SHA-2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
SHA-2
Geral
Projetistas Agência de Segurança Nacional
Primeira publicação 2001
Séries (SHA-0), SHA-1, SHA-2, SHA-3
Certificação FIPS PUB 180-4, CRYPTREC, NESSIE
Detalhes
Tamanho do resumo 224, 256, 384 ou 512 bits
Estrutura Construção Merkle–Damgård
Rodadas 64 ou 80
Melhor criptanálise pública
Um ataque de 2011 quebra a resistência de preimagem para 57 das 80 rodadas de SHA-512, e 52 de 64 rodadas para SHA-256.
Ataques de pseudo-colisão contra até 46 rodadas de SHA-256.

SHA-2 é um conjunto de funções hash criptográficas projetadas pela NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA).[1] SHA significa secure hash algorithm (algoritmo de hash seguro). Funções hash criptográficas são operações matemáticas executadas em dados digitais; comparando o hash computado (a saída de execução do algoritmo) a um valor de hash conhecido e esperado, uma pessoa pode determinar a integridade dos dados. Por exemplo, calcular o hash de um arquivo baixado e comparar o resultado com um resultado hash publicado anteriormente pode mostrar se o download foi modificado ou adulterado.[2] Um aspecto importante das funções hash criptográficas é a sua resistência à colisão: ninguém deve ser capaz de encontrar dois valores de entrada diferentes que resultam na mesma saída de hash.

SHA-2 inclui mudanças significativas de seu antecessor, SHA-1. A família SHA-2 é composta por seis funções hash com resumos (valores de hash) que são de 224, 256, 384 ou 512 bits: SHA-224, SHA-256, SHA-384, SHA-512, SHA-512/224, SHA-512/256.

SHA-256 e SHA-512 são funções hash inovadoras computadas com palavras de 32 bits e 64 bits, respectivamente. Eles usam quantidades de deslocamento e constantes aditivas diferentes, mas as suas estruturas são praticamente idênticas, diferindo apenas no número de rodadas. SHA-224 e SHA-384 são simplesmente versões truncadas das duas primeiras, calculadas com valores iniciais diferentes. SHA-512/224 e SHA-512/256 também são versões truncadas de SHA-512, mas os valores iniciais são gerados usando o método descrito no FIPS PUB 180-4. SHA-2 foi publicada em 2001 pelo NIST como um padrão federal dos Estados Unidos (FIPS). A família SHA-2 de algoritmos está patenteada em US 6829355. Os Estados Unidos lançou a patente sob uma licença livre de royalties.

Em 2005, surgiu um algoritmo para encontrar colisões SHA-1 em cerca de 2000 vezes menos etapas do que se pensava possível. Embora (a partir de 2015) nenhum exemplo de colisão SHA-1 tenha sido publicado ainda, a margem de segurança deixada por SHA-1 é mais fraca do que a pretendida, e seu uso é, portanto, não recomendado para aplicações que dependem de resistência à colisão, tais como assinaturas digitais. Embora SHA-2 tenha algumas semelhanças com o algoritmo SHA-1, esses ataques não foram estendidos com sucesso para SHA-2. 

Atualmente, os melhores ataques públicos quebram a resistência à preimagem em 52 rodadas de SHA-256 ou 57 rodadas de SHA-512, e resistência de colisão para 46 rodadas de SHA-256, como mostrado na seção Criptoanálise e validação abaixo.

Padrão Hash[editar | editar código-fonte]

Uma iteração em uma função de compressão da familia SHA-2. Os componentes azuis fazem as seguintes operações:
    
    
    
    
A rotação bit a bit usa constantes diferentes para a SHA-512. Os números a seguir são para SHA-256. O vermelho é adição módulo 232.

Com a publicação do FIPS PUB 180-2, NIST acrescentou três funções hash adicionais na família SHA. Os algoritmos são conhecidos coletivamente como SHA-2, em homenagem a seus comprimentos de resumo (em bits): SHA-256, SHA-384 e SHA-512.

Os algoritmos foram publicadas pela primeira vez em 2001 no projeto da FIPS PUB 180-2, no tempo em que opinião e observações públicas eram aceitas. Em agosto de 2002, FIPS PUB 180-2 se tornou o novo Padrão de Hash Seguro, substituindo FIPS PUB 180-1, que foi lançado em abril de 1995. A norma atualizada incluía o algoritmo SHA-1 original, com a notação técnica atualizada consistente com a descrição do funcionamento interno da família SHA-2.

Em fevereiro de 2004, uma notificação de mudança foi publicada por FIPS PUB 180-2, especificando uma variante adicional, SHA-224, definida para coincidir com o comprimento da chave da Triple DES de chave dupla. Em outubro de 2008, o padrão foi atualizado no FIPS PUB 180-3, incluindo SHA-224 a partir da notificação de mudança, mas sem fazer mudanças fundamentais no padrão. A principal motivação para a atualização do padrão foi a transferência de informações de segurança sobre os algoritmos de hash e recomendações para a sua utilização para Publicações Especiais 800-107 e 800-57. Os dados de testes detalhados e exemplos de resumos de mensagem também foram removidos do padrão, e fornecidos como documentos separados.

Em janeiro de 2011, NIST publicou SP800-131A, que especificou um movimento a partir do mínimo de segurança atual de 80-bits (fornecido pelo SHA-1) permitido para uso do governo federal até o final de 2013, com a segurança de 112 bits (fornecido pelo SHA-2), sendo requisito mínimo de fato a partir daí, e o nível de segurança recomendado a partir da data de publicação.

Em março de 2012, o padrão foi atualizado no FIPS PUB 180-4, incluindo as funções de hash SHA-512/224 e SHA-512/256, e descrevendo um método para gerar valores iniciais para as versões truncadas de SHA-512. Além disso, uma restrição ao preenchimento dos dados de entrada antes do cálculo do hash foi removida, permitindo aos dados de hash a serem calculados simultaneamente com a geração de conteúdo, como um vídeo ou áudio em tempo real. Preencher o bloco de dados final ainda deverá ocorrer antes da saída do hash.

Em julho de 2012, NIST revisou o SP800-57, que fornece orientações para a gestão de chaves criptográficas. A publicação não permite criação de assinaturas digitais com um hash de segurança inferior a 112 bits a partir de 2013. A revisão anterior de 2007 especificava o ponto de corte para ser o final de 2010. Em agosto de 2012, NIST revisou SP800-107 da mesma maneira.

competição de funções hash do NIST selecionou uma nova função hash, SHA-3, em 2012. O algoritmo SHA-3 não é derivado de SHA-2.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

A função hash SHA-2 é implementada em algumas aplicações de segurança e protocolos amplamente usados, incluindo TLS e SSLPGPSSHS/MIME, e IPsec.

SHA-256 é usado como parte do processo de autenticação de pacotes de software Debian GNU/Linux e no padrão DKIM de assinatura de mensagens; SHA-512 é parte de um sistema para autenticar vídeos de arquivos do Tribunal Penal Internacional para o genocídio de Ruanda. SHA-256 e SHA-512 foram propostos para utilização no DNSSEC. Fornecedores de Unix e Linux estão se movimentando para usar 256 e 512-bit SHA-2 para o cálculo de dispersão seguro de senhas.

Várias criptomoedas como Bitcoin usam SHA-256 para verificar transações e calculam a prova-de-trabalho ou prova-de-participação (do inglês, proof of stake). A ascensão de chips aceleradores ASIC SHA-2 tem levado ao uso de esquemas de prova-de-trabalho baseados em scrypt.

SHA-1 e SHA-2 são os algoritmos de hash seguros exigidos por lei para o uso em certas aplicações do Governo dos EUA, incluindo o uso dentro de outros algoritmos e protocolos criptográficos, para a proteção da informação não-confidencial sensível. FIPS PUB 180-1 também incentivou adoção e utilização de SHA-1 por organizações privadas e comerciais. SHA-1 está sendo reformada para a maioria dos usos do governo; o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia diz: "As agências federais devem parar de usar SHA-1 para ... aplicações que exigem resistência à colisão, logo que possível, e devem usar a família SHA-2 de funções hash para estas aplicações depois de 2010" (ênfase original). A diretiva do NIST de que as agências do governo dos EUA devem parar com os usos de SHA-1 depois de 2010 e a conclusão do SHA-3 podem acelerar o fim do uso de SHA-1.

As funções SHA-2 não são tão amplamente utilizadas como SHA-1, apesar de sua maior segurança. Razões podem incluir falta de suporte para SHA-2 em sistemas que rodam o Windows XP SP2 ou versões posteriores, ou a falta de urgência percebida desde que colisões em SHA-1 ainda não foram encontradas.

Criptoanálise e validação[editar | editar código-fonte]

Para uma função hash em que L é o número de bits no resumo de mensagem, encontrar uma mensagem que corresponde a um dado resumo de mensagem sempre pode ser feito usando uma busca de força bruta em 2L avaliações. Isto é chamado um ataque de preimagem e pode ou não ser prático, dependendo de L e do ambiente de computação em particular. O segundo critério, encontrar duas mensagens diferentes que produzem o mesmo resumo de mensagem, conhecido como uma colisão, requer, em média, apenas 2L/2 avaliações usando um ataque do aniversário.

Algumas das aplicações que usam hashes criptográficos, como o armazenamento de senha, só são minimamente afetados por um ataque de colisão. Construindo uma senha que trabalha para uma determinada conta requer um ataque de preimagem, bem como o acesso ao hash da senha original (normalmente num arquivo obscuro), o que pode ou não ser trivial. Inverter a encriptação da senha (por exemplo, para obter uma senha para tentar usá-la contra a conta de um usuário em outro lugar) não é possível com esses ataques (no entanto, mesmo um hash de senha seguro não pode impedir ataques de força bruta em senhas fracas).

No caso de assinatura de documentos, um invasor não pode simplesmente falsificar uma assinatura de um documento - o atacante existente teria que produzir um par de documentos, um inócuo e um prejudicial, e obter o detentor da chave privada para assinar o documento inócuo. Há circunstâncias concretas em que isso é possível; até o final de 2008, foi possível criar certificados SSL falsificados usando uma colisão em MD5.

O aumento do interesse na análise hash criptográfico durante a competição SHA-3 produziu vários novos ataques contra a família SHA-2, os melhores são dados na tabela abaixo. Apenas os ataques de colisão são de complexidade prática; nenhum dos ataques se estendem para a função hash com rodada completa.

No FSE 2012, pesquisadores da Sony fizeram uma apresentação sugerindo que ataques de pseudo-colisão poderiam ser estendidos para 52 rodadas no SHA-256 e 57 rodadas no SHA-512 através da construção sobre o ataque de pseudo-preimagem biclique.

Publicado em Ano Método de ataque Ataque Variante Rodadas Complexidade
New Collision Attacks Against
Up To 24-step SHA-2
[3]
2008 Deterministico Colisão SHA-256 24/64 228.5
SHA-512 24/80 232.5
Preimages for step-reduced SHA-2[4] 2009 Encontro-no-meio Preimagem SHA-256 42/64 2251.7
43/64 2254.9
SHA-512 42/80 2502.3
46/80 2511.5
Advanced meet-in-the-middle
preimage attacks
[5]
2010 Encontro-no-meio Preimagem SHA-256 42/64 2248.4
SHA-512 42/80 2494.6
Higher-Order Differential Attack
on Reduced SHA-256
[6]
2011 Diferencial Pseudo-colisão SHA-256 46/64 2178
46/64 246
Bicliques for Preimages: Attacks on
Skein-512 and the SHA-2 family
[7]
2011 Biclique Preimagem SHA-256 45/64 2255.5
SHA-512 50/80 2511.5
Pseudo-preimagem SHA-256 52/64 2255
SHA-512 57/80 2511
Improving Local Collisions: New
Attacks on Reduced SHA-256
[8]
2013 Diferencial Colisão SHA-256 31/64 265.5
Pseudo-colisão SHA-256 38/64 237
Branching Heuristics in Differential Collision
Search with Applications to SHA-512
[9]
2014 Diferencial heurístico Pseudo-colisão SHA-512 38/80 240.5

Validação oficial[editar | editar código-fonte]

Implementações de todas as funções de segurança aprovadas pelo FIPS podem ser oficialmente validadas através do programa de CMVP, executado conjuntamente pelo Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST) e o Communications Security Establishment (CSE). Para verificação informal, um pacote para gerar um elevado número de vetores de teste é disponibilizado para download no site do NIST; a verificação resultante no entanto não substitui a validação formal CMVP, o que é exigido por lei para determinadas aplicações.

Em dezembro de 2013, já existiam mais de 1300 implementações validadas da SHA-256 e mais de 900 da SHA-512, com apenas 5 delas sendo capazes de lidar com as mensagens com um comprimento em bits não-múltiplo de oito, suportando ambas as variantes (ver Lista de validação SHS).

Exemplos de variantes SHA-2[editar | editar código-fonte]

Valores hash para palavra vazia:

SHA224("")
0x d14a028c2a3a2bc9476102bb288234c415a2b01f828ea62ac5b3e42f
SHA256("")
0x e3b0c44298fc1c149afbf4c8996fb92427ae41e4649b934ca495991b7852b855
SHA384("")
0x 38b060a751ac96384cd9327eb1b1e36a21fdb71114be07434c0cc7bf63f6e1da274edebfe76f65fbd51ad2f14898b95b
SHA512("")
0x cf83e1357eefb8bdf1542850d66d8007d620e4050b5715dc83f4a921d36ce9ce47d0d13c5d85f2b0ff8318d2877eec2f63b931bd47417a81a538327af927da3e
SHA512/224("")
0x 6ed0dd02806fa89e25de060c19d3ac86cabb87d6a0ddd05c333b84f4
SHA512/256("")
0x c672b8d1ef56ed28ab87c3622c5114069bdd3ad7b8f9737498d0c01ecef0967a

Até mesmo uma pequena mudança na mensagem irá (com probabilidade massiva) resultar em um hash bastante diferente, devido ao efeito avalanche. Por exemplo, adicionando um ponto final ao final da frase:

SHA224("The quick brown fox jumps over the lazy dog")
0x 730e109bd7a8a32b1cb9d9a09aa2325d2430587ddbc0c38bad911525
SHA224("The quick brown fox jumps over the lazy dog.")
0x 619cba8e8e05826e9b8c519c0a5c68f4fb653e8a3d8aa04bb2c8cd4c

Pseudocódigo[editar | editar código-fonte]

Segue o pseudocódigo para o algoritmo SHA-256. Note o grande acréscimo na mistura entre bits das w[16..63] palavras em comparação com SHA-1.

Nota 1: Todas as variáveis são inteiros de 32 bits sem sinais e a adição é calculada módulo 232
Nota 2: Para cada rodada, há uma constante da rodada k[i] e uma entrada no array de agendamento da mensagem w[i], 0 ≤ i ≤ 63
Nota 3: A compressão utiliza 8 variáveis funcionais, de a até h
Nota 4: A convenção Big-endian é utilizada quando se está expressando constantes neste pseudocódigo,
    e quando se analisar e transformar os dados de um bloco da mensagem em palavras, por exemplo,
    a primeira palavra da mensagem de entrada "abc" após o preenchimento é 0x61626380
Inicializar os valores hash:
(primeiros 32 bits das partes fracionárias das raízes quadradas dos primeiros 8 primos 2..19):
h0 := 0x6a09e667
h1 := 0xbb67ae85
h2 := 0x3c6ef372
h3 := 0xa54ff53a
h4 := 0x510e527f
h5 := 0x9b05688c
h6 := 0x1f83d9ab
h7 := 0x5be0cd19
Inicializar o array das constantes da rodada:
(primeiros 32 bits das partes fracionárias das raízes cúbicas dos primeiros 64 primos 2..311):
k[0..63] :=
   0x428a2f98, 0x71374491, 0xb5c0fbcf, 0xe9b5dba5, 0x3956c25b, 0x59f111f1, 0x923f82a4, 0xab1c5ed5,
   0xd807aa98, 0x12835b01, 0x243185be, 0x550c7dc3, 0x72be5d74, 0x80deb1fe, 0x9bdc06a7, 0xc19bf174,
   0xe49b69c1, 0xefbe4786, 0x0fc19dc6, 0x240ca1cc, 0x2de92c6f, 0x4a7484aa, 0x5cb0a9dc, 0x76f988da,
   0x983e5152, 0xa831c66d, 0xb00327c8, 0xbf597fc7, 0xc6e00bf3, 0xd5a79147, 0x06ca6351, 0x14292967,
   0x27b70a85, 0x2e1b2138, 0x4d2c6dfc, 0x53380d13, 0x650a7354, 0x766a0abb, 0x81c2c92e, 0x92722c85,
   0xa2bfe8a1, 0xa81a664b, 0xc24b8b70, 0xc76c51a3, 0xd192e819, 0xd6990624, 0xf40e3585, 0x106aa070,
   0x19a4c116, 0x1e376c08, 0x2748774c, 0x34b0bcb5, 0x391c0cb3, 0x4ed8aa4a, 0x5b9cca4f, 0x682e6ff3,
   0x748f82ee, 0x78a5636f, 0x84c87814, 0x8cc70208, 0x90befffa, 0xa4506ceb, 0xbef9a3f7, 0xc67178f2
Pre-processamento:
anexar o bit '1' à mensagem
anexar k bits '0', onde k é o menor número >= 0 tal que o tamanho da mensagem resultante (módulo 512 em bits) seja 448.
anexar o tamanho da mensagem (sem o bit '1' ou preenchimento), em bits, como inteiros big-endians de 64 bits
    (isso vai tornar o tamanho pós processado inteiro em um múltiplo de 512 bits)
Processar a mensagem em successivos pedaços de 512 bits:
quebrar a mensagem em pedaços de 512 bits
para cada pedaço
    criar um array de mensagens de 64 espaços w[0..63] de palavras de 32 bits
    (Os valores iniciais em w[0..63] não importam, muitas implementações os zeram nesse ponto
    copiar o pedaço nas primeiras 16 palavras w[0..15] do array agendado de mensagens
    Estender as primeiras palavras de 16 bits nas 48 palavras restantes w[16..63] do array:
    para i de 16 to 63
        s0 := (w[i-15] rotacionarparadireita 7) xor (w[i-15] rotacionarparadireita 18) xor (w[i-15] deslicarparadireita 3)
        s1 := (w[i-2] rotacionarparadireita 17) xor (w[i-2] rotacionarparadireita 19) xor (w[i-2] deslocarparadireita 10)
        w[i] := w[i-16] + s0 + w[i-7] + s1
    Inicializar variáveis funcionais para o valor atual de hash:
    a := h0
    b := h1
    c := h2
    d := h3
    e := h4
    f := h5
    g := h6
    h := h7
    Laço principal da função de compressão:
    para i de 0 até 63
        S1 := (e rotacionarparadireita 6) xor (e rotacionarparadireita 11) xor (e rotacionarparadireita 25)
        ch := (e e f) xor ((não e) e g)
        temp1 := h + S1 + ch + k[i] + w[i]
        S0 := (a rotacionarparadireita 2) xor (a rotacionarparadireita 13) xor (a rotacionarparadireita 22)
        maj := (a e b) xor (a e c) xor (b e c)
        temp2 := S0 + maj
        h := g
        g := f
        f := e
        e := d + temp1
        d := c
        c := b
        b := a
        a := temp1 + temp2
    Adicionar o pedaço comprimido ao valor atual de hash:
    h0 := h0 + a
    h1 := h1 + b
    h2 := h2 + c
    h3 := h3 + d
    h4 := h4 + e
    h5 := h5 + f
    h6 := h6 + g
    h7 := h7 + h
Produzir o valor final do hash (big-endian):
digest := hash := h0 anexar h1 anexar h2 anexar h3 anexar h4 anexar h5 anexar h6 anexar h7

A computação dos valores ch e maj pode ser otimizada da mesma maneira como é descrita para SHA-1.

SHA-224 é idêntica à SHA-256, exceto que:

  • os valores hash iniciais de h0 até h7 são diferentes, e
  • a saída e construída omitindo-se h7.
Valores iniciahs do valor hash de SHA-224 (em big endian):
(Os segundos 32 bits das partes fracionárias das raízes quadradas do 9º até o 16º primos 23..53)
h[0..7] :=
    0xc1059ed8, 0x367cd507, 0x3070dd17, 0xf70e5939, 0xffc00b31, 0x68581511, 0x64f98fa7, 0xbefa4fa4

SHA-512 é idêntica em relação à estrutura a SHA-256, mas,

  • A mensagem é quebrada em pedaços de 512 bits.
  • Os valores hash iniciais e constantes de rodada são estendidos até 64 bits.
  • Há 80 rodadas em vez de 64,
  • O array de escalonamento da mensagem w tem 80 palavras de 64 bits em vez de 64 palavras de 32 bits,
  • Para estender o array w, o laço é de 16 até 79 em vez de 16 até 63,
  • As constantes de rodada são baseadas nos primeiros 80 primos 2..409,
  • O tamanho de palavra usado para os cálculos é de 64 bits,
  • O tamanho anexado da mensagem (antes do pré-processamento), em bits, é um inteiro de 128 bits em big-endian, e
  • As quantidades de deslocamentos e rotações são diferentes.
Valores iniciais do hash SHA-512 (em big-endian):
h[0..7] := 0x6a09e667f3bcc908, 0xbb67ae8584caa73b, 0x3c6ef372fe94f82b, 0xa54ff53a5f1d36f1,
           0x510e527fade682d1, 0x9b05688c2b3e6c1f, 0x1f83d9abfb41bd6b, 0x5be0cd19137e2179
Constantes da rodada SHA-512:
k[0..79] := [ 0x428a2f98d728ae22, 0x7137449123ef65cd, 0xb5c0fbcfec4d3b2f, 0xe9b5dba58189dbbc, 0x3956c25bf348b538,
              0x59f111f1b605d019, 0x923f82a4af194f9b, 0xab1c5ed5da6d8118, 0xd807aa98a3030242, 0x12835b0145706fbe,
              0x243185be4ee4b28c, 0x550c7dc3d5ffb4e2, 0x72be5d74f27b896f, 0x80deb1fe3b1696b1, 0x9bdc06a725c71235,
              0xc19bf174cf692694, 0xe49b69c19ef14ad2, 0xefbe4786384f25e3, 0x0fc19dc68b8cd5b5, 0x240ca1cc77ac9c65,
              0x2de92c6f592b0275, 0x4a7484aa6ea6e483, 0x5cb0a9dcbd41fbd4, 0x76f988da831153b5, 0x983e5152ee66dfab,
              0xa831c66d2db43210, 0xb00327c898fb213f, 0xbf597fc7beef0ee4, 0xc6e00bf33da88fc2, 0xd5a79147930aa725,
              0x06ca6351e003826f, 0x142929670a0e6e70, 0x27b70a8546d22ffc, 0x2e1b21385c26c926, 0x4d2c6dfc5ac42aed,
              0x53380d139d95b3df, 0x650a73548baf63de, 0x766a0abb3c77b2a8, 0x81c2c92e47edaee6, 0x92722c851482353b,
              0xa2bfe8a14cf10364, 0xa81a664bbc423001, 0xc24b8b70d0f89791, 0xc76c51a30654be30, 0xd192e819d6ef5218,
              0xd69906245565a910, 0xf40e35855771202a, 0x106aa07032bbd1b8, 0x19a4c116b8d2d0c8, 0x1e376c085141ab53,
              0x2748774cdf8eeb99, 0x34b0bcb5e19b48a8, 0x391c0cb3c5c95a63, 0x4ed8aa4ae3418acb, 0x5b9cca4f7763e373,
              0x682e6ff3d6b2b8a3, 0x748f82ee5defb2fc, 0x78a5636f43172f60, 0x84c87814a1f0ab72, 0x8cc702081a6439ec,
              0x90befffa23631e28, 0xa4506cebde82bde9, 0xbef9a3f7b2c67915, 0xc67178f2e372532b, 0xca273eceea26619c,
              0xd186b8c721c0c207, 0xeada7dd6cde0eb1e, 0xf57d4f7fee6ed178, 0x06f067aa72176fba, 0x0a637dc5a2c898a6,
              0x113f9804bef90dae, 0x1b710b35131c471b, 0x28db77f523047d84, 0x32caab7b40c72493, 0x3c9ebe0a15c9bebc,
              0x431d67c49c100d4c, 0x4cc5d4becb3e42b6, 0x597f299cfc657e2a, 0x5fcb6fab3ad6faec, 0x6c44198c4a475817]
SHA-512 Soma & Sigma:
S0 := (a rotacionarparadireita 28) xor (a rotacionarparadireita 34) xor (a rotacionarparadireita 39)
S1 := (e rotacionarparadireita 14) xor (e rotacionarparadireita 18) xor (e rotacionarparadireita 41)
s0 := (w[i-15] rotacionarparadireita 1) xor (w[i-15] rotacionarparadireita 8) xor (w[i-15] rotacionarparadireita 7)
s1 := (w[i-2] rotacionarparadireita 19) xor (w[i-2] rotacionarparadireita 61) xor (w[i-2] rotacionarparadireita 6)

SHA-384 é idêntica a SHA-512, exceto que:

  • os valores iniciais de h0 até h7 são diferentes (tirados do 9º até o 16º primo), e
  • a saída é construída omitindo-se h6 e h7.
Valores hash iniciais SHA-384 (em big-endian):
h[0..7] := 0xcbbb9d5dc1059ed8, 0x629a292a367cd507, 0x9159015a3070dd17, 0x152fecd8f70e5939,
           0x67332667ffc00b31, 0x8eb44a8768581511, 0xdb0c2e0d64f98fa7, 0x47b5481dbefa4fa4

SHA-512/t é idêntica à SHA-512 exceto que:

  • os valores iniciais de h0 até h7 são dados pela função de geração SHA-512/t IV,
  • a saída é construída truncando-se a concatenação deh0 até h7 em t bits,
  • t igual a 384 não é permitido, em vez disso, SHA-384 deve ser utilizado como especificado, e
  • valores t  de 224 e 256 são especialmente mencionados como apovados.

A função de geração SHA-512/t IV avalia um SHA-512 modificado na palavra em ASCII "SHA-512/t", substituído com a representação decimal de t. A SHA-512 modificada é a mesma que SHA-512, exceto que seus valores iniciais de h0 até h7 foram XORados com a constante hexadecimal 0xa5a5a5a5a5a5a5a5.

Comparação de funções SHA[editar | editar código-fonte]

Na tabela abaixo, estado interno significa a "soma do hash interno" após cada compressão de bloco de dados.

Mais informações: Construção Merkle–Damgård
Comparação de funções SHA
Algoritmo e variantes Tamanho da saída
(bits)
Tamanho do estado interno
(bits)
Tamanho do bloco
(bits)
Tamanho máximo de mensagem
(bits)
Rodadas Operações Segurança
(bits)
Performance Exemplo
(MiB/s)
MD5 (como referencia) 128 128
(4 × 32)
512 264 − 1 64 And, Xor, Rot,
Add (mod 232),
Or
<64
(colisões encontradas)
335
SHA-0 160 160
(5 × 32)
512 264 − 1 80 And, Xor, Rot,
Add (mod 232),
Or
<80
(colisões encontradas)
-
SHA-1 160 160
(5 × 32)
512 264 − 1 80 <80
(ataque teórico[10] em 261 operações)
192
SHA-2 SHA-224
SHA-256
224
256
256
(8 × 32)
512 264 − 1 64 And, Xor, Rot,
Add (mod 232),
Or, Shr
112
128
139
SHA-384
SHA-512
SHA-512/224
SHA-512/256
384
512
224
256
512
(8 × 64)
1024 2128 − 1 80 And, Xor, Rot,
Add (mod 264),
Or, Shr
192
256
112
128
154
SHA-3 SHA3-224
SHA3-256
SHA3-384
SHA3-512
224
256
384
512
1600
(5 × 5 × 64)
1152
1088
832
576
Ilimitado 24 And, Xor, Rot,
Not
112
128
192
256
-
SHAKE128
SHAKE256
d (arbitrario)
d (arbitrario)
1344
1088
min (d/2, 128)
min (d/2, 256)
-

Na coluna operações bit a bit, "rot" significa girar sem transporte, e "shr" significa deslocamento lógico para a direita. Todos estes algoritmos utilizam adição modular de alguma forma, exceto para SHA-3.

Os números de desempenho acima foram para uma aplicação de thread única em um AMD Opteron 8354 rodando a 2,2 GHz sob o Linux em modo de 64 bits, e servem apenas como um ponto grosseiro para comparação geral. Medidas de desempenho mais detalhadas sobre arquiteturas de processadores modernos são dados na tabela abaixo.

Arquitetura de CPU Frequência Algoritmo Tamanho das palavras (bits) Cyclos/byte x86 MiB/s x86 Cycles/byte x86-64 MiB/s x86-64
Intel Ivy Bridge 3.5 GHz SHA-256 32-bit 16.80 199 13.05 256
SHA-512 64-bit 43.66 76 8.48 394
AMD Piledriver 3.8 GHz SHA-256 32-bit 22.87 158 18.47 196
SHA-512 64-bit 88.36 41 12.43 292

Os números de desempenho com a etiqueta 'x86' estavam em execução usando o código de 32 bits em processadores de 64 bits, enquanto que os números dos x86-64 'são código nativo de 64 bits'. Enquanto SHA-256 foi projetada para cálculos de 32 bits, ela se beneficia de código otimizado para processadores de 64 bits. Implementações de SHA-512 de 32 bits são significativamente mais lentas do que as suas contrapartidas de 64 bits. Variantes de ambos os algoritmos com diferentes tamanhos de saída irão executar da mesma forma, uma vez que as funções de compressão e expansão de mensagem são idênticas, e apenas os valores iniciais de hash e de saída são de diferentes tamanhos. As melhores implementações de MD5 e SHA-1 realizam entre 4,5 e 6 ciclos por byte em processadores modernos.

O teste foi realizado pela Universidade de Illinois em Chicago, em seu sistema hydra8 executando um Intel Xeon E3-1275 V2 a uma velocidade de clock de 3,5 GHz, e em seu sistema hydra9 executando um A10-5800K AMD com uma velocidade de clock de 3,8 GHz. Os ciclos referenciados por byte velocidades acima são o desempenho médio de um algoritmo de resumo deu ma mensagem de 4.096 bytes usando o software de referenciamento criptográfico Supercop. O desempenho MiB/s é extrapolado a partir da velocidade do clock da CPU em um único núcleo, o desempenho no mundo real pode variar devido a uma variedade de fatores.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. «Cryptanalysis of SHA-1 - Schneier on Security». www.schneier.com. Consultado em 9 de agosto de 2015 
  2. «NIST.gov - Computer Security Division - Computer Security Resource Center». csrc.nist.gov. Consultado em 9 de agosto de 2015 
  3. Somitra Kumar Sanadhya and Palash Sarkar (2008). «New Collision Attacks Against Up To 24-step SHA-2» (PDF). IACR Cryptology ePrint Archive. 2008:270 
  4. Kazumaro Aoki, Jian Guo, Krystian Matusiewicz, Yu Sasaki, and Lei Wang (2009). «Preimages for step-reduced SHA-2». Springer Berlin Heidelberg. Advances in Cryptology - ASIACRYPT 2009. Lecture Notes in Computer Science. 5912: 578–597. ISBN 978-3-642-10366-7. ISSN 0302-9743. doi:10.1007/978-3-642-10366-7_34 
  5. Jian Guo, San Ling, Christian Rechberger, and Huaxiong Wang (2010). «Advanced meet-in-the-middle preimage attacks: First results on full Tiger, and improved results on MD4 and SHA-2» (PDF). Springer Berlin Heidelberg. Advances in Cryptology - ASIACRYPT 2010. Lecture Notes in Computer Science. 6477: 56–75. ISBN 978-3-642-17373-8. ISSN 0302-9743. doi:10.1007/978-3-642-17373-8_4 
  6. Mario Lamberger and Florian Mendel (2011). «Higher-Order Differential Attack on Reduced SHA-256» (PDF). IACR Cryptology ePrint Archive. 2011:37 
  7. Dmitry Khovratovich, Christian Rechberger and Alexandra Savelieva (2011). «Bicliques for Preimages: Attacks on Skein-512 and the SHA-2 family» (PDF). IACR Cryptology ePrint Archive. 2011:286 
  8. Florian Mendel, Tomislav Nad, Martin Schläffer (2013). «Improving Local Collisions: New Attacks on Reduced SHA-256». Springer Berlin Heidelberg. Advances in Cryptology – EUROCRYPT 2013. Lecture Notes in Computer Science. 7881: 262-278. ISBN 978-3-642-38348-9. ISSN 0302-9743. doi:10.1007/978-3-642-38348-9_16  line feed character character in |autor= at position 16 (ajuda)
  9. Maria Eichlseder and Florian Mendel and Martin Schläffer (2014). «Branching Heuristics in Differential Collision Search with Applications to SHA-512» (PDF). IACR Cryptology ePrint Archive. 2014:302 
  10. http://2012.sharcs.org/slides/stevens.pdf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]