Shemp Howard

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Shemp Howard
Shemp Howard.
Nome completo Samuel Horwitz
Nascimento 11 de março de 1895
Manhattan, Nova Iorque, Estados Unidos
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Morte 22 de novembro de 1955 (60 anos)
Hollywood, Califórnia, Estados Unidos
Ocupação Ator, comediante
Atividade 1923 - 1955
Cônjuge Gertrude Frank (1925-1955)
IMDb: (inglês)

Shemp Howard, nascido Samuel Horwitz (Nova Iorque, 11 de março de 1895Hollywood, 22 de novembro de 1955) foi um ator e comediante americano. Shemp é mais conhecido por ser um dos integrantes da série Os Três Patetas, papel que atuou primeiramente quando o grupo foi criado no início dos anos 1920, enquanto ainda estavam associados com Ted Healy e depois, novamente, de 1947 até sua morte em 1955. Além dos Três Patetas, Shemp também teve uma carreira solo bem sucedida como ator e comediante. Moe Howard e Curly Howard eram seus irmãos mais novos.

Infância e adolescência[editar | editar código-fonte]

O nome verdadeiro de Shemp era Samuel Horwitz. Ele nasceu em Manhattan, Nova York em 17 de março de 1895 e cresceu no Brooklyn. Adquiriu o apelido "Shemp" quando sua mãe, com seu sotaque europeu arrastado, o chamaria de "Sam," que soava como "Shemp". Ele era o terceiro filho nascido dos cinco irmãos Horwitz, cujos pais eram judeus lituanos: Solomon Horwitz (1872-1943) e Jennie Horwitz (1870-1939).

Moe havia dito em sua autobiografia, que na infância, Shemp era um menino muito travesso e seu passatempo favorito era espalhar roupas por toda a casa. Na adolescência, mudou drasticamente, tornando-se uma pessoa mais séria. Os amigos da família já previam o seu futuro como artista, embora Shemp, não levasse a ideia muito a sério, inicialmente. Era muito difícil de vê-lo separado de Moe, seja trabalhando em pequenas tarefas ou se divertindo juntos, até que perceberam que a única coisa importante para eles era o teatro.

Início da carreira[editar | editar código-fonte]

Moe já havia começado a atuar no show business ainda jovem, no palco e nos filmes. Nos anos 20, ele tinha se juntado à Ted Healy para atuar em seu show. Eventualmente, Shemp trabalhou com seu irmão Moe em vários shows amadores de Vaudeville até 1922. Um dia, Shemp estava no público, assistindo um espetáculo estrelado por Healy, quando Moe o convidou a subir no palco, com os dois atuando em diálogos improvisados. Depois disso, Shemp passou a fazer parte do show, geralmente conhecido como "Ted Healy and his Stooges". Em 1925, Larry Fine juntou-se a Moe, Shemp e Ted Healy. No show, Healy cantava e contava piadas enquanto seus Três Patetas apareciam fazendo palhaçadas. Em 1930, Ted Healy and His Stooges filmaram "Soup to Nuts", o primeiro filme dos Patetas. Shemp interpretou um bombeiro nesse primeiro filme, que também foi o único em que ele participou com Healy.

Depois de um desentendimento com Ted em agosto de 1930, Moe, Larry e Shemp partiram para lançar o seu próprio número, "Howard, Fine & Howard", no teatro Vaudeville. Moe, Larry e Shemp continuaram atuando assim até julho de 1932, quando Healy fez um novo acordo com eles. Apesar de qualquer diferença que existisse entre eles, Moe sabia que uma parceria com o nacionalmente conhecido Ted Healy, forneceria ao trio de comediantes, grandes oportunidades que eles ainda não estavam conseguindo por conta própria. No entanto, Shemp decidiu abandonar o grupo, pois já não suportava mais atuar com Healy, devido ao seu alcoolismo e suas agressões verbais e físicas.

Uma anedota diz que, durante as filmagens de Soup to Nuts em 1930, Healy e os Patetas foram visitados no set por um convidado muito especial: o rei da comédia, Charlie Chaplin. Healy e os Patetas praticamente caíram uns sobre os outros tentando tirar fotos com o grande Chaplin. Mas de acordo com a viúva de Shemp, Gertrude Frank, Healy conseguiu retirar os Patetas para fora do set e apenas ele tirou algumas fotos com o famoso ator. Shemp teria ficado muito chateado por este incidente, porque ele idolatrava Chaplin e queria saber o que o mestre da comédia e cinema teria pensado sobre ele. Após a sessão de fotos, Shemp teria lutado desesperadamente para ganhar sua atenção, mas "The Tramp" teria deixado o set antes que Shemp tivesse a chance de dizer à Chaplin o quanto admirava seu trabalho.

Healy sempre quis ser a maior atração do seu número, e os Três Patetas estavam sempre em desacordo com sua gestão de finanças e contratos. Cansado de Healy, Shemp começou em 1932 uma brilhante carreira solo. Quando se separou do grupo, Shemp foi imediatamente substituído por seu irmão mais novo, Jerry Howard (conhecido como Curly).[1]

Carreira Solo[editar | editar código-fonte]

Como muitos artistas de Nova York, Shemp encontrou trabalho no estúdio Vitaphone no Brooklyn. Originalmente, desempenhou pequenos papéis nas comédias de Roscoe Arbuckle. Aos poucos, Shemp foi ganhando papéis de destaque e conhecendo comediantes como Jack Haley, Ben Blue e Gus Shy, além de co-estrelar com Harry Gribbon, Daphne Pollard e Johnnie Berkes, até que finalmente, estrelou em suas próprias comédias. Art Trouble (1934) foi uma comédia curta protagonizada por Shemp com Harry Gribbon, um dos vários parceiros de comédia com quem ele trabalhou.

No final de 1935, a Vitaphone resolveu produzir comédias curtas baseadas em Joe Palooka, uma revista em quadrinhos. Shemp atuou como "Knobby Walsh", e embora fosse apenas um personagem de apoio, se tornou o foco cômico da série, com Johnny Berkes e Lee Weber. Longe da Vitaphone, Shemp tentou, sem sucesso, liderar seu próprio grupo de "Patetas" na comédia musical de Van Beuren, The Knife of the Party. Mas, a carreira solo de Shemp acabou sendo bem-sucedida. Ele seguiu o conselho de seus irmãos e mudou-se para a Costa Oeste dos Estados Unidos em 1937, onde desempenhou papéis de ator coadjuvante em vários estúdios, sendo predominante na Columbia Pictures e na Universal Studios.

Shemp trabalhou exclusivamente na Universal de agosto de 1940 a agosto de 1943. Atuou com o comediante W.C. Fields, no filme The Bank Dick (1940), onde interpretou o barman. E também atuou com as duplas comediantes Abbott & Costello e Olsen & Johnson. Shemp também serviu de alívio cômico em Charlie Chan e The Thin Man, e esteve em vários musicais cômicos de classe B da Universal no início dos anos 40, entre eles Strictly in the Groove (1942), How's About It? (1943), Moonlight and Cactus (1944) e San Antonio Rose (1941) - neste último, ele atuou com Lon Chaney, Jr., como os falsos Abbott & Costello. Ele também atuou com os comediantes Billy Gilbert e Maxie Rosenbloom para três comédias de classe B apresentadas no período de 1944-1945.

Shemp raramente seguia os roteiros e animava os filmes em que atuava com improvisos. Isso se tornou uma marca registrada de suas performances. A maioria dos filmes aproveitou suas habilidades de improvisação. Shemp ainda atuou em alguns papéis sérios, como em Pittsburgh (1942), estrelado por Marlene Dietrich e John Wayne. Seus papéis dramáticos eram escassos, com exceção de sua participação no drama Convention Girl (1935) onde interpretou um valentão chantagista.

Os Três Patetas: 1947-1955[editar | editar código-fonte]

Desde 1938, Shemp aparecia com frequência co-estrelando as comédias da Columbia Pictures, atuando com Andy Clyde, The Glove Slingers, El Brendel e Tom Kennedy. Ele ganhou até mesmo sua própria série em 1944 e se encontrava trabalhando nela, quando seu irmão Curly sofreu um derrame cerebral em 1946. Curly já havia sofrido uma série deles desde a filmagem de If a Body Meets a Body (1945). Com isso, Moe pediu à Shemp que substituísse Curly na popular série da Columbia, Os Três Patetas, já que eles haviam atuado juntos quando o grupo foi criado. Shemp aceitou a proposta sabendo que Moe e Larry estariam sem trabalho, caso se recusasse. Ele se juntou aos Patetas apenas temporariamente, até que Curly pudesse se recuperar. A Columbia, inicialmente, não aprovou a mudança porque Shemp não possuía a mesma vitalidade de Curly e era parecido com Moe, podendo assim, criar confusão entre os cinéfilos. Mas com a insistência de Moe, o estúdio finalmente concordou em assumir Shemp como o terceiro Pateta.[2] Curly ainda conseguiu fazer uma pequena ponta no curta Hold That Lion! (1947), (onde atuaram juntos pela única vez, os três irmãos Howard: Moe, Curly e Shemp). No entanto, a condição de Curly piorou, levando-o a seu falecimento em 1952 e com isso, o rejuntamento de Shemp com os Patetas acabou se tornando permanente.

Embora seja especulado que a volta de Shemp tenha sido feita com relutância pelo próprio ator, o seu sucesso de público e financeiro aumentou significativamente nos próximos anos devido a esta mudança de carreira. Antes de substituir Curly na série de filmes, também foi relatado que Shemp substituiu seu irmão em algumas aparições pessoais no início da década de 1940, mas isso realmente só ocorreu uma vez em janeiro de 1945, para uma aparição de uma semana no Teatro St. Charles em Nova Orleans.

Shemp participou com Moe e Larry de 77 curta-metragens e também, em um filme de longa-metragem sobre a corrida do ouro, chamado Gold Raiders (1951). Shemp, juntamente com Moe e Larry, também participaram do piloto para uma série de televisão chamado Jerks of All Trades (1949), mas ela acabou sendo cancelada.[3]

O papel de Shemp como o terceiro Pateta era muito diferente do de Curly. Algumas poucas vezes, ele conseguia devolver alguns socos em resposta ao líder abusivo Moe. Shemp, apesar de muito atrapalhado, também era mal-humorado às vezes, em oposição à personalidade enérgica do homem-criança de Curly. E ao contrário de Curly, que tinha muitos maneirismos distintos, a característica mais notável de Shemp como um Pateta era um agudo "bee-bee-bee-bee-bee-bee!", som que ele fazia com a boca como uma espécie de grito suave feito por inalação. Isso era bastante usado por Shemp, uma vez que ele emitia este som quando estava assustado, dormindo (feito como uma forma de ronco), feliz ou atordoado. Tornou-se tanto um som de marca registrada de Shemp como o som de "nyuk nyuk" tinha-se tornado para Curly.

O retorno de Shemp melhorou a qualidade dos filmes, já que os últimos com Curly foram prejudicados por suas performances lentas. Episódios como Out West (1947), Squareheads of the Round Table (1948), e Punchy Cowpunchers (1950) provaram que ainda havia vida para a comédia após a saída de Curly e que Shemp poderia facilmente substituí-lo. Isso se deve em grande parte à presença do novo diretor Edward Bernds, que se juntou à equipe em 1945, quando Curly estava começando a enfraquecer. Bernds sentiu que as rotinas e tramas que funcionavam bem com Curly não se encaixam na persona de Shemp, e permitiu que o comediante pudesse desenvolver sua própria caracterização como Pateta. Jules White, entretanto, persistiu em empregar o estilo de comédia que reinava durante a "Era Curly". White iria forçar Shemp ou Moe a executarem atuações semelhantes às originadas por Curly, resultando no que parecia ser uma imitação sem brilho.[4]

Ao contrário da "Era Curly", os filmes da "Era Shemp" contrastaram acentuadamente, devido aos estilos individuais de direção de Bernds e White. De 1947 a 1952, Bernds atingiu uma série de sucessos, incluindo Brideless Groom (1947) e Who Done It? (1949).[5]

Porém, após a saída de Bernds da Columbia, em 1952, White assumiu o controle total da direção e assim, coletou filmes antigos e os combinou com os novos, definindo-os num enredo ligeiramente diferente, muitas vezes com os mesmos atores nos mesmos trajes. White foi inicialmente muito sutil ao reciclar imagens antigas: ele reutilizaria apenas uma única seqüência de filmes antigos, reeditando tão habilmente, que não era fácil de detectar. Porém, White passou a confiar tanto no material mais antigo, que ele percebeu que poderia filmar os "novos" episódios em um único dia, com 75% do tempo consistindo em metragem velha. Shemp em particular, não gostava de trabalhar com White, depois de 1952.[6]

Shemp sofreu um leve derrame em novembro de 1952, embora tenha se recuperado dele dentro de semanas e sem efeito perceptível em seus filmes restantes com os Patetas, que eram até então, muitas vezes remakes de filmes anteriores que usavam material reciclado para reduzir custos. Alguns fãs, no entanto, notaram-no fraco, pálido e ainda, desorientado.

Mais do que um substituto digno para Curly, Shemp era um ídolo por si só.

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 22 de novembro de 1955, Shemp tinha saído com seus amigos Al Winston e Bobby Silverman para assistirem uma luta de boxe (um dos passatempos favoritos de Shemp), no antigo Hollywood Legion Stadium. Ao voltar para casa em um táxi naquela noite, Shemp faleceu após sofrer um ataque cardíaco fulminante. Shemp tinha sentado no banco de trás do táxi e em seguida acendeu um charuto depois de contar uma piada, quando de repente, caiu sobre o colo do amigo Al Winston, queimando-o acidentalmente. Al pensava que Shemp estivesse brincando, já que ele estaria rindo momentos antes, mas logo percebeu que estava realmente morto. Shemp tinha 60 anos de idade.[7]

Na autobiografia de Moe, mostra-se que a data de morte de Shemp era de 23 de novembro de 1955. Mas, grande parte desse livro foi terminado postumamente por sua filha e genro, e alguns detalhes específicos foram confundidos no resultado final. A certidão de óbito do juiz do condado de Los Angeles afirma que Shemp Howard morreu numa terça-feira, em 22 de novembro de 1955, às 11:00h da noite. Isso foi confirmando no obituário de Shemp que havia surgido em 23 de novembro nas edições da tarde dos jornais de Los Angeles, afirmando que a noite de 22 de novembro foi realmente a data de sua da morte.

Shemp foi sepultado em uma cripta no interior do Mausoléu no Home of Peace Memorial Park, East Los Angeles, Condado de Los Angeles, Califórnia nos Estados Unidos. Seu irmão mais novo, Curly Howard, também foi enterrado lá em um túmulo ao ar livre na seção do Instituto Judaico Ocidental, bem como seus pais Solomon & Jennie Horwitz, e o irmão mais velho Benjamin "Jacob / Jack".[8]

O "Shemp Falso"[editar | editar código-fonte]

A morte repentina de Shemp causou uma grande confusão com os produtores da Columbia Pictures num momento em que os contratos com os artistas eram abusivos e exigiam situações impossíveis ou incomuns. Os Três Patetas já haviam sofrido antes em muitas ocasiões, principalmente quando tinham que atuar com um Curly notoriamente doente e incapaz de realizar uma atuação digna.

A Columbia havia prometido aos expectadores oito comédias dos Três Patetas para 1956, mas apenas quatro haviam sido concluídas até a morte inesperada de Shemp. Para cumprir o contrato, o produtor Jules White produziu mais quatro curtas, reutilizando imagens antigas de Shemp e filmando novas cenas com o ator dublê Joe Palma (antigo ator coadjuvante dos Patetas), que é visto principalmente pelas costas.

Assim, nos últimos quatro filmes da série com os Três Patetas em que apareceu o nome de Shemp no elenco (Rumpus in the Harem, Hot Stuff, Scheming Schemers e Commotion on the Ocean), a Columbia utilizou Joe Palma para dublar Shemp. Todos esses filmes foram remakes de trabalhos anteriores de Shemp, com Palma aparecendo para ligar as cenas novas com as velhas, sempre que preciso.[9]

Palma veio a ser conhecido pelos fãs dos Patetas como o "Shemp Falso". Os filmes reeditados variam de inteligentes para descaradamente irregulares, e muitas vezes são descartados como de segunda categoria. Rumpus in the Harem pega emprestado cenas de Malice in the Palace; Hot Stuff pega de Fuelin' Around; e Commotion on the Ocean (todos reeditados e relançados em 1956) pega de Dunked in the Deep (todos originais de 1949). Destes, o mais bem recebido (e melhor tecnicamente produzido) seria Scheming Schemers (1956), que combinava novas filmagens com cenas recicladas de três velhos curtas dos Stooges: A Plumbing We Will Go (1940), Half-Wits Holiday (1947) e Vagabond Loafers (1949).[10]

Com a morte de Shemp, surgiram muitas dúvidas sobre a continuidade dos Patetas ficarem no ar. Cohn e o diretor Jules White desejavam que a substituição de Shemp por Palma durasse indefinidamente, o que foi recusado por Larry e um abalado Moe, acreditando que com isso, os dias e a própria reputação dos Patetas estariam arrasadas. Em contrapartida, Moe sugeriu não colocar um substituto para Shemp, transformando os Três Patetas em Dois Patetas com ele e Larry, mas fora recusado, foi então que a Columbia decidiu contratar um novo comediante.

Quando chegou a hora de renovarem o contrato dos Patetas, a Columbia contratou o comediante Joe Besser para substituir Shemp. De acordo com a autobiografia de Joe Besser, Once a Stooge, Always a Stooge, ele contou ter dado as condolências para Moe pela morte de Shemp. Joe e Shemp tinham sido bons amigos.[11]

Legado[editar | editar código-fonte]

Para muitos espectadores, Curly Howard foi o melhor Pateta, por ser o mais infantil e natural que atuou com Moe Howard e Larry Fine. No entanto, Shemp Howard sempre foi um grande favorito do público e a prova disso, era a avaliação da série, quando ele ainda fazia suas aparições no palco, tanto antes como depois do aparecimento de seu irmão Curly. Entre 1950 e 1955 (exceto 1952), os Três Patetas receberam o Laurel Awards, como prêmio para os curtas de maior bilheteria. Infelizmente, o grupo sofreu muito com a perda de Curly, que faleceu em 1952 e mesmo com a volta de Shemp para evitar o declínio do programa, não levaria muito tempo para que este também abandonasse seu papel, quando a morte o surpreendeu em 1955.

Havia criado-se o "Curly vs Shemp", debate que ofuscou o ato depois da saída de Curly. Os Patetas perderam um pouco de seu sucesso para as crianças depois que Curly se aposentou, mas alguns filmes excelentes foram estrelados por Shemp, um talentoso comediante, grande improvisador e gênio da comédia. Muitas vezes, Shemp se apresentou melhor, quando foi autorizado a improvisar-se por conta própria.[12][13]

A Columbia encerrou a produção dos curtas dos Três Patetas em dezembro de 1957, mas manteve a série na televisão desde 1959, exibindo os curtas em que o Pateta Shemp aparece, de modo que ele permaneceu uma estrela popular por muitas décadas, mesmo depois de sua morte.

Em 30 de agosto de 1983, os Três Patetas ganharam uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood. Nessa ocasião, Joe Besser recordou sua amizade com os Patetas em um discurso emocionante se referindo "aos quatro meninos" (Moe, Larry, Curly e Shemp).[14]

Em um filme de TV biográfico, The Three Stooges (2000), produzido por Mel Gibson, Shemp foi representado por Johnny Kassir, que vestiu uma peruca flexível, de cabelos pretos para retratar o famoso comediante.[15][16]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 1925, Shemp (aos 30 anos) casou-se com Gertrude Frank (28), uma colega novayorquina. Tiveram um filho chamado Morton (1926-1972). Shemp sempre usou sua aparência pouco atraente para o efeito cômico, muitas vezes agindo grotescamente ou permitindo que seu cabelo caísse em desordem. Ele até usou isso como um truque de publicidade, conseguindo o título de "O Homem Mais Feio de Hollywood" ("Eu sou horrível", dizia ele aos repórteres). Notoriamente fóbico, seus medos incluíam aviões, automóveis, cães e água. De acordo com a autobiografia de Moe, Shemp se envolveu em um acidente de carros quando era adolescente e com isso, nunca obteve uma carteira de motorista.[17]

Apesar de seus tantos medos, Shemp sempre foi um homem calmo e tranquilo, não importando a situação. Ele também adorava assistir esportes, principalmente os mais agressivos, talvez para relaxar de seus medos e tensões. Além disso, preenchia seu tempo livre indo pescar, assistindo lutas de boxe e ouvindo a música de Cole Porter. Richard Arlen, Andy Devine e Horace MacMahon eram seus atores favoritos e Patsy Kelly era sua atriz favorita. Sua comédia preferida de Os Três Patetas era Fright Night (1947) (seu primeiro curta com eles e, coincidentemente, que tinha a ver com o boxe).[18][19]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Longa-metragens, curta-metragens e televisão[editar | editar código-fonte]

Livros recomendados[editar | editar código-fonte]

  • Moe Howard and the Three Stooges; by Moe Howard, (Citadel Press, 1977).
  • The Columbia Comedy Shorts; by Ted Okuda with Edward Watz, (McFarland, 1986).
  • The Complete Three Stooges: The Official Filmography and Three Stooges Companion; by Jon Solomon, (Comedy III Productions, Inc., 2002).
  • The Three Stooges Scrapbook; by Jeff Lenburg, Joan Howard Maurer, Greg Lenburg (Citadel Press, 1994).
  • The Three Stooges: An Illustrated History, From Amalgamated Morons to American Icons; by Michael Fleming (Broadway Publishing, 1999).
  • One Fine Stooge: A Frizzy Life in Pictures; by Steve Cox and Jim Terry, (Cumberland House Publishing, 2006).

Referências

  1. "The Final Years of Curly (of Three Stooges Fame)!)". Mental_floss. Retrieved 21 December 2013.
  2. http://offscreen.com/view/remembering_the_three_stooges
  3. Grossman, Gary H. Saturday Morning TV, Dell Publishing, 1981
  4. Forrester, Jeff (2004). The Three Stooges: The Triumphs and Tragedies of the Most Popular Comedy Team of All Time. Donaldson Books. pp. 121, 135. ISBN 0-9715801-0-3.
  5. Forrester, Jeff (2004). The Three Stooges: The Triumphs and Tragedies of the Most Popular Comedy Team of All Time. Donaldson Books. pp. 121, 135. ISBN 0-9715801-0-3.
  6. Okuda, Ted; Watz, Edward (1986). The Columbia Comedy Shorts. McFarland & Company, Inc., Publishers. pp. 60–102, 237–239. ISBN 0-89950-181-8.
  7. http://www.mofolandia.com.br/mofolandia_nova/tres_patetas_bio.htm
  8. Shemp Howard (em inglês) no Find a Grave
  9. Solomon, Jon (2002). The Complete Three Stooges: The Official Filmography and Three Stooges Companion. Comedy III Productions, Inc. p. 483. ISBN 0971186804 
  10. Forrester, Jeff (2002). Three Stooges: The Triumphs and Tragedies of the Most Popular Comedy Team of All Time, p. 151–152. Donaldson Books. ISBN 0-9715801-0-3.
  11. Once a Stooge, Always a Stooge
  12. "Curly vs Shemp". Democratic Underground. Retrieved February 20, 2011.
  13. Forrester, Jeff (2004). The Three Stooges: The Triumphs and Tragedies of the Most Popular Comedy Team of All Time. Donaldson Books. pp. 121, 135. ISBN 0-9715801-0-3.
  14. Besser, Joe; Jeff Lenburg; Greg Lenburg (1984). Not Just a Stooge. Orange, California: Excelsior Books. pp. 200–201, 203–205. ISBN 978-0918283009.
  15. The Three Stooges (2000) TV Movie - IMDb
  16. John Kassir - IMDb
  17. Howard, Moe (1979) [1977]. Moe Howard and the Three Stooges. Broadway Publishing. ISBN 978-0-8065-0723-1.
  18. http://www.allmovie.com/movie/v149991
  19. Solomon, Jon. (2002) The Complete Three Stooges: The Official Filmography and Three Stooges Companion, p. 291; Comedy III Productions, Inc., ISBN 0-9711868-0-4

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Shemp Howard