Vigília pascal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Vigília Pascal)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde janeiro de 2012).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Diácono canta o canto Exsultet.

A Vigília de Páscoa, também chamado de Vigília Pascal ou a Grande Vigília, é a celebração mais importante do calendário litúrgico cristão, por ser a primeira celebração oficial da Ressurreição de Jesus. Historicamente, é durante essa celebração que as pessoas (especialmente adultos) são batizados e adultos catecúmenos são recebidos em plena comunhão com a Igreja. É realizada nas horas de escuridão entre pôr-do-sol no Sábado Santo e o amanhecer da Páscoa. É marcada pela primeira entoação desde o início da Quaresma do Glória e do Aleluia, uma característica litúrgica do Tempo Pascal. Do mesmo modo na Ortodoxia Oriental, a Divina Liturgia, que é celebrada durante a Vigília de Páscoa é a mais importante e elaborada do ano eclesiástico.

Na Igreja Católica Apostólica Romana[editar | editar código-fonte]

Na tradição Católica romana, a Vigília Pascal consiste de quatro partes:
1) Liturgia da Luz (Lucernário)
2) Liturgia da Palavra ou Celebração da Palavra
3) Liturgia Batismal ou Celebração da Água
4) Liturgia Eucarística ou Celebração da Eucaristia

A vigília começa após o pôr-do-sol no Sábado Santo fora da igreja, onde o fogo ou fogueira é abençoada pelo celebrante. Este novo fogo simboliza o esplendor do Cristo ressuscitado dissipando as trevas do pecado e da morte. O Círio pascal ou (vela pascal) é abençoado com um rito muito antigo. Esta vela pascal será usada em todo o Tempo Pascal, permanecendo no santuário da igreja, e durante todo o ano em batismos, Crismas e funerais, lembrando a todos que Cristo é a "luz do mundo". Assim que a vela for acesa segue o antigo rito do Lucernário, em que a vela é carregada por um sacerdote ou diácono através da nave da igreja, em completa escuridão, parando três vezes e cantando a aclamação: "Lumen Christi" ou Luz de Cristo (em português), ao qual a assembleia responde "Deo Gratias" (Graças a Deus). A vela prossegue através da igreja, e os presentes portam velas que são acesas no Círio pascal. Como este gesto simbólico representa a "Luz de Cristo" se espalhando por todos, a escuridão é diminuída. Assim que a vela foi colocada num lugar dignamente preparado no santuário, ela é incensada pelo diácono, que entoa solenemente o canto Exsultet, de tradição milenar. Ele é conhecido também como Proclamação da Páscoa, ou Pregão Pascal. Nele, a Igreja pede que as forças do céu exultem a vitória de Cristo sobre a morte, passando pela libertação do Egito e até mesmo agradecendo a Adão pelo seu pecado "indispensável", pois as consequências de tal pecado foram o motivo da vinda de Cristo.

Precônio Pascal[editar | editar código-fonte]

É o texto da Proclamação da Páscoa, proferido pelo Celebrante ou Diácono (ou por um seminarista) durante a liturgia da Luz em forma de cântico. Eis o texto:

Ao findar do canto. apagam-se as velas e inicia-se a Liturgia da Palavra. A Liturgia da Palavra é composta de sete leituras do Antigo Testamento, que são como um resumo de toda a História da Salvação. Cada leitura é seguida por um salmo e uma oração relativa a aquilo que foi lido. Depois de concluir estas leituras, é entoado solenemente o Gloria in excelsis Deo (Glória a Deus nas alturas). Os sinos, sinetas e campainhas da igreja devem ser tocados. É a primeira vez que se entoa o "Glória" desde a Quarta-feira de Cinzas, com exceção da Quinta-feira Santa. (No pré-rito Vaticano II, as imagens, que foram cobertas, são revelados neste momento). Uma leitura da epístola aos Romanos é lida, e se segue o canto do Salmo 118. O Aleluia então é cantado pelo celebrante, também de forma muito solene, pois também não é cantado desde o início da Quaresma. Após a celebração da Liturgia da Palavra,se entoa a ladainha de todos os santos, em seguida a água da pia baptismal é solenemente abençoada e quaisquer catecúmenos e candidatos à plena comunhão são iniciados na Igreja, pelo batismo ou confirmação. Após a celebração destes sacramentos da iniciação, a congregação renova os seus votos batismais e recebem a aspersão da água batismal. A oração dos fiéis (do qual os recém-batizados são agora uma parte) se seguem. Depois da oração, a Liturgia Eucarística continua como de costume, sendo tradição a utilização da Oração Eucarística I, ou Cânon Romano, a mais solene de todas. Esta é a primeira missa do dia da Páscoa. Durante a Eucaristia, o recém-batizados adultos recebem a Sagrada Comunhão pela primeira vez, podendo ou não serem crismados também. De acordo com as rubricas do Missal, a Eucaristia deve terminar antes do amanhecer.

Igrejas católicas orientais[editar | editar código-fonte]

A Páscoa na Igreja Ortodoxa e nas Igrejas orientais é referida como Pascha. Note que na tradição bizantina, o que corresponde estruturalmente a Vigília pascal da Igreja latina é a Vesperal Liturgia do Sábado Santo, comemorada no sábado de manhã (como foi a Vigília na Igreja Católica Romana até 1955). Esta é a celebração que inclui as longas séries de leituras do Antigo Testamento e os ritos do Batismo, como no Ocidente. Embora a Igreja Católica Romana pratique atualmente a celebração da Vigília pascal durante a noite. A Vesperal Liturgia reconta a angustiante do inferno, foi o momento, de acordo com a teologia Ortodoxa, que os justos mortos foram autorizados a deixar Lúcifer e a entrar no Paraíso. A boa nova de Jesus Cristo, do triunfo sobre a morte, a Igreja ensina, foi somente nessa altura revelada a partida. A revelação ocorreu quando foi descoberto o seu túmulo vazio "muito cedo de manhã, no primeiro dia da semana" (Mc 16:2). A Vigília Pascal é o recontamento da descoberta do túmulo vazio. Por esta razão, embora tecnicamente a festa de Pascha começa na Vesperal Liturgia, a saudação pascal não é trocada.

Bênção da Páscoa em Igreja Católica de Lvov.

A ordem da Vigília Pascal para os ortodoxos e orientais é a seguinte (com algumas pequenas variações locais):

  • 1) O ofício da meia-noite é celebrado no Sábado Santo pouco antes da meia-noite. Na sua conclusão, todas as luzes da igreja são extintas, exceto a sobre o Santo altar, e todos esperam em silêncio na escuridão.
  • 2) No golpe da meia-noite, o padre vai com o turíbulo ao redor do Santo Altar, e acende sua vela chama da vela do altar. Então, todo o clero e as pessoas saem da igreja e vão em procissão cantando um hino da ressurreição: "Tua ressurreição, ó Cristo, nosso salvador, os anjos no céu cantam; permiti-nos sobre a terra Ti glorificar com Pureza de coração." Durante a procissão os sinos tocam incessantemente. Esta procissão reconta a jornada ao Túmulo de Cristo.
  • 3) Antes na frente da porta da igreja, o chefe celebrante dá a bênção para o inicio a matins. O clero, seguido pelo povo, cantam, a saudação pascal "Cristo ressuscitou!", "Verdadeiramente Ele ressuscitou!", é tocada pela primeira vez. Então, todos entram na igreja cantando.
  • 4) O resto da Matins é celebrada de acordo com especial pascal rubricas. Tudo que a celebração se destina é ser exultante e cheia de luz. Nada é lido, mas tudo é cantado. Durante a celebração, o sacerdote icensa a Igreja.
  • 5) As Horas pascais são cantadas. Estas são completamente diferentes do que em qualquer outra altura do ano.
  • 6) A Divina Liturgia de São João Crisóstomo é celebrada como de costume, mas com características especiais que são únicos para a época pascal. No final da celebração, o sacerdote abençoa o Artos, uma grande fatia de pão, que representa a ressureição de Cristo. Em seguida, fixado ao lado do ícone da Ressurreição e é venerado pelos fiéis em todo Santa Semana. As velas acesas à meia-noite são detidas pelas pessoas ao longo de todo a celebração, tal como é feita pelos recém-batizados. Durante a Vigília, normalmente perto do final da Matins, a pascal Homilia de São João Crisóstomo é proclamada. Na sequência da emissão da Divina Liturgia, ovos abençoados que foram tingidos de vermelho são normalmente distribuídos à população para a quebra do Grande jejum da Quaresma, e cestas de alimentos para a festa que se segue são abençoados com água benta. A celebração geralmente termina em torno de 4:00 da manhã. Mas no domingo tarde há um especial, Vésperas pascais, em que o Evangelho é cantado em muitas línguas.

A semana que começa no domingo de Pascha é chamada Feliz Semana ou Semana iluminada, e são considerados contínuos dias. As Santas Portas dos Iconóstase são deixadas em aberto a semana, sendo fechada apenas no final da Nona Hora do sábado.

Referências