Rhizophora racemosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaRhizophora racemosa
MACOURIA 068.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Malpighiales
Família: Rhizophoraceae
Género: Rhizophora
Espécie: R. racemosa
Nome binomial
Rhizophora racemosa

A Rhizophora racemosa, também conhecida como mangue vermelho, é uma espécie pertencente à família das Rhizophoraceae e ao gênero Rhizophora. Possui raízes caulinares, tipo "escora". Difere da Rhizophora mangle e da R. harrisonii nas inflorescências. Apresenta flores e botões maduros localizados entre os 7-9 nós a partir do ápice; grupos de 3-8 inflorescências, bracteolas denteadas.

A espécie pode ser encontrada na Amazônia costeira, no litoral do estado brasileiro do Maranhão, na Baía do Tubarão, nos estuários dos rios Mapari e Peria. Ocorre tambám no litoral do Pará, Amapá e na Guiana Francesa, em Macouria. Pode ser vista na África ocidental, na Costa do Marfim, Senegal, Gâmbia e Angola.[carece de fontes?]

Nos estuários do Maranhão, ocorre em águas oligohalinas e atá doces, geralmente com salinidade entre 0 a 8 ups, em estuários estratificados ou não, com elevado fluxo de água doce. Nas áreas de salinidade a partir de 8 ups pode ser encontrada em co-ocorrência com outra espécia, a Rhizophora mangle. Em águas oligohalinas e doces pode coexistir com a Rhizophora harrisonii.[carece de fontes?]

Alguns autores sugerem que a R. harrisonii seja um híbrido entre a R. racemosa e a R. mangle. Entretanto, estudos genéticos realizados com sequências de genes ribossômicos demonstram que as três são espécies distintas.[1] Exemplares herborizados podem ser examinados no Laboratório de Benthos e Ecologia de Manguezais do Departamento de Oceanografia e Limnologia da Universidade Federal do Maranhão.[carece de fontes?]

As cascas das três espécies de mangue vermelho são utilizadas na tintura de panos de rede e velames de embarcações. Troncos e galhos são usados como lenha, carvão e na construção de casas, cercas, postes etc. As folhas são preparadas como chá para disenteria, hemorragias gengivais e gargarejos.[carece de fontes?]

No Maranhão, o tronco do mangue vermelho escavado a fogo e coberto com couro de animal se transforma em tambor, instrumento musical que caracteriza as manifestações folclóricas e religiosas do Tambor de Crioula e do Tambor de Mina.[carece de fontes?]

Referências