Teodoro I de Monferrato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Teodoro I de Monferrato
Cônjuge Argentina Spínola
Casa Paleólogos
Nome completo
Theodoro Komnenos Doukas Angelos Palaiologos
Nascimento c. 1291
Morte 24 de abril de 1338 (47 anos)
  Trino
Mãe Irene de Monferrato

Teodoro I de Monferrato ou Teodoro I Paleólogo foi marquês de Monferrato de 1306 até sua morte em 1338. Era filho do imperador Andrônico II Paleólogo com Irene de Monferrato. Quando seu tio João morreu em 1305, a linhagem masculina dos marqueses de Monferrato do ramo Aleramici se extinguiu. A Marca de Monferrato passou então para os filhos de Irene. O patriarca de Constantinopla bloqueou a candidatura do filho mais velho dela, João, e, por isso, Teodoro foi enviado para a Itália.

Ele embarcou para Gênova em 1306 e, no ano seguinte, casou-se com Argentina Spínola, filha do magnata genovês Opicino Spínola, "capitani del popolo" (co-governante) da República de Gênova. Spínola usou toda a sua riqueza para apoiar Teodoro em sua reivindicação a Monferrato.

O adversário de Teodoro era Manfredo IV de Salluzzo, que era de um ramo menor da Casa de Saboia, e diversos marqueses de Monferrato tinham esposas savoiardas.[1] O rei Carlos II de Anjou também reivindicou partes da marca e, gradualmente, sobrepujou seus adversários, assegurando para si a marca toda. Em 1310, recebeu a investidura imperial de Henrique VII.

Teodoro e Argentina tiveram dois filhos, João (1313–1372) e Iolanda (1318–1342), que se casou com Aimone de Saboia.

Teodoro morreu em Trino em 1338 e foi sucedido por seu filho João.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. F. Gabotto, Gli Ultimi principi d'Acaia e la politica subalpina 1883
  2. Charles Cawley (28 de outubro de 2008). «Byzantium 1261-1453». Medieval Lands. Foundation of Medieval Genealogy. Consultado em 29 de janeiro de 2009 
Precedido por
João I
Stemma del marchesato del Monferrato.svg
Marquês de Monferrato

1306 — 1338
Sucedido por
João II