Ruth First

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ruth First (Johannesburgo, 4 de maio de 1925Maputo, 17 de agosto de 1982) foi uma jornalista, professora universitária e ativista branca sul-africana, morta na luta contra o Apartheid.

Biografia[editar | editar código-fonte]

"…ela estava entre as estrelas mais brilhantes deste país, no sentido próprio da palavra."

Nelson Mandela[1]

Seus pais, Matilda e Julius First, eram membros do Partido Comunista da África do Sul.[2]

Casou-se com Joe Slovo, em 1949, e conheceu Nelson Mandela quando ainda estudante na Universidade de Witwatersrand.[1]

No Julgamento por Traição foi presa e absolvida. Em 1960, com o estado de emergência no país, fugiu com os filhos para a Suíça. Foi novamente presa em 1963, ficando confinada numa solitária; após a sua libertação fugiu para o Reino Unido, iniciando o exílio.[1]

First foi uma das implicadas no Julgamento de Rivonia, embora estivesse no exílio.[3]

Em 1977 instalou-se em Moçambique, onde finalmente foi morta num atentado com carta-bomba,[1] enquanto estava no seu escritório junto ao professor Aquino de Bragança, Pallo Jordon e outros amigos.[2]

First fora a Maputo para lecionar na Universidade Eduardo Mondlane a convite de Aquino, que voltara a Moçambique quando da libertação do país e, a pedido da Frelimo, recriara o Centro de Estudos Africanos.[4]

Referências

  1. a b c d Nelson Mandela (2010). Conversas que tive comigo primeira ed. (Rio de Janeiro: Rocco). p. 70-72 398. ISBN 9788532526076. 
  2. a b University of the Western Cape (2009). «About Ruth First» (em inglês). University of the Western Cape. Consultado em janeiro de 2012. 
  3. Kenneth S. Broun (2012). Saving Nelson Mandela: The Rivonia Trial and the Fate of South Africa Oxford University Press [S.l.] p. 232. ISBN 0199740224. Consultado em fevereiro de 2012. 
  4. Aquino de Bragança e Bridget O'Laughlin (Março de 1996). «O Trabalho de Ruth First no Centro de Estudos Africanos» (PDF). Estudos Moçambicanos (Maputo), nº 14. p. 113-126. Consultado em Janeiro de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]