Véu de Verônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras representações do rosto de Jesus, veja Santa Face de Jesus.
La Veronica na Sagrada Família, em Barcelona.

Véu de Verônica ou Sudarium ("lenço para enxugar o suor" em latim), chamado geralmente apenas de "A Verônica" e conhecido na Itália como "Volto Santo" ("Santa Face"), é uma relíquia católica na forma de um pedaço de pano que, segundo a lenda, tem gravado em si a aparência de Jesus e que não foi produzido por mãos humanos (ou seja, um dos acheiropoieton). Várias imagens ainda existentes reivindicam ser a relíquia "original" (ou serem cópias primitivas), mas a evidente natureza lendária da história faz com que haja muito menos pessoas, mesmo entre católicos tradicionais, que defendem a autenticidade da relíquia de forma séria, principalmente quando se compara com a defesa do Sudário de Turim.

A forma final da lenda ocidental conta que Santa Verônica de Jerusalém encontrou Jesus quando ele vinha carregando a cruz pela Via Dolorosa em direção ao Calvário. Quando ela parou um instante para limpar-lhe o sangue e suor do rosto (sudor em latim) com seu véu, seu semblante teria ficado impresso no tecido. O evento é comemorado na sexta estação das estações da cruz. De acordo com algumas versões, Veronica teria depois viajado à Roma para presentear o véu ao imperador romano Tibério e, ainda segundo esses relatos, o véu teria diversos poderes milagrosos, como o de aliviar a sede, curar a cegueira e até mesmo o de ressuscitar os mortos.

Contudo, esta história só adquiriu seu formato atual na Idade Média e, por isso, é muito improvável que seja verdadeira. É mais provável que sua origem esteja relacionada com a história da imagem de Jesus na Igreja Ortodoxa, a da relíquia conhecida como "Mandylion" ou "Imagem de Edessa", somada a um desejo dos fieis de verem a face de seu salvador. No século XIV, o véu tornou-se um ícone central na Igreja Ocidental - nas palavras do historiador da arte Neil Macgregor: "Daí [século XIV] em diante, onde fosse a Igreja romana, a Verônica ia também".[1]

História[editar | editar código-fonte]

Não existem referências à história de Verônica e seu véu nos evangelhos canônicos e todo o relato deriva de séculos de tradição. A referência mais próxima é o milagre de Jesus curando a mulher com sangramento, no qual ela é curada ao tocar a barra do manto de Jesus (Lucas 8:43-48). A mulher foi posteriormente identificada como sendo Verônica pelo apócrifo "Atos de Pilatos". Depois, a história foi novamente aumentada no século XI pelo relato de que Jesus teria presenteado a mulher com um retrato de si mesmo num tecido, o mesmo que depois ela utilizaria para curar Tibério. A ligação da lenda com o carregamento da cruz durante a Paixão e a história do aparecimento milagroso da imagem no tecido foi obra da "Bíblia em Francês" de Roger d'Argentuil no século XIII[2] e esta versão tornou-se ainda mais popular depois da publicação da obra internacionalmente popular "Meditações sobre a Vida de Cristo" por volta de 1300 por um autor Pseudo-Boaventurano. Foi a partir daí que as representações artísticas da obra mudaram para incluir também a coroa de espinhos, sangue e a expressão de um homem em intenso sofrimento.[3] A imagem passou a ser bastante comum por toda a Europa católica, passando a integrar as Arma Christi; o encontro de Jesus e Verônica tornou-se uma das estações da cruz, presente em todas as igrejas católicas.

Na Via Dolorosa, em Jerusalém, há uma pequena capela conhecia como "Capela da Santa Face"[4] no local onde tradicionalmente se considera que estava a casa de Santa Verônica e onde o milagre teria ocorrido[5].

De acordo com a Enciclopédia Católica, o nome "Verônica" é um portmanteau popular da palavra latina "vera" ("verdadeira", como em Vera Cruz), e a grega "icon" ("imagem"); por isso, o Véu de Verônica era amplamente considerado durante a Idade Média como a "verdadeira imagem" e a representação mais fiel da face de Jesus, muito antes do Sudário de Turim.[6]

História do véu[editar | editar código-fonte]

Não há dúvida que uma imagem estava abrigada em Roma nos séculos XIII, XIV e XV conhecida e venerada como "Véu de Verônica". Porém, a história desta imagem é bastante problemática.

Geralmente se assume que a Verônica estava abrigada na antiga Basílica de São Pedro durante o papado de João VII (705-708), pois uma capela conhecida como "capela de Verônica" foi construída na época; autores posteriores também assumiam assim. Porém, não é possível ter certeza alguma disso, pois os mosaicos que decoravam a capela não fazem referência alguma à história de Verônica. Além disso, escritores contemporâneos não fazem referência à Verônica neste período. Porém, é provável que a relíquia estava ali por volta de 1011, quando um escriba foi identificado como sendo seu guardião.[7]

Porém, registros seguros sobre a Verônica só aparecem em 1199, quando dois peregrinos chamados Gerald de Barri (Giraldus Cambrensis) e Gervásio de Tilbury escreveram, em tempos diferentes, sobre suas visitas a Roma citando diretamente a relíquia. Logo depois, em 1207, o tecido ganhou importância depois de ser paradeado ao público pelo papa Inocêncio III, que também concedeu indulgências a quem rezasse diante dela. Esta procissão, entre a Basílica de São Pedro e o Hospital do Santo Spirito, tornou-se um evento anual e, num deles, em 1300 o papa Bonifácio VIII, que a transladou para a Basílica em 1297, teve a ideia de proclamar o primeiro Jubileu no mesmo ano. Durante o jubileu, a Verônica foi apresentada para os fieis e tornou-se uma das mirabilia urbis ("maravilhas da cidade") para os peregrinos que visitavam Roma. Pelos duzentos anos seguintes, a Verônica, abrigada em São Pedro, foi considerada a mais preciosa de todas as relíquias cristãs. Foi ali que Pedro Tafur, um visitante espanhol em 1436, escreveu:

Do lado direito está um pilar alto como uma pequena torre onde está depositada a santa Verônica. Quando ela precisa ser exibida, abre-se um buraco no telhado da igreja pelo qual uma arca ou berço de madeira com dois clérigos dentro é içado até ela; e, depois de descerem, a arca ou berço é puxado de volta e os dois, com a maior reverência, tiram a Verônica e a mostram para o povo, que lá se reuniu na data marcada. É frequente que os fieis corram risco de vida, pela quantidade e pela grande pressão que fazem
 
Pedro Tafur, Andanças e Viajes[8].

Depois do saque de Roma de 1527, alguns autores relatam que o véu teria sido destruído: Messer Unbano, escrevendo para a duquesa de Urbino, conta que a Verônica foi roubada e estava passando de mão em mão nas tavernas de Roma.[9] Porém, outros afirmam que ela teria continuado no Vaticano e uma testemunha do saque afirma que ela não foi encontrada pelos saqueadores.[10]

Muitos artistas da época criaram reproduções da Verônica, o que também sugere que ela teria sobrevivido ao saque. Mas, em 1616, o papa Paulo V proibiu a criação de novas cópias, exceto se fossem produzidas por clérigos da Basílica de São Pedro. Em 1629, o papa Urbano VIII não apenas proibiu as reproduções como também ordenou a destruição de todas as cópias existentes. Seu édito declarou que todos os que tinham cópias deveriam levá-las para o Vaticano sob pena de excomunhão.

Depois disso, a Verônica desapareceu completamente da vista dos fieis e sua história não foi preservada. Como não existem evidências conclusivas de que ela tenha deixado a Basílica de São Pedro, é provável que lá esteja até hoje, o que também é consistente com as poucas informações dadas pelo Vaticano nos séculos recentes.

Imagens tradicionalmente ligadas ao Véu de Verônica[editar | editar código-fonte]

Véu de Verônica

Há pelo menos seis imagens que, além da semelhança que têm entre si, alegam serem ou a Verônica original ou uma cópia primária dela (e não uma "cópia da cópia") ou, em dois casos, a Imagem de Edessa. Todas estão fechadas por elaboradas molduras e cobertas por lâminas metálicas banhadas a ouro, através da qual, por uma abertura, aparece a face.

Basílica de São Pedro[editar | editar código-fonte]

Na Basílica de São Pedro certamente está uma imagem que se alega ser a mesma reverenciada durante a Idade Média. Ela está abrigada numa capela atrás da sacada do pier sudoeste da cúpula.

Há pouquíssimos relatos de inspeções em tempos modernos e não existem fotografias detalhadas. A mais rigorosa inspeção no século XX ocorreu em 1907, quando o historiador da arte jesuíta Joseph Wilpert recebeu permissão para remover duas camadas de vidro para inspecionar a imagem. Ele comentou que viu apenas "um pedaço de um material levemente colorido, um pouco desbotado por causa da idade, com duas leves manchas de marrom-ferrugem ligadas entre si".[11]

Apesar disso, ela ainda é apresentada anualmente aos fieis durante o quinto domingo da Quaresma, o Domingo da Paixão. A benção ocorre depois das vespertinas tradicionais, às 5:00 da tarde, na qual uma curta procissão pela Basílica ocorre enquanto se recita a litania romana. Um sino toca e três canonico segura a pesada moldura na sacada acima da estátua de Santa Verônica.[12] Desta distância, nada se vê da imagem em si e apenas o contorno da moldura interna é visível.

Palácio Hofburg, Viena[editar | editar código-fonte]

Esta é uma importante cópia da Verônica, identificada pela assinatura de P. Strozzi no canto direito da moldura interior. Ele era o secretário do papa Paulo V e uma pessoa que o notário do Vaticano Jacopo Grimaldi relata ter feito uma série de seis cópias detalhadas do véu em 1617.[13]

O lado de fora da moldura é relativamente moderno enquanto que o interno é pouco trabalhado, correspondendo ao formato vazado das primeiras cópias. A face em si é pouco clara, correspondendo mais a uma série de manchas na qual apenas os mais primais elementos de um nariz, olhos e uma boca podem ser identificados. Esta falta de clareza é um forte argumento pela autenticidade da obra, pois claramente não houve tentativa alguma de melhorar a imagem artisticamente. Além disso, o fato de a cópia ter sido feita a partir da Verônica no Vaticano sugere que a relíquia de fato sobreviveu ao saque de 1527.

A cópia está abrigada no Schatzkamme dos Tesoureiros Sagrados e Seculares da dinastia Habsburgo no Palácio Hofburg de Viena, na Áustria.

Mosteiro da Santa Face, Alicante, Espanha[editar | editar código-fonte]

Esta relíquia foi adquirida pelo papa Nicolau V de parentes do imperador bizantino em 1453, durante a queda de Constantinopla. Ele foi cedido por um cardeal a um sacerdote espanhol, Mosen Pedro Mena, que o levou para Alicante, no sul da Espanha, onde ela chegou em 1489 durante uma prolongada seca. Carregada em procissão em 17 de março pelo padre Villafranca, uma lágrima rolou dos olhos da face de Cristo no véu e imediatamente começou a chover. A relíquia está hoje no Mosteiro da Santa Face (Monasterio de la Santa Faz), nos arredores de Alicante, e está abrigada numa capela construída em 1611 e decorada entre 1677 e 1680 pelo escultor José Vilanova, pelo dourador Pere Joan Valero e pelo pintor Juan Conchillos. A capela está decorada com pinturas representando o milagre da seca, personalidades locais ligadas à fundação da capela e temas religiosos sobre o Juízo Final e a Salvação. O mosteiro sofreu uma grande reforma entre 2003 e 2006 juntamente com a Catedral de São Nicolau e a Basílica de Santa Maria, no centro da cidade, a os três edifícios realizaram uma grande exibição em 2006 sobre a relíquia chamada "A Face da Eternidade".[14]

Catedral de Jaén, Espanha[editar | editar código-fonte]

A Catedral de Jaén abriga uma cópia da Verônica originária de Siena e que data provavelmente do século XIV. Ela é mantida num santuário no altar-mor e é exibida anualmente aos fieis na Sexta-Feira Santa e na Festa da Assunção. Conhecida como "Santo Rostro", foi adquirida pelo bispo Nicolau de Biedma no século XIV.[15]

Imagens similares[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Santa Face de Jesus e Acheiropoieta

Santa Face de Gênova[editar | editar código-fonte]

Mantida na modesta Igreja de São Bartolomeu dos Armênios, em Gênova, ela foi presenteada no século XIV ao doge Leonardo Montaldo pelo imperador bizantino João V Paleólogo.

A imagem foi estudada em detalhes em 1969 por Colette Dufour Bozzo, que datou a moldura exterior no século XIV;[16] a moldura interior e a imagem em si, ela acredita que sejam anteriores. Bozzo descobriu ainda que a imagem foi impressa num tecido que havia sido colado numa prancha de madeira.[17] A semelhança com a Verônica sugere que as duas tradições devem ter alguma ligação entre si.

Santa Face de San Silvestro[editar | editar código-fonte]

Esta imagem estava abrigada na igreja romana de San Silvestro até 1870 e está hoje na "Capela Matilda" no Vaticano. Ela está dentro de uma moldura barroca doada por uma tal irmã Dionora Chiarucci em 1623.[18] A mais antiga evidência sobre sua existência é de 1517, quando as freiras foram proibidas de exibirem-na para evitar a competição com a Verônica. Assim como a imagem de Gênova, ela foi pintada numa prancha de madeira e, portanto, trata-se de uma cópia.

Imagem de Manoppello[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Imagem de Manoppello

Em 1999, o jesuíta alemão Heinnrich Pfeiffer, professor de História da Arte na Universidade Pontifícia Gregoriana,[19] anunciou, numa coletiva de imprensa em Roma, ter encontrado o Véu de Verônica numa igreja de um mosteiro capuchinho na pequena vila de Manoppello, onde ele estaria desde 1660. É fato, porém que Pfeiffer já vinha defendendo a autenticidade desta imagem antes disso.[20] De acordo com a tradição local, um peregrino anônimo chegou à cidade em 1508 com o tecido embrulhado num pacote e o deu ao doutor Giacomo Antonio Leonelli, que estava sentado num banco em frente à igreja. O doutor entrou na igreja e abriu o pacote e imediatamente saiu em busca do peregrino, mas não o encotrou. O véu esteve entre as posses da família Leonelli até 1608 quando Pacrazio Petrucci, um soldado casado com uma das filhas da família, Marzia Leonelli, roubou-o da casa de seu sogro. Alguns anos depois, Marzia vendeu-o por 400 scudi ao doutor Donato Antonio De Fabrtiis para arrecadar fundos para pagar o resgate de seu marido preso em Chieti. O véu foi então presenteado pelos De Fabritiis aos capuchinhos, seus atuais proprietários. Esta história foi documentada pelo padre Donato de Boma em sua "Relatione Historica" depois de suas pesquisas iniciadas em 1640.

Representações na arte[editar | editar código-fonte]

Há duas tradições principais para a iconografia da face representada no Véu de Verônica. Uma (Tipo I), comum na arte italiana, mostra a face de Cristo barbada, sofrendo, cheia de feridas e provavelmente coroada com espinhos. Outra (Tipo II), comum na arte da Espanha e da Rússia, mostra a face de Cristo geralmente em repouso com o cabelo à altura dos ombros e uma barba bifurcada, geralmente rodeado por um halo cortado por uma cruz.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ”Seeing Salvation” Images of Christ in Art, Neil MacGregor, ISBN 0-563-55111-9.
  2. G Schiller, Iconography of Christian Art, Vol. II,1972 (English trans from German), Lund Humphries, London, pp. 78–9, ISBN 853313245
  3. G Schiller, op. & page cit
  4. The Via Dolorosa - Jerusalem, Israel
  5. אתרים- קבצים
  6. Wikisource-logo.svg "St. Veronica" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  7. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 175
  8. Pedro Tafur, Andanças e viajes.
  9. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 112
  10. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 113
  11. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 63
  12. Photograph
  13. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 157
  14. Visitor's Guide to the Exposición La Luz de las Imagenes - La Faz de la Eternidad, Alicante 2006.
  15. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 94
  16. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 162
  17. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 88
  18. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 193
  19. http://holyfaceofmanoppello.blogspot.com/2008/05/fr-heinrich-pfeiffer-sj-teaches-about.html Excerpt of Il Volto Santo di Manoppello (The Holy Face of Manoppello), published by Carsa Edizioni in Pescara (page 13) access date March 2013
  20. Ian Wilson, Holy Faces, Secret Places, page 161

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Véu de Verônica


Ligações externas[editar | editar código-fonte]