Tithonia diversifolia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTithonia diversifolia
margaridão
margaridão
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Tribo: Heliantheae
Subtribo: Helianthinae
Gênero: Tithonia
Espécie: T. diversifolia
Nome binomial
Tithonia diversifolia
(Hemsl.) A. Gray
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tithonia diversifolia
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Tithonia diversifolia

Tithonia diversifolia, denominada popularmente de margaridão ou girassol mexicano, é uma erva da família Asteraceae (tribo Heliantheae) que ocorre da América Central até as índias ocidentais, tendo sido naturalizada nos trópicos. Também introduzida no Brasil, pode ser encontrada ao longo de rodovias e em terrenos baldios, sendo considerada planta invasora, podendo chegar até mais de 2m de altura.

O margaridão tem sido utilizado como planta medicinal em alguns países, incluindo o Brasil, evidenciando-se suas ações anti-inflamatória[1], antimalárica[2] e para o tratamento do diabetes[3], algumas delas comprovadas em estudos in vitro ou in vivo utilizando-se animais de laboratório. Embora esta planta possa ser promissora para um possível uso como fitoterápico, recentemente estudos toxicológicos em ratos revelaram que o uso oral e prolongado das folhas provocam lesões nos rins e no fígado[4].

Dentre os mais de 150 metabólitos secundários isolados de T. diversifolia destacam-se os flavonóides e as lactonas sesquiterpênicas. Estas últimas, em especial as tagitininas A, C e F, da classe dos heliangolidos, apresentam ações biológicas, incluindo anti-inflamatória[5], e propriedade fagoinibidora frente a larvas do lepidóptero Chlosyne lacinia[6], dentre outras.

O margaridão tem sido utilizado na agroécologia e em sistemas agroflorestais. Após ser podado e aplicado em hortas, o margaridão ajuda na obtenção de nitrogênio, potássio, cálcio e magnésio. Por ter abundância de flores, atrai muitas abelhas.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Owoyele, V.B.; Wuraola, C.O.; Soladoye, A.O.; Olaleye, S.B. Studies on the anti-inflammatory and analgesic properties of Tithonia diversifolia leaf extract. J. Ethnopharmacol. 90: 317-321, 2004.doi:10.1016/j.jep.2003.10.010
  2. Elufioye, T.O.; Agbedahunsi, J.M. Antimalarial activities of Tithonia diversifolia (Asteraceae) and Crossopteryx febrifuga (Rubiaceae) on mice in vivo. J. Ethnopharmacol. 93: 167-171, 2004. doi:10.1016/j.jep.2004.01.009
  3. Miura, T.; Nosaka, K.; Ishii, H.; Ishida T. Antidiabetic effect of nitobegiku, the herb Tithonia diversifolia, in KK-Ay diabetic mice. Biol. Pharm. Bull. 28: 2152-2154, 2005. doi:10.1248/bpb.28.2152
  4. Passoni, F.D.; Oliveira, R.B.; Chagas-Paula, D.A.; Gobbo-Neto, L.; Da Costa, F.B. J. Ethnopharmacol. 147: 389-394, 2013. doi:10.1016/j.jep.2013.03.024 doi:10.1016/j.jep.2013.03.024
  5. Rüngeler, P.; Lyss, G.; Castro, V.; Mora, G.; Pahl, H.L.; Merfort, I. Study of three sesquiterpene lactones from Tithonia diversifolia on their anti-inflammatory activity using the transcription factor NF-kappa B and enzymes of the arachidonic acid pathway as targets. Planta Medica 64: 588-593, 1998. doi: 10.1055/s-2006-957527
  6. Ambrósio, S.R.; Oki, Y.; Heleno, V.C.G.; Chaves, J.S.; Nascimento, P.G.B.D.; Lichston, J.E.; Constantino, M.G.; Varanda, E.M.; Da Costa, F.B. Constituents of glandular trichomes of Tithonia diversifolia: relationships to herbivory and antifeedant activity. Phytochemistry 69: 2052-2060, 2008. doi:10.1016/j.phytochem.2008.03.019
Ícone de esboço Este artigo sobre asteráceas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.