Décio Pignatari

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Décio Pignatari
Data de nascimento 20 de agosto de 1927
Local de nascimento Jundiaí, Brasil
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Data de morte 2 de dezembro de 2012 (85 anos)
Local de morte São Paulo, Brasil
Ocupação Publicitário, poeta, ator, ensaísta, professor e tradutor
Magnum opus O carrossel: poemas
Prémios Prémio Jabuti 1962

Décio Pignatari (Jundiaí, 20 de agosto de 1927São Paulo, 2 de dezembro de 2012)[1] foi um publicitário, poeta, ator, ensaísta, professor e tradutor brasileiro.

Desde os anos 1950, realizava experiências com a linguagem poética, incorporando recursos visuais e a fragmentação das palavras. Tais aventuras verbais culminaram no Concretismo, movimento estético que fundou junto com Augusto e Haroldo de Campos, com quem editou as revistas Noigandres e Invenção e publicou a Teoria da Poesia Concreta (1965). Como teórico da comunicação, traduziu obras de Marshall McLuhan e publicou o ensaio Informação, Linguagem e Comunicação (1968). Sua obra poética está reunida em Poesia Pois é Poesia (1977). Décio Pignatari publicou traduções de Dante Alighieri, Goethe e Shakespeare, entre outros, reunidas em Retrato do Amor quando Jovem (1990) e 231 poemas. Publicou seu primeiro livro de poesias em 1950 ``Carrossel``, o volume de contos O Rosto da Memória (1988) e o romance Panteros (1992), além de uma obra para o teatro, Céu de Lona.

Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, turma de 1954.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • O Carrossel. São Paulo: Cadernos do Clube de Poesia, 1950.
  • Rumo a Nausicaa. São Paulo: Noigandres, 1952.
  • Organismo. s/n, 1960.
  • Exercício Findo. São Paulo: Invenção, 1968.
  • Poesia Pois É Poesia (1950-1975). São Paulo: Duas Cidades, 1977. [2ª edição, São Paulo: Brasiliense, 1986].
  • Vocogramas. São Paulo: Revista Código/Erthos Albino de Souza, 1985.
  • Poesia Pois É Poesia (1950-2000). Cotia/Campinas, Ateliê Editorial/Editora Unicamp, 2004. [Reúne a obra poética de Décio Pignatari, traz também traduções e trabalhos inéditos do autor].

Contos[editar | editar código-fonte]

  • O Rosto da Memória. São Paulo: Brasiliense, 1986. [2ª edição, Cotia: Ateliê Editorial, 2014].

Romance[editar | editar código-fonte]

Peças teatrais[editar | editar código-fonte]

Literatura Infantil[editar | editar código-fonte]

Ensaios e crônicas[editar | editar código-fonte]

  • Podbre Brasil!: Crônicas políticas. Campinas: Pontes Editores, 1988.
  • Terceiro Tempo. Cotia: Ateliê Editorial, 2014.

Memórias[editar | editar código-fonte]

Estudos Teóricos[editar | editar código-fonte]

  • Teoria da Poesia Concreta: Textos Críticos e Manifestos (1950-1960), 1965 (com Haroldo e Augusto de Campos). São Paulo: Edições Invenção. [2ª edição ampliada, São Paulo, Duas Cidades, 1975; 3ª edição, Brasiliense, 1987; 4ª edição, Ateliê Editorial, 2006].
  • Informação, Linguagem, Comunicação. São Paulo: Perspectiva, 1968. [2ª edição, Cultrix, 1997; 3ª edição, Ateliê Editorial, 2003].
  • Contracomunicação. São Paulo: Perspectiva, 1971. [Reedição, Cotia: Ateliê Editorial, 2004].
  • Semiótica e Literatura. s/n: 1974. [2ª edição, Cotia: Ateliê Editorial, 2004].
  • Comunicação Poética. São Paulo: Editora Cortez e Moraes, 1977.
  • Semiótica & Literatura: icônico e verbal, oriente e ocidente. São Paulo: Perspectiva, 1979.
  • Por um Pensamento Icônico: semiótica da arte e do ambiente urbano. Tese de Livre Docência, São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 1979.
  • Rio Decô (com Sergio Bernardes; introdução de Luciano Figueiredo e Oscar Ramos). Rio de Janeiro: Edições Achiamé, 1980.
  • Semiótica da Arte e da Arquitetura. São Paulo: Cultrix, 1980. [2ª edição, Cotia: Ateliê Editorial, 2004].
  • Signagem da Televisão. São Paulo, Brasiliense, 1984.
  • Comunicação e Novas Tecnologias: Reflexões. São Paulo: Editora Com-Arte, 1984.
  • Malacologia e semiótica (com Vera Cecília Machline). s/n: 1984.
  • Foto-grafismo. (com Stefania Bril). Rio de Janeiro: Funarte/Instituto Nacional da Fotografia, 1985.
  • O que é comunicação poética. São Paulo: Brasiliense, 1987.
  • Design Simbólico. s/n: 1988.
  • Tempos da Arte e da Tecnologia. s/n: 1993.
  • A Arte de Almandrade (com Haroldo Cajazeira e Luiz Rosemberg Filho). s/n: 1995.
  • Da Janela à Não-Janela. s/n: 1995.
  • Letras, Artes, Mídia. São Paulo: Editora Globo, 1995.
  • Biografia: sintoma da cultura (com Fani Hisgail). São Paulo: Hacker Editores, 1997.
  • Cultura pós-nacionalista. Rio de Janeiro: Imago, 1998.

Organização de antologias e traduções (transcriações)[editar | editar código-fonte]

  • A lei e os lucros: cuidado com os seus impostos, de C. Northcote Parkinson. São Paulo: Editora Pioneira, 1960.
  • Cantares de Ezra Pound (com Haroldo e Augusto de Campos). Rio de Janeiro: Serviço de Documentação-MEC, 1960.
  • Antologia Poética de Ezra Pound (com Haroldo de Campos, José Lino Grünewald e Mário Faustino). Lisboa: Ulisséia, 1968.
  • Mallarmé (com Haroldo e Augusto de Campos). São Paulo: Perspectiva, 1978 [2ª edição, 1980; 3ª edição, ampliada. 2006].
  • Ezra Pound - Poesia. (com Augusto de Campos, Haroldo de Campos, José Lino Grünewald e Mário Faustino; organização, introdução e notas de Augusto de Campos). São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora UnB, 1983.
  • Retrato do Amor Quando Jovem. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
  • 31 Poetas, 214 Poemas: Do Rigveda e Safo a Apollinaire. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
  • Marina - Marina Tsvietáieva (Марина Цветаева). Curitiba: Travessa dos Editores, 2005.
  • Os meios de comunicação como extensões do homem, de Marshall Mcluhan. São Paulo: Cultrix, 2005.

Seletas, coletâneas e antologias (participação)[editar | editar código-fonte]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

    Ícone de esboço Este artigo sobre um poeta ou uma poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.