Uanhenga Xitu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uanhenga Xitu
Data de nascimento 29 de agosto de 1924
Local de nascimento Ícolo e Bengo, Angola
Nacionalidade Angola Angolano
Data de morte 13 de fevereiro de 2014 (89 anos)
Local de morte Luanda, Angola
Ocupação Escritor
Magnum opus Bola com feitiço
Prémios Prêmio de Cultura e Artes 2006

Uanhenga Xitu é o nome Kinbundu de Agostinho André Mendes de Carvalho (Ícolo e Bengo, Angola, 29 de agosto de 1924 - Luanda, Angola, 13 de fevereiro de 2014) foi um escritor angolano. Nos últimos anos, tem sido objeto de estudos científicos e homenagens, e recebeu homenagens em território angolano e outros países.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Além da enfermagem, sua profissão formal, exerceu clandestinamente atividades políticas visando a independência de Angola, vindo a ser preso pela PIDE no seguimento da detenção no aeroporto de Luanda.

Foi julgado pelo Tribunal Militar e condenado a doze anos de prisão maior, medidas de segurança de seis meses a três anos prorrogáveis e perda de direitos políticos por quinze anos. Na prisão começou a escrever suas histórias. Em liberdade, manteve a sua actividade politica e depois de alcançada a independência de Angola, exerceu as funções de Ministro da Saúde, Comissário provincial de Luanda e Embaixador da República Popular de Angola na Alemanha. Foi deputado à Assembleia Nacional pelo MPLA, posteriormente vindo a ser "reformado" por motivos de idade não mais compatível ao exercício da função. Aos 89 anos Uaenhenga Xitu morre por motivo de doença

Os Livros[editar | editar código-fonte]

Eminente contador de ‘estórias’ populares, a narrativa de Uanhenga Xitu, está despida do rigor literário, pois a preocupação primária do autor é estabelecer uma ligação semiótica com o seu povo, que o estimula a escrever. A sua vivência na senzala transformou-o num homem solidário e interessado com as necessidades humanas. Numa entrevista, Uanhenga Xitu afirmou que "o que me preocupa é a situação social do povo". Em 2006 recebe a distinção do Prêmio de Cultura e Artes na categoria de literatura pela qualidade do conjunto da sua obra literária, causando-lhe uma enorme surpresa. Sendo assim, o homenageado e culto escritor angolano entrou na lista dos melhores autores da história literária Angolana.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Mestre Tamoda (1974)
  • Mestre Tamoda e Outros Contos (1977)
  • Manana (1978)
  • Maka na Sanzala (1979)
  • Vozes na Sanzala (Kahitu) (1980)
  • Os Sobreviventes da Máquina Colonial Depõem (1980)
  • Os Discursos do "Mestre" Tamoda (1984)
  • Bola com Feitiço (2008)