Vale da Eletrônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Vale da Eletrônica é um emblema criado para promover a indústria eletroeletrônica existente na cidade de Santa Rita do Sapucaí, localizada no Sul de Minas Gerais. O termo faz referência ao Vale do Silício e foi usado inicialmente pelo poder público local em 1985[1] , com o intuito de incentivar as empresas existentes e promover a criação de novas empresas do setor. Atualmente, o Vale da Eletrônica integra o Arranjo produtivo local (APL) de Eletroeletrônica de Santa Rita do Sapucaí, que tem este município como cidade-polo, mas também compreende os municípios de Itajubá, Pouso Alegre e Varginha.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Até a Década de 1950 do Século XX, a economia do município de Santa Rita do Sapucaí era basicamente agrário-pastoril.[3] A participação agropecuária na economia do município começou a perder força ao final dessa década após investimentos em educação técnica voltado para o mercado eletroeletrônico.

Em 1958, foi criada a primeira Escola Técnica em Eletrônica da América Latina e a sétima do mundo.[4] A instituição, denominada Escola Técnica em Eletrônica Francisco Moreira da Costa (ETE), foi criada por iniciativa de Luzia Rennó Moreira, mais conhecida como Sinhá Moreira, com o objetivo de proporcionar a formação e capacitação de mão-de-obra especializada, capaz de suprir a demanda do mercado de produtos eletroeletrônicos em expansão.[3] A ETE é mantida pela Fundação Dona Mindoca Rennó Moreira, uma fundação privada, sem fins lucrativos que tem como objetivos prestar assistência social a estudantes carentes de recursos, manter obras educacionais ou assistenciais e desenvolver e promover projetos e ações de responsabilidade social para a comunidade local e estudantil nas áreas de esporte, cultura, lazer, turismo educacional e científico/tecnológico.[4]

Posteriormente, foi fundado no município o Instituto Nacional de Telecomunicações (INATEL) em 1965, voltado à pesquisa e ensino de graduação e pós-graduação em Engenharia Elétrica e Telecomunicações. Esta instituição foi responsável por motivar algumas experiências informais de incubação de empresas entre as décadas de 1970 e 1980 em Santa Rita, estimulando a especialização nos setores de eletrônica e telecomunicações.

Em 1971, foi fundado o FAI – Centro de Ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação, outra instituição de ensino superior que contribui para o APL.[5] A instituição foi a primeira a oferecer curso de Administração no Sul de Minas.[6]

Em 1984, foi fundada de maneira informal a Associação Industrial de Santa Rita do Sapucaí. A associação foi uma resposta rápida e necessária aos novos rumos da economia na cidade. Apoiada pela Prefeitura de Santa Rita do Sapucaí e pela Federação das Indústrias de Minas Gerais – FIEMG, a Associação Industrial de Santa Rita do Sapucaí foi criada, oficialmente, em 7 de março de 1986.[7]

Em 1985, o poder público municipal, juntamente com algumas lideranças locais, criou o emblema “Vale da Eletrônica” (em referência ao Vale do Sicílio, região próspera especializada em Eletrônica e Tecnologia da Informação e Comunicação, na Califórnia, EUA). O intuito era o de incentivar as empresas existentes e estimular a criação de novas empresas através de políticas direcionadas, em especial os programas de incubação.[8]

O Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica – SINDVEL – foi criado em 1986 para coordenar, proteger e representar legalmente as indústrias do setor, com a missão de defender os interesses de seus associados, estimulando a melhoria contínua e a capacitação humana e tecnológica das empresas. O Sindicato é filiado à Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – FIEMG.[9]

Em 1992, foi fundada oficialmente a Incubadora de Empresas do INATEL,[1] e em 1999, foi fundada a Incubadora Municipal de Empresas Sinhá Moreira”.[1] Ambas as incubadoras abrigam empreendimentos nascentes e inovadores, dando suporte gerencial e empresarial, treinamentos e capacitando-os para a autonomia administrativa.[10][11]

Em 2002, foi inaugurada a unidade do SESI/SENAI Centro de Desenvimento Tecnológico e Social do Vale da Eletrônica Stefan Bogdan Salej. A instituição atua como fomentadora de educação e inovação para o setor industrial.[12] Com o apoio do IEL, e SEBRAE, o SESI/SENAI trabalha para viabilizar o desenvolvimento tecnológico e empresarial, bem como o desenvolvimento social da região.

Ainda no ano de 2002, foi criada a Associação das Empresas Exportadoras do Vale da Eletrônica – AVALEX Electronics. Essa associação intensificou as atividades exportadoras das empresas do APL.[13]

APL Eletroeletrônicos do Sul de Minas[editar | editar código-fonte]

Segundo dissertação de mestrado O cluster como vantagem competitiva das empresas eletroeletrônicas de Santa Rita do Sapucaí – MG – Brasil, de autoria da professora Rosa Stela Ribeiro de Lorena, o APL Eletroeletrônicos do Sul de Minas, é um cluster industrial completo, por reunir dezoito vantagens competitivas, entre elas, a proximidade com as instituições de ensino e pesquisa; as ações realizadas pelo Sindvel, a existência de indústria correlatas e de apoio próximas, que compõem a cadeia produtiva; o acesso fácil á mão de obra com conhecimentos técnicos especializados e a fornecedores de produtos e serviços necessários à operação; a interação entre as empresas, as instituições de ensino e os órgãos públicos; e a atuação das incubadoras de empresas são consideradas as vantagens competitivas mais importantes do APL.[14]

De acordo com o Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (SINDVEL), As 150 empresas que constituem o Arranjo Produtivo Eletroeletrônico (APL) empregam cerca de 10.000 pessoas e têm como característica comum a busca constante pela inovação e o pioneirismo no desenvolvimento dos mais de 13.700 mil itens que fabricam. Seus produtos estão voltados principalmente para os setores de: Eletroeletrônico, Telecomunicações, Segurança, Eletrônica, Informática, Produtos para Radiodifusão, Automação Industrial, Predial e Comercial, Tecnologia da Informação, Eletromédico, Insumos e Prestação de Serviços.[15]

Iniciativa Privada[editar | editar código-fonte]

Junto com instituições governamentais e não-governamentais, a iniciativa privada foi fundamental para o desenvolvimento do setor eletroeletrônico da região. As principais empresas instaladas em Santa Rita do Sapucaí que se destacam em exportação e importação de produtos microeletrônicos, apoiadas pelo Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (INDI), estão listadas a seguir:[16][17]

  • Hitachi Kokusai Linear,[18]
  • Clarion do Brasil Ltda.,[19]
  • Dl Comércio e Industria de Produtos Eletrônicos Ltda.,[20]
  • Fenix Indústria de Eletrônicos Ltda.,[21]
  • LC Indústria Eletrônica Ltda.,[22]
  • BRtoken Indústria e Comércio de Produtos Eletrônicos Ltda., [23]
  • Leucotron Equipamentos Ltda..[24]


Referências

  1. a b c Portal do APL, Estudo de Caso: Arranjo produtivo local de eletreletrônicos de Santa Rita do Sapucaí (MG) - caracterização e dinâmica recente, Consultado em 12 de julho de 2016
  2. 2. Plano de Desenvolvimento do Arranjo Produtivo Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí, Consultado em 12 de julho de 2016.
  3. a b «A evolução e dinâmica do Arranjo Produtivo Local de Eletroletrônicos de Santa Rita do Sapucaí nos anos 2000» (PDF). Botelho et al., Fundação João Pinheiro. 12 de julho de 2016 
  4. a b ETE FMC, Consultado em 12 de junho de 2016.
  5. CRUZ 2011, ESCOLA TÉCNICA DE SANTA RITA DO SAPUCAÍ: formação do jovem para o mercado de trabalho e o desenvolvimento regional, p 159, Consultado em 12 de julho de 2016.
  6. FAI, Consultado em 15 de julho de 2016.
  7. SINDVEL - Associação Industrial, Consultado em 14/07/2016.
  8. Observatório Brasileiro de APL, Estudo de Caso Arranjo produtivo local de eletreletrônicos de Santa Rita do Sapucaí(MG) - caracterização e dinâmica recente, p 2, ABDI 2013
  9. SINDVEL, Consultado em 12 de julho de 2016.
  10. Incubadora do INATEL, Consultado em 14 de julho de 2016.
  11. PROINTEC, Consultado em 14 de julho de 2016.
  12. SINDVEL - O Vale da Eletrônica, Consultado em 12 de julho de 2016
  13. Portal do APL, Estudo de Caso: Arranjo produtivo local de eletreletrônicos de Santa Rita do Sapucaí (MG) - caracterização e dinâmica recente, P 10, Consultado em 12 de julho de 2016.
  14. SINDVEL, APL Eletroeletrônico Santa Rita do Sapucaí é um ‘cluster’ completo, revela estudO. Consultado em 12 de julho de 2016.
  15. SINDVEL - APL Eletroeletronico, Consultado em 15 de julho de 2016.
  16. 37.pdf Microeletrônica, p.3, il., 10/1985, Consultado em 15 de julho de 2016.
  17. Rodrigues 2010, A efetividade dos instrumentos de financiamento público da FINEP no desenvolvimento do APL eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí, p 108, Consultado em 15 de julho de 2016.
  18. Diário do Executivo - Minas Gerais, 30 de dezembro de 2014, Caderno 1, p. 114, Consultado em 15 de julho de 2016
  19. Diário do Executivo - Minas Gerais, 24 de janeiro de 2013, Caderno 1, p. 45, Consultado em 15 de julho de 2016
  20. Diário do Executivo - Minas Gerais, 12 de janeiro de 2010, Caderno 1, p. 154, Consultado em 15 de julho de 2016
  21. Diário do Executivo - Minas Gerais, 11 de agosto de 2010, Caderno 1, p. 115, Consultado em 15 de julho de 2016
  22. Diário do Executivo - Minas Gerais, 5 de janeiro de 2010, Caderno 1, p. 84, Consultado em 15 de julho de 2016
  23. Diário do Executivo - Minas Gerais, 21 de novembro de 2012, Caderno 1, p. 60, Consultado em 15 de julho de 2016
  24. Diário do Executivo - Minas Gerais Edição de de 12/01/2010, página 154, Consultado em 13 de julho 2016.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]