Ronaldo Azeredo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Ronaldo Pinto de Azeredo (Rio de Janeiro, 12 de fevereiro de 1937São Paulo, 14 de novembro de 2006), mais conhecido como Ronaldo Azeredo, foi um poeta brasileiro.

Participou, em 1956 e 1957, do lançamento oficial da poesia concreta, na I Exposição Nacional de Arte Concreta, realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Ministério da Educação e Cultura.

Fez poesia em pano, poemas-mapa, poemas-desenho, poemas-partitura e poemas-quebra-cabeça (1970). É avô do rapper brasileiro Fabio Brazza.

Publicou seu primeiro poema, "Rato", em 1954, no nº 3 da revista "Noigandres", e mudou-se em 1957 a São Paulo. Participou das mostras de 56 e 57, antes de lançar três marcos do movimento: "Ruasol", "Lesteoeste" e "Velocidade".

Avesso a entrevistas, concedeu apenas uma em toda a vida, à revista "Trópico", em 2005, quando falou entre outras coisas, de como se distinguia de Haroldo e Augusto de Campos, e de Pignatari. "Evidentemente, os grandes intelectuais do grupo eram os três, não era eu. Eu era mais o fazedor, não era o teórico ou formulador de grandes teorias."

Obras[editar | editar código-fonte]

(Lista incompleta)

  • Mínimo Múltiplo Comum (1956)
  • Poesia Concreta (1962, antologia de vários autores)
  • Panagens (1975)
  • Labirintexto (1976)
  • Armar (1977)
  • Sonhos Dourados (1982)
  • Noite Noite Noite (1990)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um escritor do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.