To a God Unknown

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Junho de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
To a God Unknown
A um Deus Desconhecido (PT)
Autor (es) John Steibeck
Idioma língua inglesa
País Estados Unidos Estados Unidos da América
Género Romance, romance de fantasia
Editora Robert O. Ballou
Lançamento 1933
Edição portuguesa
Tradução Manuel do Carmo, Samuel Soares
Editora Europa-América, Círculo de Leitores, Gleba, Livros do Brasil
ISBN ISBN 972-42-1201-7
Cronologia
Último
Último
The red pony
Tortilla Flat
Próximo
Próximo

To a God Unknown é um livro do escritor estadunidense John Steinbeck. Foi publicado em 1933. Em Portugal foi editado pelas edições "Livros do Brasil" com o título de "A um Deus Desconhecido". O título faz lembrar o episódio de quando São Paulo chegou a Atenas e se deparou com um altar ao deus desconhecido. No entanto Steinbeck inverteu a ordem e colocou em epígrafe um poema dos Vedas

Resumo[editar | editar código-fonte]

capitulo primeiro[editar | editar código-fonte]

O protagonista da narrativa, Joseph Wayne, deseja mudar-se para o Oeste. Pede ao seu pai, John Wayne (não confundir com o ator)para se mudar pra onde estão a distribuir terras gratuitamente.

John Wayne está relutante em conceder-lhe permissão. O pai tinha plane(j)ado que o seu filho se tornasse o chefe da família depois de morrer. Acaba por lhe dar a benção para ele (joseph) partir.

Quando chega a Primavera Joseph parte para a Califórnia.

Com o pai ficam os outros três irmãos de Joseph: Burton, Thomas e Benjamim.

capítulo segundo[editar | editar código-fonte]

Joseph Wayne parte e instala-se num vale da Califórnia Central, relativamente próximo do mar (uma cordilheira separa-o do mar).

Fascinado com o seu novo sítio une-se à terra fazendo amor com ela.

capítulo terceiro[editar | editar código-fonte]

Ao vale onde Joseph se instalou chegam os materiais de construção para fazer a casa.

Romas, um velho carroceiro, fala a Joseph da grande seca que assolou a região há uns anos. E conta para ele da grande festa que as pessoas fizeram quando a chuva terá regressado ao vale.

Juanito (um mestiço de indía com branco que alega ser descendente de castelhanos) conta para Willie um sonho que teve.

capítulo quarto[editar | editar código-fonte]

Joseph começa a construir a sua casa na proximidade do grande carvalho. Juanito chega com uma carta do seu irmão Burton relacionado com a morte do pai John Burton. A carta também menciona as estranhas coisas que o pai tinha dito.

Joseph reage sem tristeza alguma. E sente que alma do pai veio habitar o velho carvalho.

Joseph escreve uma carta aos irmãos convidando-os a virem viver com ele.

capítulo quinto[editar | editar código-fonte]

Os irmãos de Joseph (Burton, Thomas e Benjamim) chegam ao Vale de Nossa Senhora com as respectivas famílias.

capítulo sexto[editar | editar código-fonte]

Os irmãos instalam-se no vale e formam uma única comunidade. Joseph é o chefe, funcionando como patriarca, para essa comunidade.

Joseph interessa-se apenas pela fecundidade da terra e pela fecundidade dos animais. Tem um desejo que tudo floresça na sua nova terra. Burton censura-lhe o demasiado interesse que ele manifesta pela fecundação das vacas.

Joseph, Thomas e Juanito percorrem o vale a cavalo. Thomas fala dos anos da seca. Joseph explica-lhe o seu procedimento com o carvalho.

Os três homens vão dar à clareira dentro de um bosque de pinheiros. Thomas reage com medo do lugar. Joseph acalma-o. E explica-lhe que se trata de um lugar sagrado.

capítulo sétimo[editar | editar código-fonte]

No vale de Nossa Senhora (designado no livro em espanhol por Nuestra Senora) é colocada uma jovem professora chamada Elisabeth McGregor. Ela é culta e bonita chamando assim a atenção. Joseph, de uma maneira muito direta, até abrupta, vai visitá-la e pede-a em casamento. Ela pede tempo para pensar.

capítulo oitavo[editar | editar código-fonte]

Joseph faz uma segunda visita à nova professora, Elisabeth. Esta continua indecisa quanto ao pedido de casamento. Dão uma volta junto ao rio. Quando a jovem Elisabeth está prestes a ceder ouve-se a voz de Benjamin, bêbado, a cantar. Elisabeth vai para casa e fica a pensar em Benjamin. Fica com pensamentos contraditórios amor/ódio em relação a este. No entanto decide-se a casar com Joseph.

capítulo décimo primeiro[editar | editar código-fonte]