TV Brasil em 2013
Nascimento 18 de janeiro de 1950 (69 anos)
São Paulo
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor, roteirista e tradutor
Movimento literário Geração beat
Magnum opus Pornopopéia e Tanto Faz

Reinaldo Moraes (São Paulo, 18 de Janeiro de 1950) é um escritor, roteirista, cronista e tradutor brasileiro.

É graduado em administração pela Fundação Getúlio Vargas

Estreou na literatura em 1981 com o romance Tanto faz, livro que se tornaria cultuado por diversas gerações de leitores. Em 1985 lançou Abacaxi, continuação de seu livro de estreia. Ambos foram reeditados em um único volume pelo selo Má Companhia, da editora Companhia das Letras. Depois dos primeiros romances, o autor fez uma pausa na literatura e ficou quase duas décadas sem publicar ficção. Voltou às prateleiras com a narrativa infanto-juvenil A órbita dos caracóis (2003), seguido pelo volume de contos Umidade (2005).[1]

Em 2009, Moraes lançou Pornopopéia (Objetiva), considerado pela crítica seu melhor livro. O romance de quase quinhentas páginas é uma viagem alucinada pelo underground paulistano, protagonizado por um cineasta fracassado que faz vídeos institucionais para sobreviver. Colaborou mensalmente para a revista Status, com crônicas que foram reunidas no volume Cheirinho do amor (2014)[2]

Na televisão, co-escreveu, ao lado de Mário Prata e Dagomir Marquezi, a novela Helena, exibida em 1987 pela Rede Manchete e livremente adaptada da obra de Machado de Assis. Também colaborou como roteirista nas novelas O campeão e Bang Bang. No cinema, foi roteirista dos filmes Tainá e Dom. [3]

Já traduziu autores como William S. Burroughs, Charles Bukowski, Thomas Pynchon, Jean Cocteau e Edmund White. [4][5][6]

No início da década de 1970, trabalhou como fotografo, tendo sido o autor da polêmica foto de capa do disco Todos os Olhos do Tom Zé.[7]

Apresentou aos sábados o programa "Fogo no Rádio" na Rádio Uol, junto com o cartunista Caco Galhardo. Foi colunista do jornal online Nexo. [8]

Títulos[editar | editar código-fonte]

  • Tanto Faz, 1981
  • Abacaxi, 1985
  • A Órbita dos Caracóis, 2003
  • Estrangeiros Em Casa, 2004 (em parceria com o fotografo Roberto Linsker)
  • Umidade - Histórias, 2005
  • Barata - Ilustrações Luli Penna, 2007
  • Pornopopéia, 2009
  • O Cheirinho do Amor - crônicas safadas, 2014
  • Maior que o mundo, 2018

Relançamentos[editar | editar código-fonte]

  1. «Reinaldo Moraes - Grupo Companhia das Letras». www.companhiadasletras.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2017 
  2. «Reinaldo Moraes está lançando o livro 'O cheirinho do amor' - Programa do Jô». Programa do Jô 
  3. «Reinaldo Moraes». IMDb. Consultado em 25 de novembro de 2017 
  4. «Reinaldo Moraes - Grupo Companhia das Letras». www.companhiadasletras.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2017 
  5. «Reinaldo Moraes, tesão pela escrita | Saraiva Conteudo». Saraiva Conteudo. 31 de dezembro de 2010 
  6. Assunção, Teodoro Rennó (2003). Ensaios de escola. [S.l.]: 7Letras. ISBN 9788575770283 
  7. «Folha.com - Ilustríssima - A câmera stalinista: São Paulo, 1972 - 05/12/2010». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2017 
  8. «Reinaldo Moraes». Nexo Jornal