Terapia megavitamínica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Terapia megavitamínica é a utilização de grandes doses de vitaminas, muitas vezes maiores do que a ingestão diária recomendada, na tentativa de prevenir ou tratar doenças. A terapia megavitamínica é normalmente empregada na medicina alternativa por profissionais que classificam tal abordagem sob o escopo da medicina ortomolecular, mas também pode ser usada na medicina atual para condições genéticas raras que respondem ao tratamento com megadoses de vitaminas.[1]

Em 2002, um artigo de revisão identificou cinquenta condições médicas que respondem a "terapias com altas doses de vitaminas".[2] Espera-se que uma maior compreensão dessas condições contribua ao campo emergente da nutrigenômica.[3]

Nutrientes podem ser úteis na prevenção e no tratamento de algumas doenças,[4] mas as conclusões da pesquisa médica são de que as amplas reivindicações de tratamento de doenças pelos defensores da terapia megavitamínica não têm base na evidência disponível atualmente.[4][5][6] É geralmente aceito que a dose de qualquer vitamina excessivamente além dos requisitos nutricionais irá resultar em toxicidade ou simplesmente será metabolizada — evidência a favor da suplementação de vitamina apenas em doses na faixa padrão.[7][8][9] Os críticos descrevem alguns aspectos da medicina ortomolecular como modismo alimentar ou até mesmo como charlatanismo.[10][11][12] A pesquisa sobre a suplementação de nutrientes, em geral, sugere que alguns suplementos nutricionais podem ser benéficos, e que outros podem ser prejudiciais;[13][14][15] várias terapias nutricionais específicas são associadas a uma maior probabilidade de incidência das condições que procuram prevenir.[16]

Multivitamínico vs megavitamínico[editar | editar código-fonte]

A terapia megavitamínica deve ser distinguida da abordagem de suplementação vitamínica comum às pílulas multivitamínicas. Doses megavitamínicas são muito mais elevadas do que os níveis de vitaminas normalmente disponíveis através de dietas ocidentais. A suplementação multivitamínica tem sido associada a um efeito desprezível no tratamento do câncer.

Um estudo feito com 161 mil indivíduos (mulheres na pós-menopausa) demonstrou que, nas palavras dos autores, "há evidência convincente de que o uso de multivitamínicos tem pouca ou nenhuma influência sobre o risco de cânceres comuns, doença cardiovascular ou mortalidade total em mulheres na pós-menopausa".[17]

História[editar | editar código-fonte]

Nas décadas de 1930 e 1940, alguns evidências clínicas e científicas sugeriram que poderia ser benéfico o uso das vitaminas C, E, e B3 em grandes doses. Em 1930, Shute, um cientista canadense, desenvolveu uma terapia com megadose de vitamina E para o tratamento de doenças cardiovasculares e problemas circulatórios, nomeando-a "protocolo Shute".[18]

Tentativas de experimentos na década de 1930[19] com maiores doses de vitamina C foram substituídas pelo desenvolvimento de terapias de megadoses intravenosas da vitamina por Fred R. Klenner, utilizadas na década de 1940.[20] William Kaufman publicou na mesma década artigos que detalharam o tratamento de artrite com doses altas e frequentes de niacinamida.[21]

Em 1954, Rudolf Altschul e Abram Hoffer aplicaram grandes doses de niacina (vitamina B3) na forma de liberação imediata para tratar a hipercolesterolemia.[22] Em 1956, a publicação intitulada Biochemical Individuality, por Roger J. Williams, introduziu conceitos sobre o uso individualizado de nutrientes e megavitamínicos.[23] Terapias megavitamínicas foram também defendidas publicamente por Linus Pauling, no final da década de 1960.[24] Em 1956, resultados experimentais sugeriram que a niacina poderia ser útil no tratamento de colesterol, resultados que foram confirmados em 1986.[25]

O uso da terapia[editar | editar código-fonte]

A crescente prática de terapias megavitamínicas vem sendo integrada à medicina natural e à ortomolecular.

Embora terapias megavitamínicas ainda sejam frequentemente excluídas da medicina baseada em evidências, elas estão sendo cada vez mais utilizadas pelos próprios pacientes, com ou sem a aprovação de seus médicos.[26]

Em 2008, pesquisadores estabeleceram que uma maior ingestão de vitamina C reduz o nível de ácido úrico no plasma e pode ser útil na prevenção de crises de gota.[27]

A suposta eficácia de várias terapias megavitamínicas tem sido refutada pelos resultados de um ensaio clínico.[28] Uma revisão de ensaios clínicos no tratamento de resfriados com pequenas e grandes doses de vitamina C estabeleceu que não há evidência de sua eficácia.[29] Depois de 33 anos de pesquisa, ainda não está estabelecido se a vitamina C pode ser usada como um tratamento para o câncer.[30]

Enquanto algumas vitaminas não têm nenhum nível de ingestão diária máximo, outras, incluindo as vitaminas A[31] e D[31], são conhecidas por serem tóxicas em altas doses. Todas as vitaminas tóxicas em altas doses são lipossolúveis, não solúveis em água, pois vitaminas solúveis em água podem ser eliminadas pela urina em um intervalo de tempo razoável.

Devido à ingestão de vitamina poder alterar o metabolismo da mesma maneira que medicamentos, pausas a curto prazo entre a ingestão periódica de uma ou várias vitaminas são geralmente recomendadas (pelas comunidades médica e homeopática), de modo a permitir que o corpo use o excesso de vitaminas estocadas e estabilize a sua química interna.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Menolascino FJ, Donaldson JY, Gallagher TF, Golden CJ, Wilson JE (1988). «Orthomolecular therapy: its history and applicability to psychiatric disorders». Child Psychiatry Hum Dev. 18 (3): 133–50. PMID 2898324. doi:10.1007/BF00709727 
  2. Ames BN, Elson-Schwab I, Silver EA (Abril de 2002). «High-dose vitamin therapy stimulates variant enzymes with decreased coenzyme binding affinity (increased K(m)): relevance to genetic disease and polymorphisms». Am. J. Clin. Nutr. 75 (4): 616–58. PMID 11916749 
  3. Kaput J, Rodriguez RL (Janeiro de 2004). «Nutritional genomics: the next frontier in the postgenomic era». Physiol. Genomics. 16 (2): 166–77. PMID 14726599. doi:10.1152/physiolgenomics.00107.2003 
  4. a b «ACS: Orthomolecular Medicine». American Cancer Society. 19 de junho de 2007. Consultado em 4 de abril de 2008 
  5. Aaronson S, et al. (2003). «Cancer medicine». Cancer medicine 6 (Frei, Emil; Kufe, Donald W.; Holland, James F., eds). Hamilton, Ont: BC Decker. 76 páginas. ISBN 1-55009-213-8 
  6. Nutrition Committee; Canadian Paediatric Society (1 de janeiro de 1990). «Megavitamin and megamineral therapy in childhood. Nutrition Committee, Canadian Paediatric Society». CMAJ. 143 (10): 1009–1013. PMC 1452516Acessível livremente. PMID 1699646 
  7. «What Does Your Body Do to Excess Vitamin B or C That You Might Consume?» (em inglês) 
  8. «The Risks of Excess Vitamins and Other Nutrients». WebMD (em inglês) 
  9. Novella, S: Medical Myths, Lies, and Half-Truths: What We Think We Know May Be Hurting Us, The Great Courses
  10. Jarvis WT (1983). «Food faddism, cultism, and quackery». Annu. Rev. Nutr. 3: 35–52. PMID 6315036. doi:10.1146/annurev.nu.03.070183.000343 
  11. Jukes, T.H. (1990). «Nutrition Science from Vitamins to Molecular Biology». Annual Review of Nutrition. 10 (1): 1–20. PMID 2200458. doi:10.1146/annurev.nu.10.070190.000245 
  12. Braganza, S.F.; Ozuah, P.O. (2005). «Fad Therapies». Pediatrics in Review. 26 (10): 371–376. PMID 16199591. doi:10.1542/pir.26-10-371 
  13. «NIH State-of-the-Science Conference Statement on Multivitamin/Mineral Supplements and Chronic Disease Prevention». NIH Consens State Sci Statements. 23 (2): 1–30. 2006. PMID 17332802 
  14. Huang HY, Caballero B, Chang S, et al. (Setembro de 2006). «The efficacy and safety of multivitamin and mineral supplement use to prevent cancer and chronic disease in adults: a systematic review for a National Institutes of Health state-of-the-science conference». Ann. Intern. Med. 145 (5): 372–85. PMID 16880453. doi:10.1001/archinte.145.2.372 
  15. Bjelakovic G, Nikolova D, Gluud LL, Simonetti RG, Gluud C (2012). «Antioxidant supplements for prevention of mortality in healthy participants and patients with various diseases». Cochrane Database Syst Rev. 3: CD007176. PMID 22419320. doi:10.1002/14651858.CD007176.pub2 
  16. Satia JA, Littman A, Slatore CG, Galanko JA, White E (2009). «Long-term Use of {beta}-Carotene, Retinol, Lycopene, and Lutein Supplements and Lung Cancer Risk: Results From the VITamins And Lifestyle (VITAL) Study». American Journal of Epidemiology. 169 (7): 815–28. PMC 2842198Acessível livremente. PMID 19208726. doi:10.1093/aje/kwn409 
  17. Neuhouser ML, Wassertheil-Smoller S, Thomson C, et al. (Fevereiro de 2009). «Multivitamin use and risk of cancer and cardiovascular disease in the Women's Health Initiative cohorts». Arch. Intern. Med. 169 (3): 294–304. PMID 19204221. doi:10.1001/archinternmed.2008.540 
  18. Vogelsang A, Shute E, Shute W (Fevereiro de 1948). «Some medical uses of vitamin E». Med World (New York). 161 (2): 83–9. PMID 18911314 
  19. Jungeblut, CW (1937). «Vitamin C Therapy and Prophylaxis in Experimental Poliomyelitis». The Journal of Experimental Medicine. 65 (1): 127–146. PMC 2133474Acessível livremente. PMID 19870585. doi:10.1084/jem.65.1.127 
  20. Klenner FR (Julho de 1949). «The treatment of poliomyelitis and other virus diseases with vitamin C». South Med Surg. 111 (7): 209–14. PMID 18147027 
  21. KAUFMAN W (Julho de 1953). «Niacinamide therapy for joint mobility; therapeutic reversal of a common clinical manifestation of the normal aging process». Conn State Med J. 17 (7): 584–9. PMID 13060032 
  22. ALTSCHUL R, HOFFER A (Abril de 1960). «The Effect of Nicotinic Acid on Hypercholesterolæmia». Can Med Assoc J. 82 (15): 783–5. PMC 1938010Acessível livremente. PMID 13792994 
  23. Williams, Roger Lawrence (1998). Biochemical Individuality. New York: McGraw-Hill. ISBN 0-87983-893-0 
  24. Stone, Irwin (1982). The healing factor: "vitamin C" against disease. New York: Perigee Books. ISBN 0-399-50764-7 
  25. Sanford M, Curran MP (2008). «Niacin extended-release/simvastatin». Drugs. 68 (16): 2373–86. PMID 18973399. doi:10.2165/0003495-200868160-00008 
  26. Richardson MA, Sanders T, Palmer JL, Greisinger A, Singletary SE (Julho de 2000). «Complementary/alternative medicine use in a comprehensive cancer center and the implications for oncology». J. Clin. Oncol. 18 (13): 2505–14. PMID 10893280 
  27. Choi, MD, DrPH, Hyon K.; Xiang Gao, MD, PhD; Gary Curhan, MD, ScD (9 de março de 2009). «Vitamin C Intake and the Risk of Gout in Men – A Prospective Study». Archives of Internal Medicine. 169 (5): 502–507. PMC 2767211Acessível livremente. PMID 19273781. doi:10.1001/archinternmed.2008.606 
  28. Lin J, Cook NR, Albert C, et al. (Janeiro de 2009). «Vitamins C and E and Beta Carotene Supplementation and Cancer Risk: A Randomized Controlled Trial». J. Natl. Cancer Inst. 101 (1): 14–23. PMC 2615459Acessível livremente. PMID 19116389. doi:10.1093/jnci/djn438 
  29. Douglas RM, Hemilä H, Chalker E, Treacy B (2007). Hemilä, Harri, ed. «Vitamin C for preventing and treating the common cold». Cochrane Database Syst Rev (3): CD000980. PMID 17636648. doi:10.1002/14651858.CD000980.pub3 
  30. Cabanillas, F (2010).
  31. a b Snodgrass SR (1992). «Vitamin neurotoxicity». Mol. Neurobiol. 6 (1): 41–73. PMID 1463588. doi:10.1007/BF02935566 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]