Roza Shanina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Roza Shanina
Ро́за Ша́нина
Nome completo Roza Yegorovna Shanina
Ро́за Гео́ргиевна Ша́нина
Nascimento 3 de abril de 1924
Edma, Arcangel, Rússia,
União Soviética
Morte 28 de janeiro de 1945 (20 anos)
Reichau, Prússia Oriental, Alemanha
Progenitores Mãe: Anna Shanina
Pai: Yegor Shanin
Serviço militar
Lealdade  União Soviética
Serviço Exército Vermelho
Anos de serviço 1943–1945
Patente Sargento
Unidades 184ª Divisão de Rifles
Conflitos Segunda Guerra Mundial
Condecorações Ordem da Glória
Medalha "Por Coragem"

Roza Yegorovna Shanina[nota 1] (em russo: Ро́за Его́ровна Ша́нина; Edma, 3 de abril de 1924 — próximo de Nowo-Bobruisk, 28 de janeiro de 1945[nota 2]) foi uma franco-atiradora soviética durante a Segunda Guerra Mundial, creditada com 59 mortes confirmadas,[3] incluindo 12 atiradores inimigos durante a Batalha de Vilnius.[4] Shanina se ofereceu para o serviço militar após a morte de seu irmão em 1941 e optou por atuar na linha de frente. Elogiada por sua precisão de tiro, foi capaz de acertar com exatidão o pessoal inimigo e fazer duplas (dois acertos de alvo por dois tiros disparados em rápida sucessão).

Em 1944, um jornal canadense a descreveu como "o terror invisível da Prússia Oriental".[5] Ela se tornou a primeira mulher em serviço da 3.ª Frente Bielorrussa a receber a Ordem da Glória. Shanina foi morta em combate durante a Ofensiva da Prússia Oriental enquanto protegia o comandante gravemente ferido de uma unidade de artilharia. A bravura de Shanina recebeu elogios já durante sua vida, mas entrou em conflito com a política soviética de poupar atiradores de batalhas pesadas. Seu diário de combate foi publicado pela primeira vez em 1965.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Roza Shanina nasceu em 3 de abril de 1924 no vilarejo russo de Edma, no Oblast de Arcangel, filha de Anna Alexeyevna Shanina, uma leiteira Kolkhoz, e Georgiy (Yegor) Mikhailovich Shanin, um madeireiro que havia sido incapacitado por um ferimento recebido durante a Primeira Guerra Mundial[6] Roza recebeu o nome da revolucionária marxista Rosa Luxemburgo[7] e tinha seis irmãos: uma irmã Yuliya e cinco irmãos: Mikhail, Fyodor, Sergei, Pavel e Marat. Os Shanins também criaram três órfãos.[8] Roza tinha altura acima da média, cabelo castanho claro e olhos azuis, e falava em um dialeto russo do norte.[9] Depois de terminar quatro classes do ensino fundamental em Edma, Shanina continuou seus estudos na aldeia de Bereznik. Como não havia transporte escolar na época, quando ela estava da quinta à sétima séries, teve que caminhar 13 quilômetros até Bereznik para frequentar o ensino médio.[6] Aos sábados, Shanina ia novamente a Bereznik para cuidar de sua tia doente Agnia Borisova.[8]

Na idade de quatorze anos, Shanina, contra a vontade de seus pais, caminhou 200 quilômetros através da taiga para a estação ferroviária e viajou para Arcangel para estudar na faculdade lá.[nota 3][9] Shanina saiu de casa com pouco dinheiro e quase sem posses[11] - e antes de se mudar para o dormitório da faculdade, ela morava com seu irmão mais velho Fyodor.[11] Mais tarde, em seu diário de combate, Shanina se lembraria do estádio Dinamo de Arcangel e dos cinemas, Ars e Pobeda.[9] A amiga de Shanina, Anna Samsonova, lembrou que Roza às vezes voltava da estada com seus amigos no distrito de Ustyansky para o dormitório da faculdade entre 2hs e 3hs. Como as portas estavam trancadas naquele momento, os outros alunos amarraram vários lençóis para ajudar Roza a subir em seu quarto.[12] Em 1938, Shanina tornou-se membro do movimento jovem soviético Komsomol.[13]

Dois anos depois, os institutos de ensino médio soviéticos introduziram taxas de matrícula e o fundo de bolsas foi cortado.[14] Shanina recebeu pouco apoio financeiro de casa e em 11 de setembro de 1941, ela conseguiu um emprego no jardim de infância N.º 2 (recentemente conhecido como Beryozka) em Arcangel, com o qual ela recebeu um apartamento grátis.[14] Ela estudava à noite e trabalhava no jardim de infância durante o dia. As crianças gostavam de Shanina e seus pais a apreciavam.[11] Shanina se formou na faculdade no ano acadêmico de 1941-1942.[15]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Os dois irmãos mais velhos de Shanina se ofereceram para o serviço militar. Em dezembro de 1941, foi recebida uma notificação de óbito do seu irmão Mikhail, de 19 anos, que havia morrido durante o Cerco a Leninegrado. Em resposta, Shanina foi ao comissariado militar para pedir permissão para servir.[6] Mais dois irmãos de Shanina morreram na guerra.[14] Naquela época, a União Soviética havia começado a implantar atiradoras de elite porque elas tinham membros flexíveis e acreditava-se que eram pacientes, cuidadosas e astutas.[16] Em fevereiro de 1942, mulheres soviéticas entre as idades de 16 e 45 se tornaram elegíveis para o alistamento militar,[17] mas Shanina não foi convocada naquele mês, pois o comissariado militar local queria poupá-la do alistamento.[18] Ela primeiro aprendeu a atirar em um campo de tiro.[18] Em 22 de junho de 1943, enquanto ainda vivia no dormitório, Shanina foi aceita no programa Vsevobuch de treinamento militar universal. Após várias aplicações de Shanina, o comissariado militar finalmente permitiu que ela se matriculasse na Escola Central de Treinamento de Sniper Feminina,[9] onde ela conheceu Aleksandra "Sasha" Yekimova e Kaleriya "Kalya" Petrova, que se tornaram suas amigas mais próximas, com Shanina as chamando de " as três mendigas ".[9] Bastante afiada, Shanina pontuou muito em treinamento e se formou na academia com honras.[19] Ela foi convidada a ficar como instrutora lá, mas recusou devido a uma chamada do dever.[20] Em 1941-1945, um total de 2.484 atiradoras soviéticas foram destacadas para a guerra e sua contagem combinada de mortes é estimada em pelo menos 11.280.[21]

Após a importante vitória na Batalha de Stalingrado, os soviéticos montaram contra-ofensivas em todo o país e Shanina em 2 de abril de 1944 juntou-se à 184.ª Divisão de Fuzileiros, onde um pelotão de atiradores de elite separado foi formado. Shanina foi nomeada comandante desse pelotão.[14] Três dias depois, a sudeste de Vitebsk, Shanina matou seu primeiro soldado alemão. Nas próprias palavras de Shanina, registradas por um autor anônimo, suas pernas cederam após aquele primeiro encontro e ela deslizou para dentro da trincheira, dizendo: "Eu matei um homem".[22] Preocupadas, as outras mulheres correram dizendo: "Aquele foi um fascista que você destruiu!"[22] Sete meses depois, Shanina escreveu em seu diário que agora estava matando o inimigo a sangue frio e via o significado de sua vida em suas ações.[9] Ela escreveu que se tivesse que fazer tudo de novo, ela ainda se esforçaria para entrar na academia de atiradores e ir para a frente novamente.[23]

Por suas ações na batalha pela vila de Kozyi Gory (Oblast de Smolensk), Shanina foi premiada com sua primeira condecoração militar, a Ordem da Glória de 3.ª Classe, em 18 de abril de 1944. Ela se tornou a primeira mulher em serviço na 3ª Frente Bielorrussa a receber aquela condecoração.[24] De acordo com o relatório do Major Degtyarev (o comandante do 1138.º Regimento de Fuzileiros), entre 6 e 11 de abril Shanina matou 13 soldados inimigos enquanto era submetida a fogo de artilharia e metralhadora.[13] Em maio de 1944, sua contagem de franco-atiradores aumentou para 17 mortes confirmadas de inimigos,[9] e Shanina foi elogiada como uma guerreira precisa e corajosa.[14] No mesmo ano, em 9 de junho, o retrato de Shanina foi destaque na primeira página do jornal soviético Unichtozhim Vraga.[9]

Quando a Operação Bagration começou na região de Vitebsk em 22 de junho de 1944, foi decidido que as atiradoras seriam retiradas. Elas continuaram voluntariamente a apoiar o avanço da infantaria de qualquer maneira,[25] e apesar da política soviética de poupar atiradores, Shanina pediu para ser enviada para a linha de frente.[26] Embora seu pedido tenha sido recusado, ela foi mesmo assim. Shanina foi posteriormente sancionada por ir para a linha de frente sem permissão, mas não enfrentou uma corte marcial.[27] Ela queria ser incorporada a um batalhão ou a uma companhia de reconhecimento, recorrendo ao comandante do 5.º Exército, Nikolai Krylov. Shanina também escreveu duas vezes a Josef Stalin com o mesmo pedido.[28]

De 26 a 28 de junho de 1944, Shanina participou da eliminação das tropas alemãs cercadas perto de Vitebsk[29] durante a Ofensiva Vitebsk-Orsha. Enquanto o exército soviético avançava mais para o oeste, de 8 a 13 de julho do mesmo ano, Shanina e suas irmãs de armas participaram da batalha por Vilnius,[14] que estava sob ocupação alemã desde 24 de junho de 1941. Os alemães foram finalmente expulsos de Vilnius em 13 de julho de 1944. Durante as ofensivas de verão soviéticas daquele ano, Shanina conseguiu capturar três alemães.[9]

Durante um período, ela rastejou por uma trincheira de comunicações lamacenta todos os dias ao amanhecer para um fosso especialmente camuflado que dominava o território controlado pela Alemanha.[5] Ela escreveu: "o requisito incondicional - enganar o inimigo e matá-lo - tornou-se uma lei irrevogável da minha caça".[30] Shanina usou com sucesso táticas de contra-atirador em desfavor de um atirador alemão escondido em uma árvore, esperando até o anoitecer, quando o espaço entre os galhos da árvore seria iluminado por trás pela luz do sol e o ninho do atirador se tornasse visível.[31] Em uma ocasião, Shanina também fez uso de fogo seletivo de uma submetralhadora.[32]

Diário[editar | editar código-fonte]

Shanina gostava de escrever e costumava enviar cartas para sua aldeia natal e para seus amigos em Arcangel.[22] Ela começou a escrever um diário de combate. Embora os diários fossem estritamente proibidos nas forças armadas soviéticas,[33] havia algumas exceções furtivas, como The Front Diary de Izrael Kukuyev e The Chronicle of War of Muzagit Hayrutdinov.[34][35] Para preservar o segredo militar, Shanina chamou os mortos e feridos de "negros" e "vermelhos", respectivamente, em seu diário.[26] Shanina manteve o diário de 6 de outubro de 1944 a 24 de janeiro de 1945.[36]

Após a morte de Shanina, o diário, consistindo em três cadernos grossos, foi mantido pelo correspondente de guerra Pyotr Molchanov por vinte anos em Kiev.[37] Uma versão resumida foi publicada na revista Yunost em 1965, e o diário foi transferido para o Museu Regional do Oblast de Arcangel.[37] Várias cartas de Shanina e alguns dados de seu registro de atiradores também foram publicados.[38]

Prússia Oriental[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1944, o avanço das tropas soviéticas havia alcançado a fronteira soviética com a Prússia Oriental e em 31 de agosto daquele ano a contagem de batalha de Shanina atingiu 42 mortes.[9] No mês seguinte, o rio Šešupė foi cruzado. A 184ª Divisão de Rifles de Shanina se tornou a primeira unidade soviética a entrar na Prússia Oriental.[39] Naquela época, dois jornais canadenses, o Ottawa Citizen e o Leader-Post, relataram que, de acordo com um despacho oficial da frente do rio Šešupė, Shanina matou cinco alemães em um dia enquanto se agachava em um esconderijo de atirador.[5] Mais tarde, em setembro, sua contagem de franco-atiradores atingiu 46 mortes,[5][40] das quais 15 foram feitas em solo alemão e sete durante uma ofensiva.[41] Em 17 de setembro, Unichtozhim Vraga creditou a Shanina 51 visitas.[25] No terceiro trimestre de 1944, Shanina obteve uma licença curta e visitou Arcangel. Ela voltou à frente em 17 de outubro por um dia, e mais tarde recebeu um certificado de honra do Comitê Central de Komsomol.[9] Em 16 de setembro de 1944, Shanina foi premiada com sua segunda distinção militar, a Ordem da Glória de 2.ª Classe por intrepidez e bravura exibida em várias batalhas contra os alemães naquele ano.[29]

Em 26 de outubro de 1944, Shanina se tornou elegível para a 1ª Classe da Ordem da Glória por suas ações em uma batalha perto de Schlossberg (agora Dobrovolsk), mas finalmente recebeu a Medalha por Coragem[42] - ela foi uma das primeiras atiradoras a receber essa honraria.[26][43] Shanina recebeu a medalha em 27 de dezembro pela postura galante exibida durante uma contra-ofensiva alemã em 26 de outubro. Lá Shanina lutou junto com o capitão Igor Aseyev, um herói da União Soviética, e testemunhou sua morte em 26 de outubro.[44] Shanina, que servia como comandante assistente de pelotão, recebeu ordens de enviar as atiradoras para o combate.[42]

Em 12 de dezembro de 1944, um atirador inimigo atirou em Shanina no ombro direito. Ela escreveu em seu diário que não havia sentido dor, "o ombro estava apenas escaldado com algo quente".[9] Embora a lesão, que Shanina descreveu como "dois pequenos orifícios", parecesse pequena para ela, ela precisava de uma operação e ficou incapacitado por vários dias.[9] Ela relatou em seu diário que no dia anterior teve um sonho profético em que foi ferida exatamente no mesmo lugar.[9][39]

Em 8 de janeiro de 1945, Nicolai Krylov permitiu formalmente que Shanina participasse do combate na linha de frente, embora com grande relutância: anteriormente, Shanina teve essa permissão negada pelo comandante da 184.ª Divisão de Fuzileiros e pelo conselho militar do 5.º Exército também.[39] Cinco dias depois, os soviéticos lançaram a Ofensiva da Prússia Oriental, que gerou combates intensos na Prússia Oriental. Em 15 de janeiro, viajando com a logística da divisão, Shanina chegou à cidade prussiana oriental de Eydtkuhnen (agora Chernyshevskoye), onde usou camuflagem militar branca.[9] Vários dias depois, ela experimentou fogo amigo de um lançador de foguetes Katyusha e escreveu em seu diário: "Agora entendo por que os alemães têm tanto medo de Katyushas. Que incêndio!"[9] Na fronteira da Prússia Oriental, Shanina matou 26 soldados inimigos.[27] A última unidade em que ela serviu foi a 144.ª Divisão de Rifles. De acordo com o Livro da Memória online do Oblast de Arcangel, Shanina serviu no 205.º Batalhão de Fuzileiros Motorizados Especiais dessa divisão.[45] Shanina esperava ir para a universidade depois da guerra ou, se isso não fosse possível, criar órfãos.[9][39]

No decorrer de sua missão, Shanina foi mencionada em despachos várias vezes. Sua contagem final de atiradores atingiu cinquenta e nove mortes confirmadas[46] (cinquenta e quatro, de acordo com outras fontes[47][48]), incluindo doze mortes durante a Batalha de Vilnius,[49] com sessenta e dois inimigos nocauteados ação.[42] Internamente, suas conquistas foram reconhecidas principalmente pelo correspondente de guerra Ilya Ehrenburg[50] e no jornal Krasnaya Zvezda, que afirmou que Shanina era uma das melhores atiradoras de sua unidade e que mesmo soldados veteranos eram inferiores a ela em precisão de tiro.[51]

As façanhas de Shanina também foram relatadas na imprensa ocidental, particularmente em jornais canadenses, onde ela foi chamada de "o terror invisível da Prússia Oriental".[5][52] Ela não deu atenção especial ao renome conquistado e certa vez escreveu que fora superestimada. Em 16 de janeiro de 1945, Shanina escreveu em seu diário de combate: "O que eu realmente fiz? Não mais do que deveria como uma pessoa soviética, tendo se levantado para defender a pátria mãe".[14] Ela também escreveu: "A essência da minha felicidade é lutar pela felicidade dos outros. É estranho, por que será que na gramática a palavra "felicidade" só pode ser singular? Isso vai contra o seu significado, afinal ... Se for preciso morrer para a felicidade comum, então estou preparada para isso".[23]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

O correspondente de guerra Pyotr Molchanov, que frequentemente se encontrava com Shanina no front, a descreveu como uma pessoa de vontade incomum com uma natureza genuína e brilhante.[22] Shanina se descreveu como "conversadora ilimitada e imprudente" durante seus anos de faculdade.[12] Ela tipificou sua própria personagem como a do poeta, pintor e escritor romântico Mikhail Lermontov, decidindo, como ele, agir como bem entendesse.[9] Shanina vestia-se com recato e gostava de jogar vôlei.[53] De acordo com a irmã de armas de Shanina, Lidiya Vdovina, Roza costumava cantar sua canção de guerra favorita "Oy tumany moi, rastumany" ("O My Mists") sempre que limpava sua arma.[22]

Shanina tinha um caráter direto[54] e valorizava a coragem e a ausência de egoísmo nas pessoas.[9] Certa vez, ela contou uma história quando "cerca de meia centena de fascistas frenéticos com gritos selvagens" atacaram uma trincheira que acomodava doze atiradoras, incluindo Shanina: "Algumas caíram de nossas balas certeiras, outras acabamos com nossas baionetas, granadas, pás e alguns nós fizemos prisioneiros, tendo os braços contidos".[22]

A vida pessoal de Shanina foi prejudicada pela guerra. Em 10 de outubro de 1944, ela escreveu em seu diário: "Não posso aceitar que Misha Panarin não viva mais. Que cara legal! [Ele] foi morto ... Ele me amava, eu sei, e também Eu ... Meu coração está pesado, tenho vinte anos, mas não tenho amigo íntimo [homem] ".[9] Em novembro de 1944, Shanina escreveu que "está açoitando em sua cabeça que ama" um homem chamado Nikolai, embora ele "não brilhe na criação e educação".[9] Na mesma entrada, ela escreveu que não pensava em casamento porque "não é a hora agora".[9] Posteriormente, ela escreveu que "acabou" com Nikolai e "escreveu-lhe uma nota no sentido de 'mas sou dada a um e não amarei outro'".[9] Em última análise, em seu último registro de diário, cheio de tons sombrios, Shanina escreveu que "não pode encontrar consolo" agora e "não tem utilidade para ninguém".[55]

Morte[editar | editar código-fonte]

Por causa da Ofensiva da Prússia Oriental, os alemães tentaram fortalecer as localidades que controlavam contra todas as probabilidades. Em uma entrada de diário datada de 16 de janeiro de 1945, Shanina escreveu que, apesar de seu desejo de estar em um lugar mais seguro, alguma força desconhecida a estava atraindo para a linha de frente.[56] Na mesma entrada, ela escreveu que não tinha medo e que até concordou em ir "para um combate corpo a corpo". No dia seguinte, Shanina escreveu em uma carta que ela poderia estar à beira de ser morta porque seu batalhão havia perdido 72 de 78 pessoas.[14] Seu último registro de diário relata que o fogo alemão havia se tornado tão intenso que as tropas soviéticas, incluindo ela, se abrigaram dentro de canhões autopropulsados.[9]

Em 27 de janeiro, Shanina foi gravemente ferida e, mais tarde, encontrada por dois soldados estripada, com o peito aberto por um fragmento de bala. Apesar das tentativas de salvá-la, Shanina morreu no dia seguinte perto da propriedade Richau (mais tarde um assentamento soviético de Telmanovka), 3 quilômetros a noroeste da aldeia prussiana oriental de Ilmsdorf. A enfermeira Yekaterina Radkina se lembrou de Shanina dizendo que ela se arrependia de ter feito tão pouco.[57]

No dia da morte de Shanina, os soviéticos haviam conquistado várias das principais localidades da Prússia Oriental, incluindo Tilsit, Insterburg e Pillau, e se aproximado de Königsberg. Relembrando o momento em que a mãe de Shanina recebeu a notificação da morte de sua filha, seu irmão Marat escreveu: "Eu me lembrava claramente dos olhos da mãe. Eles não estavam mais marejados. ... 'Isso é tudo' — ela repetiu".[58] Shanina foi enterrada sob uma grande pereira na margem do rio Alle - agora chamada de Lava[14] — e mais tarde foi reenterrada no assentamento de Wehlau.[59]

Homenagens póstumas[editar | editar código-fonte]

Em 1964-1965, um interesse renovado por Shanina surgiu na imprensa soviética, principalmente devido à publicação de seu diário. O jornal Severny Komsomolets pediu aos contemporâneos de Shanina que escrevessem o que sabiam sobre ela.[22] As ruas de Arcangel, Shangaly e Stroyevskoye foram nomeadas em sua homenagem, e a vila de Yedma tem um museu dedicado a Shanina. A escola local onde ela estudou em 1931–35 tem uma placa comemorativa.[60] Em Arcangel, competições regulares de tiro foram organizadas entre membros da organização esportiva paramilitar DOSAAF para o Prêmio Roza Shanina,[27] enquanto Novodvinsk organizou um campeonato aberto de tiro em sua memória.[61] A vila de Malinovka no distrito de Ustyansky começou a realizar corridas anuais de esqui cross-country para o Prêmio Roza Shanina.[62]

Em 1985, o Conselho de Veteranos da Academia Russa de Atiradoras Centrais Femininas solicitou, sem sucesso, ao Soviete Supremo da União Soviética que concedesse postumamente a 1.ª Classe da Ordem da Glória a Shanina[63] (o que a tornaria uma Cavaleira Plena dessa ordem) . No mesmo ano, o autor russo Nikolai Zhuravlyov publicou o livro Posle boya vernulas (Retornado após a batalha). O título refere-se às palavras de Shanina, "Voltarei após a batalha", que ela pronunciou após receber uma nota do comandante de seu batalhão pedindo-lhe que voltasse para a retaguarda imediatamente.[27] Versos foram compostos sobre Shanina, como os do escritor Nikolai Nabitovich.[64] Uma pequena estela memorial dedicada a Shanina (parte de um monumento de três peças) foi erguida no assentamento Bogdanovsky, distrito de Ustyansky.[65]

Em 2000, o nome de Shanina apareceu na pedra do memorial de guerra da Universidade Tecnológica do Estado da Sibéria, embora não haja evidências de que ela teve qualquer afiliação com ele durante sua vida. O autor russo Viktor Logvinov escreveu de forma polêmica na década de 1970 que Shanina havia estudado no Instituto Florestal da Sibéria e que era filha de um "velho comunista de Krasnoyarsk".[66] A afirmação foi continuada por publicações de Krasnoyarsk em anos posteriores, particularmente em 2005.[67] Em 2013, uma parede de memória, com retratos de graffiti de seis homenageados da guerra russos, incluindo Roza Shanina, foi inaugurada em Arcangel.[68]

Notas

  1. Nas listas de recomendação, o patronímico de Shanina é Georgiyevna, enquanto em sua certidão de nascimento e em várias outras fontes o patronímico vai como Yegorovna. O nome russo Yegor é uma forma de Georgiy.[1]
  2. No túmulo de Shanina, seu dia de morte é indicado como 27 de janeiro.[2] Este artigo usa a data fornecida na notificação de morte de Shanina e outras fontes.
  3. A jornada foi posteriormente atestada pelo professor da escola de Shanina, Alexander Makaryin.[10]

Referências

  1. «Georgiy». Behind the Name. Consultado em 10 de dezembro de 2011 
  2. Роза Шанина: героизм и красота (em russo). Roshero.ru. Consultado em 31 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2015 
  3. Farey, Pat; Mark Spicer (2009). Sniping: An Illustrated History. [S.l.]: MBI Publishing Company. p. 129. ISBN 0760337179 
  4. «Женщины-снайперы Великой Отечественной» [Women snipers of the Great Patriotic War] (em russo). State History. 29 de abril de 2010. Consultado em 27 de dezembro de 2010 
  5. a b c d e «Red Army Girl Unseen Terror of East Prussia». Ottawa Citizen. 20 de setembro de 1944. Consultado em 27 de dezembro de 2010 
  6. a b c Алёшина & Попышева 2010, p. 14.
  7. Зара Хушт. Что в имени тебе моем? [What is in my name for you?]. Краснодарские известия (em russo). Consultado em 3 de março de 2012 
  8. a b Poroshina 1995, p. 52.
  9. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x Снайпер Роза Шанина [Sniper Roza Shanina] (em russo). Armoury Online. Consultado em 27 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 27 de maio de 2016 
  10. Mamonov & Poroshina 2011, p. 6.
  11. a b c Неизвестное письмо [The Unknown Letter] (PDF). Известия русского Севера (em russo). Setembro de 2010. Consultado em 21 de janeiro de 2012 
  12. a b Память Победы: она была подругой легендарного снайпера Розы Шаниной [The Memory of Victory: She was a Friend of Legendary Sniper Roza Shanina]. Pravda (em russo). 11 de maio de 2005. Consultado em 1 de novembro de 2011 
  13. a b Наградной лист [Commendation list (of Roza Shanina on her 3rd class Order of Glory)] (em russo). Podvignaroda.ru. 17 de abril de 1944. Consultado em 10 de dezembro de 2011 
  14. a b c d e f g h i Ovsyankin, Yevgeny. «Снайпер Роза Шанина [Sniper Roza Shanina]» (em russo). Arkhangelsk: Arkhangelsk Pedagogical College. Consultado em 21 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 15 de abril de 2012 
  15. Ovsyankin, Yevgeny. «В годы Великой Отечественной ...» [In the years of the Great Patriotic War ...] (em russo). Arkhangelsk Pedagogical College. Consultado em 30 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 22 de julho de 2012 
  16. Pegler 2006, pp. 175–176.
  17. History of World War II. [S.l.]: Marshall Cavendish. 2004. p. 587. ISBN 978-0-7614-7482-1 
  18. a b Mamonov & Poroshina 2011, p. 15.
  19. Алёшина & Попышева 2010, p. 15.
  20. Mamonov & Poroshina 2011, p. 16.
  21. Ruchko, Aleksandr. Неженское дело? [A Non-Woman Business?] (em russo). Gun Magazine. Consultado em 19 de maio de 2013 
  22. a b c d e f g Melnitskaya, Lidiya (9 de fevereiro de 2006). «Навеки – двадцатилетняя» [Forever Twenty Aged]. Pravda Severa (em russo). Consultado em 27 de dezembro de 2010 
  23. a b Головин, Владимир (2010). «Вместо легких лодочек – кирзачи солдатские..» [Kirza Boots Instead of Court Shoes]. Урал (em russo). Consultado em 31 de dezembro de 2010 
  24. Krylov, N.I.; Alekseev N.I.; Dragan I.G. (1970). Навстречу победе (em russo). [S.l.]: Nauka. p. 191 
  25. a b М. Молчанов (1985). «Девушки – снайперы 5-й армии» [Female Snipers of the 5th Army (from the compilation Born by War)] (em russo). Молодая гвардия. Consultado em 21 de janeiro de 2011 
  26. a b c Пётр Молчанов (1976). Жажда боя [Thirst for battle]. Снайперы (compilation) (em russo). Moscow: OAO "Molodaya gvardiya". Consultado em 21 de outubro de 2008 
  27. a b c d «Russian Snipers of 1941–1945 years; После боя вернусь ... [Returned after battle ...] (excerpts from books by Медведева, В. Е. and Журавлёва, Н. А.)» (em russo). DOSAAF publishing house. Consultado em 27 de dezembro de 2010 
  28. Mamonov & Poroshina 2011, p. 45.
  29. a b Наградной лист [Commendation list [of Roza Shanina on her 2nd class Order of Glory]] (em russo). Podvignaroda.ru. 16 de setembro de 1944. Consultado em 10 de dezembro de 2011 
  30. Mamonov & Poroshina 2011, p. 23.
  31. Mamonov & Poroshina 2011, p. 24.
  32. Алёшина & Попышева 2010, p. 16.
  33. Ortenberg, David. Сорок третий [The Forty Third] (em russo). Militera. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  34. Фронтовой дневник Кукуева И. Е [The Front Diary of I. E. Kukuyev]. Strana Kaliningrad (em russo). Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  35. Lebedev, Pyotr. В бою до последнего вздоха [In Battle Till the Last Breath]. Республика Татарстан (em russo). Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  36. Mamonov & Poroshina 2011, p. 14.
  37. a b Mamonov & Poroshina 2011, p. 4.
  38. Mamonov & Poroshina 2011, p. 20.
  39. a b c d Jones, Michael (2011). Total War: From Stalingrad to Berlin. [S.l.]: Hachette UK. ISBN 1-84854-246-1 
  40. «Russ Girl Terror of East Prussia». U.S. News. Setembro de 1944. Consultado em 31 de dezembro de 2010 
  41. «Репортаж "Забытый герой – Роза Шанина"» ["The Forgotten Hero – Roza Shanina" report (03:08 time mark)] (em russo). Pomorfilm.ru. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  42. a b c Mamonov & Poroshina 2011, p. 13.
  43. Награды девушкам-снайперам [Awards for sniper girls] (PDF). Krasnaya Zvezda (em russo). 17 de janeiro de 1945. p. 3. Consultado em 10 de dezembro de 2011 
  44. Mamonov & Poroshina 2011, pp. 34–35.
  45. «Результаты поиска по сводной базе – все поля» [Database search results] (em russo). Interregional Informational and Search Center. Consultado em 30 de dezembro de 2010 
  46. Шанина Роза Георгиевна [Shanina Roza Georgiyevna] (em russo). Podvignaroda.ru. Consultado em 11 de janeiro de 2014 
  47. Brayley, Martin; Ramiro Bujeiro (2001). World War II Allied Women's Services. [S.l.]: Osprey Publishing. p. 37. ISBN 978-1-84176-053-7 
  48. Pegler 2006, p. 160.
  49. Yevgeny Ovsyankin (2010). Когда Родина в опасности [When the Motherland is in danger] (em russo). Nord.pomorsu.ru. Consultado em 25 de março de 2013. Arquivado do original em 17 de abril de 2013 
  50. Д.Д. Панков. Центральная женская школа снайперской подготовки в Подольске [Central Female Sniper Academy in Podolsk] (em russo). Podolsk.org. Consultado em 19 de janeiro de 2011 
  51. «Sniper Roza Shanina». Krasnaya Zvezda (em russo). 22 de setembro de 1944. p. 2 
  52. «Woman sniper's total now 46». Leader-Post. 25 de setembro de 1944. Consultado em 27 de dezembro de 2010 
  53. Poloskova, A. (1995). Воспоминания о семье Шаниных. Устьян. район. краевед. музей. Этот день мы приближали как могли...: устьяки на фронте и в тылу (em russo): 57 
  54. Kozlova, A. (1995). Никогда не забудем. Устьян. район. краевед. музей. Этот день мы приближали как могли...: устьяки на фронте и в тылу (em russo): 56 
  55. Mamonov & Poroshina 2011, p. 58.
  56. Mamonov & Poroshina 2011, p. 55.
  57. Mamonov & Poroshina 2011, p. 59.
  58. Poroshina 1995, p. 54.
  59. Информация из списков захоронения [Information from the lists of burials] (em russo). Obd-memorial. Consultado em 10 de dezembro de 2011 
  60. «Вместо учебников – винтовка. Вместо учителей – война» [Rifle instead of textbooks, war instead of teachers] (em russo). Pomorie.ru. Consultado em 30 de janeiro de 2012 
  61. В Новодвинске состоится открытое первенство города по пулевой стрельбе [Novodvinsk will host the city's open shooting sports championship] (em russo). Arnews. 16 de janeiro de 2004. Consultado em 13 de janeiro de 2011 
  62. Соревнования по лыжным гонкам на призы Розы Шаниной [Ski race competitions for the Roza Shanina Prize] (em russo). Belomorsport.ru. 26 de fevereiro de 2013. Consultado em 23 de março de 2011 
  63. Mamonov & Poroshina 2011, p. 67.
  64. Из поколения победителей [From the generation of victors] (em russo). Ustyany.net. Consultado em 10 de dezembro de 2011 
  65. Новый памятник 3 кавалерам ордена "Славы" [A new monument to the three recipients of the Order of Glory] (em russo). Pomorie.ru. 2 de setembro de 2010. Consultado em 25 de março de 2013 
  66. Logvinov, Viktor (1977). В бой идут сибиряки: красноярцы на фронтах и в тылу Великой Отечественной войны. [S.l.]: Красноярск : Кн. изд-во. p. 25 
  67. Красноярцы в Великой Отечественной войне: материалы региональной межвузовской научной конференции, посвященной 60-летию победы СССР в Великой Отечественной войне, 20 апреля 2005 года (em russo). [S.l.]: Краснояр. гос. ун-т, Гос. унив. науч. б-ка Краснояр. края. 2005. p. 65 
  68. "Стена памяти" украшает Чумбаровку. Pravda Severa (em russo). 16 de setembro de 2013. Consultado em 31 de dezembro de 2013 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Mogan, A. G. (2020). Stalin's Sniper: The War Diary of Roza Shanina, The Question Mark Publishing, ISBN 979-8611869130
  • Pegler, Martin (2006). Out of Nowhere: A History of the Military Sniper. [S.l.]: Osprey Publishing. ISBN 978-1-84603-140-3 
  • Алёшина, А.; Попышева, К. (2010). «Снайпер Роза» [Sniper Roza]. Устьян. район. краевед. музей. Краеведческий альманах "Отечество" (em russo) 
  • Mamonov, Vladimir; Poroshina, Natalya (2011). Она завещала нам песни и росы [She bequeathed us songs and dews] (em russo). [S.l.]: Устьянский районный краеведческий музей 
  • Poroshina, Natalya (1995). Ее юность рвалась снарядами [Her youth was torn shells]. Устьянский районный краеведческий музей. Этот день мы приближали как могли...: устьяки на фронте и в тылу (em russo) 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Roza Shanina