Cronologia da botânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Esta lista apresenta, não taxativamente, acontecimentos notáveis na história da botânica.

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Idade Média[editar | editar código-fonte]

Renascimento[editar | editar código-fonte]

Século XVII[editar | editar código-fonte]

  • 1601: aparece Rariorum plantarum historia de Charles de l'Écluse (1525-1629) que inclui suas obras anteriores. Sua classificação não era muito avançada, mas suas descrições excelentes
  • 1605: Claude Duret (v. 1570-1611) publica Histoire admirable des plantes et herbes esmerveillables et miraculeuses en nature... (Paris, 1605) onde descrevia plantas tão estranhas como uma árvore cujas folhas fugiam com pernas curtas quando chegavam a terra
  • 1635: publicação do Edicto Real de criação do Jardim do rei em Paris. Foi inaugurado oficialmente em 1640. Seu objectivo, como seu nome o indica: Jardin royal des plantes médicinales, de cultivo único de plantas medicinais
  • 1636: publica-se uma edição aumentada de Herball por Thomas Johnson
  • 1640: aparece Theatrum botanicum de John Parkinson
  • 1644: falece Thomas Johnson, autor de Mercurius botanicus, em Hampshire
  • 1650: William How publica Phytologia Britannica em Londres
  • 1670: publica-se a primeira flora da Grã-Bretanha: Catalogus plantarum Angliæ et insularum adjacentium de John Ray
  • 1671: Marcello Malpighi publica um estudo sobre a anatomia vegetal marcando a estreia dessa disciplina
  • 1686: começa-se a publicação de História plantarum generalis de John Ray, a primeira tentativa de uma flora global. Apresentou uma definição de espécie muito similar à utilizada mais tarde pelo genial Carolus Linnaeus
  • 1694: Rudolf Jakob Camerarius publica De Sexu Plantarum Epistola onde demonstra o papel do estame e do pistilo na reprodução vegetal

Século XVIII[editar | editar código-fonte]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Botânica do s. XX, XXI, e do futuro[editar | editar código-fonte]

  • 1905: Frederick Hamilton Davey publica Flora of Cornwall em Penzance

Com novas estratégias de trabalho e de formação, permitem a interacção de novas ferramentas como:

O cruzamento entre essas ferramentas e procedimentos através de um software chamado de interoperabilidade, abre um amplo campo e uma nova botânica às vezes chamada de «botânica numérica ou digital»[1] enquanto os botânicos universitários do século XX com a cada vez mais provável que se tivessem formado, para tratar de abordar esses problemas, emergências e incertezas relacionados com a diminuição acelerada da biodiversidade e às mudanças climáticas.

As tecnologias de comunicações sem fio (como o telefone celular, wi-fi), associadas ao GPS e de outras equipamentos fixos e "independentes" de facto devem permitir uma rápida identificação botânica assistida por computador, incluindo ao terreno, graças à melhora de algoritmos experientes de software com motores de busca para a «identificação visual». Inversamente, a identificação da terra deve ser capaz de enriquecer as bases de dados em geral.

As experiências como Telabotânica já têm demonstrado o valor da combinação de redes e comunidades de pesquisadores aficionados para melhorar o acesso aos dados. Existe em França um projecto de plataforma botânica colaborativa «Pl@ntnet».[2]

  • um melhor controle (se é necessário e quando seja necessário, inclusive em forma automática e robótica) na contramão de adventícias dos cultivos
  • melhorar a bioavaliação (avaliação do patrimônio ecológico em particular, importante para estudar impactos e a concessão de isenções na mudança de compensações fortes e eficazes
  • melhorar o rastreamento do estado sanitário das espécies fisiológicas e suas populações. Algumas ferramentas de detecção automática já existem (por exemplo, para aspergir pesticidas só às plantas não desejadas para o agricultor ou para recolher fruta nos ramos). Talvez algum dia os robôs reúnem as más ervas sem utilizar produtos químicos
  • monitorar as espécies introduzidas e / ou invasivas:
  • seguir a corología (partilha das populações vegetais), e os impactos de mudanças climáticas
  • detectar a toxicidade de plantas
  • e, em general contribuam a uma vigilância mais estreita em "tempo real" da biodiversidade
  • melhorar a renderização aplicada ao reino vegetal. As simulações de evolução da paisagem são uma dos aplicativos possíveis ((simulação da arquitetura das plantas têm evoluído para a predição do desenvolvimento de suporte)
  • um melhor acesso a dados através de portais de Internet, mais fácil de usar e ergonómico para os não especialistas e experientes por igual

Com novas chaves dicotómicas de identificação, gráficas, visuais, e textuais simplificadas de determinar, gestão de bases de dados digitais ou fotos digitais da flora, de bases de genoma, e o software de simulação da evolução da flora de acordo às condições ambientais, ou para avaliar a bioconcentração ou o movimento de determinados agentes contaminantes na corrente alimentar, etc. são alguns exemplos do que se espera da botânica num futuro próximo.[3]

Os computadores e as bases de dados em rede, junto com um trabalho de maior colaboração, deveria impulsionar a investigação, e também permite o acesso desde a botânica a um maior número de aficionados e público em general. Uma condição para isto é melhorar a interoperabilidade de bases de dados e software (objectivo, que é coordenado em França pela rede SINP que podem confiar nas novas bases de dados de nomenclatura e projectos em desenvolvimento tais como baseflor, baseveg, CATMINAT e bases de dados fitossociológicos Tela-botânica.

Essas melhoras também devem afectar ao direito ambiental onde têm mais que actualizar as listas de espécies protegidas e em perigo de extinção, a evolução da botânica, o que significa ter que fazer referência a uma as diferentes espécies conhecidas ou subdivididas ou combinadas em novas taxa. A botânica digital também deveria melhorar a formação de cientistas, o trabalho de arquitetos e engenheiros, como a luta contra o tráfico de espécies de madeira ou uma planta em perigo de extinção ou protegidas (pelas alfândegas e a polícia por exemplo, sobre a CITES). As ferramentas "entrada múltipla", por exemplo, apoiam-se sobre a base de "tipologias de retrato-robô" e uma selecção filtrada pelo potencial do lugar em questão e referenciado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jornada organizada no "Salão internacional da Agricultura", 2009, por el Institut national de la recherche agronomique INRA e Cirad em 23 de fevereiro de 2009
  2. Plataforma informática e desenvolvimento de software que a partir de 2009 e em 4 anos, com um pressuposto de 3 milhões de euros, previsto pela fundação Agropolis com o Cirad, INRA, IRD, e Sup-Agro, e ajudas de 3 equipas complementárias: a equipa AMAP (Inra-Cirad-Cnrs-Ird-Universidade de Montpellier 2), e os de INRIA e da rede "Tela-botânica" que inclui aproximadamente a 10.000 membros em 80 países)
  3. Apresentação sobre un enfoque gráfico para a identificação assistida de plantas (Salão da Agricultura 2009)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]