Salamandra-de-fogo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaSalamandra-de-fogo

Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Amphibia
Ordem: Caudata
Família: Salamandridae
Género: Salamandra
Espécie: S. salamandra
Nome binomial
Salamandra salamandra
(Linnaeus, 1758)
Distribuição geográfica
Distribuição na Europa
Distribuição na Europa

A salamandra-de-fogo, salamandra-comum ou salamandra-de-pintas-amarelas (Salamandra salamandra) é uma espécie de anfíbio caudado pertencente à família Salamandridae. É também conhecida regionalmente por salamântega, saramântiga, saramela ou saramaganta.[2]

A sua pele é característica de cor negra com manchas amarelas. Medem entre 25 e 30 cm de comprimento.[3] As larvas são aquáticas mas o adulto é terrestre. A salamandra-comum costuma aparecer depois de uma forte chuvada e eventualmente à noite.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Salamandra salamandra é uma salamandra grande e conspícua que cresce até 250 mm de comprimento corporal, às vezes quase 300 mm, e tem glândulas parotoides conspícuas. A pele dorsal e lateral é preta, com grandes manchas amarelas a laranjas e / ou faixas, variando entre as subespécies geograficamente específicas. As fêmeas são geralmente maiores do que os machos e possuem extremidades e cauda relativamente mais curtas. A cloaca do macho é muito mais inchada do que a da fêmea.[4] Os seus ovos medem cerca de 4,5 mm, são brancos e envoltos por uma cápsula transparente. Nas populações vivíparas, podem também encontrar-se larvas, com normalmente entre 19 e 35 mm antes da metamorfose. A cabeça das larvas é bastante larga, distinguindo-a de larvas de outros anfíbios. Apresenta uma crista dorsal que vai desde a metade do corpo, até à cauda, passando à parte ventral até ao início da cauda. As brânquias são visíveis, e muito ramificadas. Ao longo do desenvolvimento da larva e durante a metamorfose, as cristas vão desaparecendo e as brânquias vão sendo reabsorvidas. Vão-se formando as listas ou manchas amarelas características, e o animal torna-se cada vez mais escuro.[5]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

As salamandras podem ser encontradas desde Portugal até regiões nórdicas a este como Polónia e a sul nas zonas balcânicas passando pela maior parte da zona central da Europa. Também estão presentes no continente africano, nomeadamente na costa mediterrânica. Regularmente abundam mais a altitudes moderadas como por exemplo entre os 400 e 1000 metros. Mas ainda assim podem ser encontradas por vezes em zonas de cota menos elevada. Por exemplo em Portugal habitam em grande número na Serra de Sintra que está a uma cota de 300 a 400 metros, no entanto podem ser encontradas em regiões mais baixas e/ou costeiras como é o caso de Peniche ou Fernão Ferro, no Seixal - Setúbal,Virtudes - Aveiras de Baixo. No entanto também são avistadas na zona da Amadora mais especificamente no Casal São Brás. Também podem ser avistadas no Parque Florestal de Monsanto que se situa na Serra de Monsanto, no concelho de Lisboa.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Encontra-se habitualmente em terra, em ambientes húmidos e sombrios, predominantemente em floresta caducifólia, em condições adequadas de humidade e presença de charcos ou outras massas de água, onde libertam as larvas (populações ovovivíparas). As populações vivíparas não dependem de massas de água para a reprodução, permitindo a sua sobrevivência em ambientes mais isolados ou extremos.[5]

Está presente desde as zonas costeiras até aos 2400 m, embora seja mais abundante em zonas de altitude intermédia, pelo menos em muitas regiões na Península Ibérica.[5]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Enquanto larva, alimenta-se de pequenos invertebrados aquáticos, entre tricópteros, crustáceos e dípteros. Pode ocasionalmente também predar larvas de anfíbios, como Chioglossa lusitanica ou Rana iberica, ou mesmo da própria espécie (principalmente quando presentes em grandes densidades. Após a metamorfose, alimenta-se de várias espécies de invertebrados, e ocasionalmente de outros vertebrados, como larvas de Pleurodeles waltl.[6]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

Várias subespécies da salamandra-de-fogo são reconhecidas. As subespécies S. s. fastuosa e S. s. bernadezi são vivíparas. As restantes são ovovivíparas.

Em Portugal existem duas ou mais subespécies: S. s. gallaica e S. s. crespoi (que ocorre apenas na região algarvia). Pondera-se a probabilidade da existência da subespécie S. s. bejarae no centro norte do país.

Lista de subespécies e zonas onde poderão ser encontradas:


Toxicidade[editar | editar código-fonte]

Samandrina
Glândulas parótidas

As salamandras são capazes de se defender ativamente de seus predadores. Elas adotam posturas anti-predatórias e são capazes de libertar pela pele, uma substância tóxica denominada samandrina. Esta substância é um alcalóide que provoca convulsões musculares e uma elevada pressão sanguínea, combinada com hiperventilação. As glândulas de veneno estão concentradas na zona do pescoço e na superfície dorsal. As áreas mais coloridas do animal normalmente coincidem com a localização dessas glândulas.

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Salamandra (mitologia)
Ilustração de uma salamandra confortável no fogo.

Na mitologia grega as salamandras eram as representantes do elemento fogo, supostamente se originavam dele, eram capazes de viver nas chamas e ainda apagar o fogo. Os antigos egípcios representaram tais feitos nos seus hieróglifos e Aristóteles também relatou esses fatos.[7]

Cláudio Galeno, no entanto, negava a existência desses poderes ao dizer que as salamandras eram capazes de resistir um pouco ao fogo, acabando por sucumbir a ele.

A observação da saída de salamandras vivas de fogueiras, uma vez que muitas vezes escolhem abrigar-se ou hibernar no meio da lenha e escapam quando sentem a temperatura aumentar, sua coloração com manchas amarelas ou vermelhas contribuiu para este mito. Além disso, material feito de asbesto resistente ao fogo era vendido com o nome de "lã de salamandra", ajudando a perpetuar o mito.[8] O nome salamandra veio deste mito, uma vez que provém do grego para "réptil de fogo".[9]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Kuzmin, S. et al. 2004. Salamandra salamandra. In: IUCN 2007. 2007 IUCN Red List of Threatened Species. <www.iucnredlist.org>. Acessado em 12 de setembro de 2008.
  2. Dicionário da língua portuguesa, Porto Editora
  3. «AmphibiaWeb - Salamandra salamandra». amphibiaweb.org. Consultado em 6 de março de 2023 
  4. «AmphibiaWeb - Salamandra salamandra». amphibiaweb.org. Consultado em 6 de março de 2023 
  5. a b c «Salamandra común - Salamandra salamandra». www.vertebradosibericos.org. Consultado em 6 de março de 2023 
  6. «Salamandra común - Salamandra salamandra - Dieta». www.vertebradosibericos.org. Consultado em 15 de março de 2023 
  7. «Sir Thomas Browne's Vulgar Errors III.xiv: The Salamander». penelope.uchicago.edu. Consultado em 6 de março de 2023 
  8. «Sir Thomas Browne's Vulgar Errors III.xiv: The Salamander». Consultado em 12 de agosto de 2011 
  9. «The Legendary Salamander». Consultado em 12 de agosto de 2011. Arquivado do original em 24 de agosto de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies


Ícone de esboço Este artigo sobre anfíbios caudados, integrado no Projeto anfíbios e répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.