Reynoutria japonica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaReynoutria japonica
Reynoutria japonica2.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
(sem classif.) Angiosperms
(sem classif.) Eudicots
(sem classif.) Core eudicots
Ordem: Caryophyllales
Família: Polygonaceae
Género: Reynoutria
Espécie: R. japonica
Nome binomial
Reynoutria japonica
(Houtt.) Ronse Decr. 1988
Sinónimos[1]

Reynoutria japonica, sinónimo Fallopia japonica, é uma espécie de erva perene da família Polygonaceae, nativa da Ásia Oriental em Japão, China e Coreia. Na América do Norte e Europa, a espécie é muito próspera e tem sido classificada como uma espécie invasora em vários países.[2][3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A Reynoutria japonica tem talos ocos com diferentes nós planteadas que lhe dão a aparência do bambu, ainda que não esteja relacionado. Enquanto os talos podem atingir um tamanho de 3-4 metros, é típico ver as plantas bem mais pequenas em lugares onde brotam através de gretas no pavimento ou se cortam em repetidas ocasiões. As folhas são largas ovaladas com uma base truncada, de 7-14 cm de comprimento e 5-12 cm de largura, com uma margem inteira. As flores são pequenas, de cor creme ou cinza, produzido em racimos eretos de 6-15 cm de comprimento no final de verão e princípios de outono.«Japanese knotweed». Royal Horticultural Society. Consultado em 6 de junho de 2014 </ref> Espécies próximas incluem Fallopia sachalinensis e Fallopia baldschuanica.

em Caersws, Gales in 2010
Vista da planta
Vista da planta

Espécie invasiva[editar | editar código-fonte]

Está classificada pela União Internacional para a Conservação da Natureza como uma das 100 piores espécies invasoras do mundo.[4]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma espécie presente no território português, nomeadamente em Portugal Continental.

Em termos de naturalidade é introduzida na região atrás indicada.

Espanha[editar | editar código-fonte]

Incluída no Catálogo Espanhol de Espécies Exóticas Invasoras, a inclusão de uma espécie no catálogo, de acordo ao artigo 61.3 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, implica a proibição genérica da sua posse, transporte, tráfico e comércio de instâncias vivas ou mortos, dos seus restos ou propágulos, incluindo o comércio exterior.[5]

Seu sistema radicular invasivo e um forte crescimento podem danificar as bases de betão, os edifícios, defesas contra inundações, estradas, pavimentação, muros de contenção e lugares arquitetónicos.

Também pode reduzir a capacidade dos canais nas defesas contra inundações para controlar a água.[6]

É um colonizador frequente dos ecossistemas temperados ribeirinhos, bordas de caminhos e lugares de resíduos. Forma grossas e densas colónias que completamente deslocam a outras espécies herbáceas e agora está considerada como uma das piores espécies exóticas invasoras em zonas do este dos Estados Unidos. O sucesso da espécie atribuiu-se em parte a sua tolerância de uma muito ampla faixa de tipos de solo, o pH e a salinidade. Seus rizomas podem sobreviver a temperaturas de -35 ° C ( e pode-se estender 7 metros horizontalmente e 3 metros de profundidade, pelo que a eliminação por escavação é extremamente difícil.

A planta também é resistente ao corte, pelo rebrote vigoroso das raízes. O método mais eficaz de controle é mediante herbicidas de aplicativo perto da fase de floração no final do verão ou no outono. Em alguns casos é possível erradicar numa estação de crescimento utilizando só herbicidas. Os ensaios na Ilhas da Rainha Carlota (Haida Gwaii) da Colúmbia Britânica com água do mar aspergida na folhagem têm demonstrado resultados prometedores, que podem chegar a ser uma opção viável para a erradicação, tendo em conta a preocupação pelo aplicativo de herbicidas é demasiado grande.[7]

Dois agentes de controle biológico de plagasque parecem ser prometedores no controle da planta são o psílido Aphalara itadori[8] e uma mancha da folha de fungos do género Mycosphaerella.[9][10][11]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A autoridade científica da espécie é (Houtt.), Ronse Decr. tendo sido publicada em Natuurlijke Historie [tweede deel {segunda parte}] 2(8): 640, t. 51, f. 1. 1777, e publicado em Botanical Journal of the Linnean Society 98(4): 369. 1988.[12]

Sinonímia
  • Pleuropterus cuspidatus (Siebold & Zucc.) H. Gross
  • Polygonum cuspidatum Siebold & Zucc.
  • Polygonum reynoutria Makino
  • Reynoutria henryi Nakai
  • Fallopia japonica Houtt.
  • Tiniaria japonica (Houtt.) Hedberg[13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The Plant List, Reynoutria japonica Houtt.». Royal Botanic Gardens Kew and Missouri Botanic Garden. Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  2. «How to deal with Japanese knotweed and other invasive plants». Sunday Express. 2014 
  3. «Japanese Knotweed, Reynoutria japonica var. japonica». Invading Species Awareness Program, Ontario Ministry of Natural Resources and Forestry, Peterborough, Ontario Canada. 2012. Consultado em 2 de agosto de 2017. Arquivado do original em 8 de agosto de 2017 
  4. Lowe S, Browne M, Boudjelas S, De Poorter M (1 de dezembro de 2000). «100 of the World's Worst Invasive Alien Species: A Selection from the Global Invasive Species Database» (PDF). The Invasive Species Specialist Group, a Specialist Group of the Species Survival Commission of the World Conservation Union. p. 6. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  5. «Real Decreto 630/2013, de 2 de agosto, pelo que se regula o Catálogo espanhol de espécies exóticas invasoras» (PDF) 
  6. «Article on the costs of Japanese Knotweed» 
  7. McLean, Denise (julho 2013). «Haida Gwaii Knotweed Herbicide Treatment» (PDF) 
  8. «"Tell me, sweet little lice" Naturenet article on psyllid control of knotweed» 
  9. Morelle, R. «Alien invaders hit the UK» (em inglês) 
  10. «Testing the psyllid: first field studies for biological control of knotweed United Kingdom». CABI. Consultado em 30 de junho de 2014. Arquivado do original em 28 de dezembro de 2013 
  11. «On CABI Web site, Japanese Knotweed Alliance: Japanese knotweed is one of the most high profile and damaging invasive weeds in Europe and North America». Cabi.org. Consultado em 30 de junho de 2014 
  12. «Fallopia japonica». Tropicos.org. Missouri Botanical Garden 
  13. Fallopia japonica em PlantList

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Reynoutria japonica