Rodolfo, Príncipe Herdeiro da Baviera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rodolfo da Baviera)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Rodolfo da Baviera
Príncipe Herdeiro da Baviera
Período 8 de novembro de 19132 de agosto de 1955
Predecessor Luís III da Baviera
Sucessor Alberto Leopoldo da Baviera
Cônjuge Maria Gabriela da Baviera
Antonieta de Luxemburgo
Descendência
Leopoldo
Ermengarda
Alberto
Rodolfo
Henrique
Ermengarda
Edite
Hilda
Gabriela
Sofia
Pai Luís III da Baviera
Mãe Maria Teresa de Áustria-Este
Nascimento 18 de maio de 1869
Munique, Reino da Baviera
Morte 2 de agosto de 1955 (86 anos)
Schloss Leutstetten, Starnberg, Alemanha
Enterro Theatinerkirche, Munique

Rodolfo Maria Leopoldo Fernando de Wittelsbach (em bávaro: Rupprecht Maria Luitpold Ferdinand von Wittelsbach) (Munique, 18 de maio de 1869Schloss Leutstetten, Starnberg, 2 de agosto de 1955), foi o último príncipe herdeiro da Baviera.

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Filho de Luís III, o último rei da Baviera, e de sua esposa, a arquiduquesa Maria Teresa Henriqueta da Áustria-Este (sobrinha do duque Francisco V de Módena), ele comandou tropas germânicas em Lorena com a explosão da Primeira Guerra Mundial. Rodolfo teve sucesso em conter o ataque francês em agosto de 1914, na batalha de Lorena, e então liderou um contra-ataque mais tarde naquele mês. Entretanto, falhou ao tentar ultrapassar a fronteira com a França, permanecendo na frente oeste durante o empate que duraria até o fim da guerra. Rodolfo adquiriu a posição de marechal de campo em 1916.

Primeiro casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Em 1900, Rodolfo desposou a duquesa Maria Gabriela, filha de Carlos Teodoro, duque da Baviera e sobrinha da imperatriz "Sissi" da Áustria. Eles tiveram cinco filhos:

  • O príncipe Leopoldo Maximiliano Luís Carlos da Baviera (1901-1914), sofria de paralisia infantil.
  • A princesa Ermengarde Maria Teresa José Cecília Adelaide Micaela Antônia Aldegunda (1902-1903), morreu de crupe.
  • Alberto, duque da Baviera (1905-1996).
  • Filha natimorta (1906).
  • Príncipe Rodolfo Frederico da Baviera (1909-1912), morreu de diabetes.

Segundo casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Em 7 de abril de 1921, Rodolfo desposou a princesa Antonieta de Luxemburgo, irmã da grã-duquesa Carlota de Luxemburgo. Eles tiveram seis filhos:

  • O príncipe Henrique Francisco Guilherme da Baviera (1922-1958). Casou-se com Ana Maria de Lustrac (1927-1999); sem descendência.
  • A princesa Ermengarde Maria Josefa da Baviera (1923-2010)
  • A princesa Edita Maria Gabriela Ana da Baviera (1924-)
  • A princesa Hilda Hildegard Maria Gabriela da Baviera (1926-2002)
  • A princesa Gabriela Aldegunda Maria Teresa Antônia da Baviera (1927-)
  • A princesa Sofia Maria Teresa da Baviera (1935-)

Perda do trono[editar | editar código-fonte]

Rodolfo perdeu a sua chance de governar a Baviera quando essa se tornou uma república, durante as revoluções que se seguiram após a guerra. Alguns realistas até hoje se referem a ele como o rei da Baviera. Como Rodolfo era contrário ao regime da Alemanha nazista, foi forçado a se exilar na Itália, em 1939.

Em outubro de 1944, quando a Alemanha ocupou a Hungria, ele conseguiu escapar, mas sua esposa e seus filhos foram capturados. Eles foram primeiro aprisionados no campo de concentração de Sachsenhausen, em Oranienburg, Brandemburgo. Em abril de 1945, foram movidos para o campo de concentração de Dachau, onde foram libertados pelo exército norte-americano. A princesa Antonieta nunca se recuperou totalmente do cativeiro e morreu poucos anos depois.

Através da sua mãe, a seguir à sua morte, era pretendente aos tronos de Inglaterra e da Escócia pela facção jacobita mas nunca o requereu.