Tiangong 1

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Modelo da estação espacial chinesa Tiangong 2. Um veículo espacial Shenzhou acoplado é visível à esquerda.
Shenzhou acoplado à estação Tiangong 1.

Tiangong 1 (« Palácio celeste 1 » em chinês) foi uma estação espacial desenvolvida pela agência espacial chinesa CNSA que foi lançada para o espaço para ser colocada em órbita em 29 de setembro de 2011 e reentrou na atmosfera terrestre no dia 02 de abril de 2018.[1][2] Fez parte do Projeto 921-2, cujo objetivo é a construção de uma estação espacial com vários módulos.[3] Seu design claramente lembrava módulos espaciais russos.

Três naves visitaram a Tiangong 1:

  • Shenzhou 8, em novembro de 2011. A nave não tripulada teve a missão de testar seu encaixe com a estação;
  • Shenzhou 9, em junho de 2012, que levou três taikonautas à estação, entre eles Liu Yang, primeira chinesa no espaço;[4]
  • Shenzhou 10, em junho de 2013, cuja tripulação, também de três taikonautas, permaneceu no espaço por 15 dias realizando experimentos diversos.[5]

Em março de 2016, a estação foi desativada, sendo substituida pela Tiangong 2 em setembro do mesmo ano.[6] Segundo a Agência Espacial Européia (ESA) a estação deveria reentrar na atmosfera terrestre entre 18 de março e 12 de abril de 2018,[7] e como orbitava sem nenhum controle, não era possível saber exatamente quando e onde iria cair. Mas Wu Ping, vice-presidente do escritório de engenharia espacial chinês, disse que não havia motivo para alertas, pois o módulo espacial iria queimar completamente na atmosfera durante a sua queda.[8]

Finalmente, a Tiangong 1 entrou e queimou na atmosfera no dia 02 de Abril de 2018, às 00:16 GMT (01/04/18,21:16h no horário de Brasília). A maior parte dos pedaços caiu sobre o Oceano Pacífico Sul, próximo ao Tahiti, sem incidentes.[2][9][10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Spacecraft Tiangong-1 launch delayed». China Daily. 2 de setembro de 2011. Consultado em 14 de setembro de 2011. 
  2. a b «Tiangong-1 Reentry | The Aerospace Corporation». The Aerospace Corporation. Consultado em 4 de abril de 2018.. Cópia arquivada em 4 de abril de 2018 
  3. David, Leonard (11 de março de 2011). «China Details Ambitious Space Station Goals». SPACE.com. Consultado em 9 de março de 2011.. China is ready to carry out a multiphase construction program that leads to a large space station around 2020. As a prelude to building that facility, China is set to loft the Tiangong-1 module this year as a platform to help master key rendezvous and docking technologies. 
  4. «Estação espacial chinesa: A estação espacial independente da China - Terra». Consultado em 19 de setembro de 2016. 
  5. «Nave tripulada chinesa se acopla a laboratório espacial». 13 de junho de 2013. Consultado em 19 de setembro de 2016. 
  6. «China lança seu segundo laboratório espacial, o Tiangong-2». 15 de setembro de 2016. Consultado em 19 de setembro de 2016. 
  7. «Tiangong-1 reentry updates | Rocket Science». blogs.esa.int. Consultado em 26 de janeiro de 2018. 
  8. «Estação espacial chinesa está sem controle e deve cair na Terra | VEJA.com». Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  9. «Estação espacial chinesa entra na atmosfera e cai no oceano Pacífico». UOL. 1 de abril de 2016. Consultado em 2 de abril de 2016. 
  10. Wall, Mike (2 de abril de 2018). «Farewell, Tiangong-1: Chinese Space Station Meets Fiery Doom Over South Pacific». Space.com. Consultado em 2 de abril de 2018. 
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em francês, cujo título é «Tiangong 1».