Vicente de Beauvais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vicente de Beauvais
Nascimento 1190
Beauvais
Morte 1264 (74 anos)
Beauvais
Cidadania França
Ocupação pedagogo, frade dominicano, filósofo, escritor, zoólogo, naturalista, Enciclopedistas
Obras destacadas Speculum maius
Religião Igreja Católica

O frade dominicano Vicente de Beauvais (Vincentius Bellovacensis ou Vincentius Burgundus) (c. 11901264?) escreveu o Speculum Maius, a principal enciclopédia usada durante a Idade Média.

Anos iniciais[editar | editar código-fonte]

As datas exatas de deu nascimento e morte são desconhecidas e não se possui muitos detalhes sobre sua carreira. Conjectura-se que esteve inicialmente na casa dos dominicanos em Paris entre 1215 e 1220, e posteriormente no monast[erio dominicano fundado por Luís IX de França em Beauvais na Picardia. É mais certo, entretanto, que ele tenha tido o cargo de "leitor" no monastério de Royaumont no Oise, próximo de Paris, também fundado por Luís IX entre 1228 e 1235. O rei lera os livros que Vicent havia compilado e forneceu os fundos necessários para a obtenção de cópias de autores que ele necessitasse. A rainha Margaret, seu filho Felipe e seu genro, Theobald V de Champagne e Navarra, também são citados entre aqueles que o incentivaram à composição de seus "pequenos trabalhos," especialmente De Institutione Principum.

Embora Vicente possa ter sido chamado a Royaumont mesmo antes de 1240, não existem provas de que ele tenha vivido lá antes da volta de Luís IX e sua esposa da Terra Santa no início do verão de 1254. Mas é evidente que ele tenha escrito seu trabalho De Eruditione Filiorum Regalium (onde ele usa o nome "Vincentius Belvacensis, de ordine praedicatorum, qualiscumque lector in monasterio de Regali Monte") após esta data e entretanto antes de janeiro de 1260, a data aproximada de seu Tractatus Consolatorius em ocasião da morte de um dos filhos do rei naquele ano.

Speculum Maius[editar | editar código-fonte]

O Speculum Maius ('O Grande Espelho') de Vicente, compêndio do conhecimento da Idade Média, parece ter consistido de três partes, o Speculum Naturale, o Speculum Doctrinale e o Speculum Historiale. Todas as edições impressas, entretanto, incluem uma quarta parte, o Speculum Morale, adicionada no século XIV e compilado principalmente por Tomás de Aquino, Estevão de Bourbon, e alguns outros autores contemporâneos.

Speculum Naturale[editar | editar código-fonte]

O vasto tomo do Speculum Naturale ("Espelho da Natureza'), dividido em trinta e dois livros com 3.718 capítulos, é um resumo de toda a ciência e história natural conhecida pela Europa Ocidental até a metade do século XIII, um mosaico de citações de autores latinos, gregos, árabes e até mesmo hebreus, com as devidas referências. Vicente distingue seus próprios comentários.

O Speculum Naturale trata dos seus assuntos na ordem segundo a qual eles foram criados: ele é basicamente um comentário gigante do livro do Gênesis Portanto o livro i. começa com uma descrção da Santíssima Trindade e sua relação com a criação; segue-se então uma série de capítulos semelhantes sobre anjos, seus atributos, poderes, ordens, etc., até detalhes como seus métodos de comunicar pensamento, sobre o qual o autor decide, por si próprio, que eles possuem um tipo de linguagem inteligível, e que com anjos pensar e falar não são o mesmo processo.

Livro II. trata do mundo criado, da luz, cor, os quatro elementos, Lúcifer e seus anjos caídos e o trabalho do primeiro dia.

O Livro III e o IV tratam dos fenômenos dos céus e do tempo, que é medido pelos movimentos dos corpos celestes, com o firmamento e todas a suas maravilhas, fogo, chuva, raio, orvalho, ventos, etc.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]