União Sionista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
União Sionista
המחנה הציוני
Líder Isaac Herzog, Tzipi Livni
Fundação 11 de dezembro de 2014
Espectro político Centro-esquerda[1]
Knesset
24 / 120
Cores Azul
Página oficial
hamahanehazioni.co.il/zionist/

União Sionista (em hebraico: המחנה הציוני, translit. HaMaḥane HaẒioni, lit. o Campo Sionista) é uma coligação política de centro-esquerda em Israel. Ela foi estabelecida em dezembro de 2014 pelo Partido Trabalhista e Hatnuah para criar uma lista eleitoral conjunta para as eleições para o XX Knesset, realizadas em 17 de março de 2015.

História[editar | editar código-fonte]

O Partido Trabalhista e o Hatnuah concordaram em 10 de dezembro de 2014 em formar uma candidatura conjunta.[2] Ela foi estabelecida para criar uma grande lista eleitoral para o bloco de centro-esquerda, na esperança de liderar o 34º governo israelense. A líder do Hatnuah, Tzipi Livni, afirmou que outros partidos também poderiam se juntar à coalizão.[3] Livni e o líder trabalhista Isaac Herzog inicialmente disseram que se a aliança ganhasse assentos suficientes para comandar o próximo governo, haveria um acordo para um revezamento no cargo de primeiro-ministro, com Herzog servindo pela primeira metade do mandato de quatro anos do Knesset e Livni pelos outros dois anos.[4] No entanto, Livni anunciou em 16 de março de 2015 que apenas Herzog exerceria o cargo.[5]

Manuel Trajtenberg, número 11 da lista, foi o candidato para o Ministério das Finanças. Amos Yaldin foi o candidato para o Ministério da Defesa, embora não tenha concorrido ao parlamento.[6] O Movimento Verde também foi representado na lista através de Yael Cohen Paran, em uma posição (nº 25) reservada para membros do Hatnuah.

Plataforma[editar | editar código-fonte]

As questões-chave da União Sionista são a solução de problemas econômicos, como a crise imobiliária e a desigualdade entre ricos e pobres, a retomada das negociações com os palestinos e a normalização das relações de Israel com os Estados Unidos, abaladas durante o governo do premiê Benjamin Netanyahu.[7]

Eleições legislativas de 2015[editar | editar código-fonte]

Lista de candidatos[editar | editar código-fonte]

Estes foram os trinta primeiros candidatos da União Sionista para a eleição de 2015.[8]

  1. Isaac Herzog
  2. Tzipi Livni
  3. Shelly Yachimovich
  4. Stav Shafir
  5. Itzik Shmuli
  6. Omer Bar-Lev
  7. Yehiel Bar
  8. Amir Peretz
  9. Merav Michaeli
  10. Eitan Cabel
  11. Manuel Trajtenberg
  12. Erel Margalit
  13. Mickey Rosenthal
  14. Revital Swid
  15. Daniel Atar
  16. Yoel Hasson
  17. Zouheir Bahloul
  18. Eitan Broshi
  19. Michal Biran
  20. Nachman Shai
  21. Ksenia Svetlova
  22. Ayelet Nahmias-Verbin
  23. Yosef Yonah
  24. Eyal Ben-Reuven
  25. Yael Cohen Paran
  26. Saleh Saad
  27. Leah Fadida
  28. Robert Tibayev
  29. Moshe Mizrahi
  30. Eldad Yaniv

Resultados[editar | editar código-fonte]

Após as eleições legislativas de Israel em 2015, a União Sionista emergiu como a segunda maior força política no Knesset, com 24 assentos. Ela triunfou em Tel Aviv e seus subúrbios, assim como em outras áreas liberais.[9][10] Seu sucesso aconteceu em áreas mais afluentes, vencendo em 28 das 33 mais ricas comunidades de Israel.[11]

Referências

  1. Aron Heller (29 de janeiro de 2015). «Israeli center-left alliance looks to unseat Netanyahu». Associated Press 
  2. «Labor, Livni agree to join forces ahead of elections». Haaretz. 10 de dezembro de 2014 
  3. «Two Israeli parties unite against Netanyahu». Al Jazeera English. 11 de dezembro de 2014 
  4. Alliance Adds Twist to Israeli Elections. The New York Times. 10 December 2014.
  5. Livni forgoes rotating premiership with Herzog. Times of Israel. 16 March 2015.
  6. «Former IDF intel chief joins Zionist Camp; Mofaz doesn't». Haaretz. 19 de janeiro de 2015 
  7. «Key facts about Israel and its election system». Associated Press. 17 de março de 2015 
  8. Candidates for Knesset Lists in English, Jeremy's Knesset Insider, January 31, 2015.
  9. Isabel Kershner (20 de março de 2015). «Abiding Rifts Within Israel Threaten to Widen With Netanyahu Win». New York Times 
  10. «Likud wins big across Israel, while Zionist Union makes massive gains on Gaza border». Ynetnews. 18 de março de 2015 
  11. Or Kashti (19 de março de 2015). «Netanyahu and Likud won by taking poorer Jewish towns, West Bank settlements». Haaretz 
Ícone de esboço Este artigo sobre Israel é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.