Toni Reis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Toni Reis (Coronel Vivida, 1964) é o diretor executivo da organização brasileira LGBTQIA+ chamada Grupo Dignidade. Também é o secretário de Educação da associação nacional Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT), da qual ele foi presidente e fundador, em 1995. É um membro do conselho internacional da Fundação Hirschfeld-Eddy.

Ele é professor e especialista em sexualidade humana e em dinâmica de grupo. Possui mestrado em filosofia na área de ética e sexualidade. Também o é o coordenador latino-Americano da Associação para a Saúde Integral e Cidadania na América Latina e no Caribe.

Trabalho[editar | editar código-fonte]

Em 1998, Toni Reis descreveu a situação em seu país: "1.600 homossexuais foram assassinados nos últimos dez anos. Destes, 350 travestis e 61 lésbicas."

Em 2006, ele falou ante o Congresso Nacional[1], onde afirmou que 250 homossexuais são assassinados no Brasil a cada ano.

Em 2007, ele se dirigiu às Nações Unidas para que sua organização recebesse o status de conselheira.[2]

Em novembro de 2021, anunciou sua pré-candidatura ao Senado pela Rede Sustentabilidade nas eleições de 2022. Reis disputará a representação do estado do Paraná.[3]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 2003, Toni Reis conseguiu que seu parceiro, que nasceu no Reino Unido, obtivesse um visto permanente de residência no Brasil. Isso se deu através de um caso judicial histórico para seu país.[4]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre LGBT é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.