Superguidis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Superguidis
Informação geral
Origem Guaíba, Rio Grande do Sul
País Flag of Brazil.svg Brasil
Gênero(s) Rock gaúcho, indie rock
Período em atividade 2002 - 2011
Integrantes Andrio Maquenzi (vocal e guitarra)
Diogo Macueidi (baixo)
Lucas Pocamacha (vocal e guitarra)
Marco Pecker (bateria)
Ex-integrantes Everton Siqueira (guitarra)

Superguidis foi uma banda brasileira de rock gaúcho que começou suas atividades em 2002 e teve seu fim anunciado em 2011.[1][2] Foi considerado em 2010 um dos maiores expoentes da cena roqueira do Rio Grande do Sul.[3]

História[editar | editar código-fonte]

A banda Superguidis surgiu em 2002 na cidade de Guaíba, na região metropolitana de Porto Alegre - Rio Grande do Sul. O grupo foi formado no final dos anos 1990, inicialmente com o nome de Dissidentes, por Andrio Maquenzi, Diogo Macueidi, Marco Pecker e Everton Siqueira, e consistia basicamente de uma banda de covers de bandas grunge como Pearl Jam e Stone Temple Pilots. Com a saída de Everton e a entrada de Lucas Pocamacha o grupo muda o nome para Superguidis, assim como passam a criar suas próprias músicas inspirados em grupos de indie rock como Pavement e Guided By Voices.[4][5][6]

Em 2006 a Superguidis foi a primeira banda a liberar um álbum completo, Superguidis, para download no projeto "download remunerado" da Trama Virtual.[5][7][8] No mesmo ano a banda foi considerada um dos 13 nomes do novo rock que realmente importam, em matéria especial da revista Bizz, onde também foi indicada ao prêmio de banda revelação de 2006. Foi ainda indicada pela MTV local a banda revelação do Rio Grande do Sul, por unanimidade de opinião de críticos e produtores. No final de 2006, seu álbum de estreia foi eleito pela Trama Virtual o melhor disco independente do ano, a frente de Tom Zé, Mombojó e outros. Superguidis também é um dos três melhores do ano para o jornalista Lúcio Ribeiro e sua coluna Popload.[6][9][10]

Em 2007 lançam seu segundo álbum, A Amarga Sinfonia do Superstar.[6]

Em 2008 participam da coletânea Le Nouveau Rock Brésilien, lançado pela revista bilíngue Brazuca, que leva destaques da cultura brasileira para a França e Bélgica.[11]

Em 2010 o site especializado em indie rock brasileiro MiojoIndie colocou 2 álbuns da banda na sua lista de 100 Melhores Discos Nacionais dos Anos 2000: seu álbum de estreia Superguidis em 5º lugar,[12] e seu segundo álbum A Amarga Sinfonia do Superstar em 51º.[13] No mesmo ano lançou seu terceiro disco, Superguidis.[14]

Em 2011 anunciaram o fim da banda. Diante da saída do guitarrista Lucas Pocamacha da banda, pois desejava seguir com a faculdade de Engenharia e trabalhar na área, os demais integrantes optaram por encerrar as atividades da mesma. No mesmo ano foi lançado um EP de despedida, EPílogo, contendo material inédito que entraria no quarto álbum da banda.[6][15][16][17]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

  • Superguidis (2006)
  • A Amarga Sinfonia do Superstar (2007)
  • Superguidis (2010)

DVD[editar | editar código-fonte]

  • Acústico no Cultura Rock Clube, Maio/2009 (Ao Vivo) (2010)

EPs[editar | editar código-fonte]

  • O Véio Máximo (2003)
  • Ainda Sem Nome (2004)
  • EPílogo (2011)

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Açorianos[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Indicação Resultado
2006[18] Revelação Superguidis Indicado

Referências

  1. «Banda Superguidis chega ao fim». 15 de julho de 2011. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  2. «Música: Superguidis 2002 – 2011 – SCREAM & YELL». screamyell.com.br. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  3. «Expoente da cena gaúcha independente, banda Superguidis estreia em festival da Zona Norte do Rio». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  4. «Dying Days » Bandas » Superguidis». dyingdays.net. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  5. a b «Superguidis libera cds oficiais e raridades na Trama Virtual». Senhor F. Consultado em 9 de setembro de 2016. Arquivado do original em 15 de setembro de 2016 
  6. a b c d «Música: Superguidis 2002 – 2011 – SCREAM & YELL». screamyell.com.br. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  7. Ferreira, Bernardo Saraiva (2013). «Rock independente : um olhar antropológico a partir do circuito porto-alegrense» 
  8. Junior, Coelho dos Santos (3 de setembro de 2012). «Selos virtuais e as novas configurações de produção e circulação na música popular massiva». Revista Eletrônica da Pós-Graduação da Cásper Líbero - ISSN 2176-6231. 4 (1). ISSN 2176-6231 
  9. «MTV-RS elege Superguidis 'banda revelação do ano' no estado». www.senhorf.com.br. Consultado em 9 de setembro de 2016. Arquivado do original em 15 de setembro de 2016 
  10. «Rockload, em São Paulo, destaca Superguidis e Sebastião Estiva». senhorf.com.br. Consultado em 9 de setembro de 2016. Arquivado do original em 15 de setembro de 2016 
  11. «Revista francesa lança coletânea com independentes brasileiros». Rolling Stone. 19 de fevereiro de 2008. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  12. «Os 100 Melhores Discos Nacionais dos Anos 2000 [10-01] – Miojo Indie». miojoindie.com.br. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  13. «Os 100 Melhores Discos Nacionais dos anos 2000 [60-51] – Miojo Indie». miojoindie.com.br. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  14. «No terceiro disco da carreira, gravado em Brasília, Superguidis sai da adolescência sem abandonar a simplicidade». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  15. «Superguidis lança EP póstumo». Rolling Stone. 11 de julho de 2011. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  16. «Andrio Maquenzi explica o fim da Superguidis». Rock Gaúcho.com. Consultado em 9 de setembro de 2016. Arquivado do original em 24 de setembro de 2016 
  17. «Superguidis: baterista comenta fim da banda». Rock Gaúcho.com. Consultado em 9 de setembro de 2016. Arquivado do original em 24 de setembro de 2016 
  18. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. «Indicados ao Prêmio Açorianos de Música - 2006». Consultado em 16 de abril de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Avila, Alisson; Bastos, Cristiano; Muller, Eduardo (2012-11-06). Gauleses Irredutíveis: causos e atitudes do rock gaúcho Buqui Livros Digitais [S.l.]ISBN 9788565390590.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app kguitar.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.