Wilson Bueno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wilson Bueno
Nascimento 13 de março de 1949
Jaguapitã, PR
Morte 31 de maio de 2010 (61 anos)
Curitiba, PR
Nacionalidade Brasil Brazileiro
Ocupação Escritor, cronista e poeta
Prémios Prémio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (2007, 2011)
Magnum opus Mano, a Noite Está Velha

Wilson Bueno (Jaguapitã, 13 de março de 1949 - Curitiba, 31 de maio de 2010) foi escritor, cronista e poeta paranaense. Nasceu em Jaguapitã e ainda criança se mudou para Curitiba, onde descobriu a sua vocação literária. Ao longo de sua vida construiu duas obras: a sua literatura - reconhecida como uma das mais interessantes e importantes entre os escritores brasileiros dos últimos 40 anos, que lhe rendeu 16 livros - e o jornalismo - como editor de O Nicolau e colaborador em vários jornais conceituados do país. Faleceu no dia 30 de maio de 2010, na cidade de Curitiba, onde vivia desde a década de 1970.

Carreira[editar | editar código-fonte]

No jornalismo, sua atuação marcante foi a de editor de O Nicolau, um jornal literário publicado mensalmente pelo governo do Estado do Paraná. Depois de O Nicolau, Bueno passou a dedicar-se à literatura em tempo integral, e a sua coluna dominical em O Estado do Paraná.

Na literatura, foi apresentado aos leitores brasileiros em 1986, pelo poeta curitibano Paulo Leminski, com a publicação da coletânea de contos Bolero’s Bar. Em 1991, escreveu o Manual da Zoofilia, textos que refletem a mitopoética do amor erótico humano. A obra responsável pela sua projeção e reconhecimento nacional - e internacional - foi a novela Mar paraguayo, publicado em 1992, na qual ele introduz uma narrativa recheada de expressões em português, espanhol e guarani. Foi a publicação que fez o melhor percurso internacional entre as quais Bueno escreveu.

Em 2000 ganhou a Bolsa Vitae de Literatura, a mais expressiva bolsa literária brasileira, com o romance Amar-te a ti nem sei se com carícias, também finalista do Prêmio Zaffari e Bourboun de melhor romance publicado em língua portuguesa no biênio 2003/2004. O mesmo também foi adotado como leitura obrigatória do Vestibular Unificado/2005, da UFMS. Em 2006, o livro Cachorros do céu foi finalista no Prêmio Portugal Telecom de Literatura, um dos mais importantes do setor. A obra Meu Tio Roseno a Cavalo, foi finalista no Prêmio Jabuti de Literatura em 2001.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Bolero's Bar (1986)
  • Manual de Zoofilia (1991)
  • Ojos de água (1992)
  • Mar Paraguayo (1992)
  • Cristal (1995)
  • Pequeno tratado de brinquedos (1996)
  • Medusario- mostra de poesia latinoamericana (1996)
  • Jardim zoológico (1999)
  • Meu Tio Roseno, a cavalo (2000).
  • Once poetas brasilenõs (de 2004)
  • Amar-te a ti nem sei se com carícias (2004)
  • Cachorros do céu (2005)
  • Diário Vagau (2007)
  • Pincel de Kyoto (2007)
  • Canoa Canoa (2007)
  • A Copista Kafka (2007)

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

O currículo de Bueno começa aos 14 anos no Diário Popular, aos 16 anos foi contratado pela Gazeta do Povo após apresentar um conto a Dr. Francisco. Mesmo após ter se mudado para o Rio de Janeiro aos 18 anos, continuou mandando suas cronicas para o jornal. Foi para a Rádio Globo, e aos 23 anos já era chefe da redação. Trabalhou também nas rádios Tupi, Tamoio, Nacional e foi parar no O Globo. Fundou o suplemento da Tribuna da Imprensa sob o horror Médici, sendo o único espaço em jornal de circulação diária para o grito contra a ditadura.

Na volta a Curitiba, monta com o Reynaldo Jardim, o jornal Curitiba Shopping e editou sozinho do 3º ao 79º número. Depois começou a fazer matérias de capa da revista Atenção. Quando José Richa foi eleito governador, se tornou assessor de imprensa do Teatro Guaíra. Algum tempo depois, é convidado por Sergio Charperlain para trabalhar no SBT e se muda novamente para o Rio de Janeiro. O quadro que era seu encargo era "Essa é a sua vida". Mas quando Charperlain voltou para a Rede Globo, Bueno voltou a Curitiba.

Depois disso, trabalhou no Jornal do Brasil, na revista Idéias, foi cronista dominical do jornal O Estado do Paraná, colaborador regular do cadeno cultura do jornal O Estado de S. Paulo e na internet fazia uma colaboração com a revista Trópico, do site UOL.

O Nicolau[editar | editar código-fonte]

O Nicolau surgiu em 1987. a ideia foi do jornalista Aramis Millarch e teve o aval do então secretário de cultura, René Dotti. Os dois concordaram em chamar Wilson Bueno para liderar o projeto. Nos 8 anos de existência , o jornal conseguiu quatro prêmios nacionais e um internacional. Bom conteúdo, custo barato e prestigiado a ponto de ser o melhor jornal de cultura do Brasil, era um jornal que trazia conteúdo inovador, acontecimentos no Brasil e traduzia coisas que acontecia, além de boas entrevistas.

O primeiro prêmio do O Nicolau veio no ano de criação do jornal. A Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) considerou-o melhor tabloide cultural de 1987. Em 1989, Wilson Bueno recebeu da União Brasileira dos Escritores o prêmio de Personalidade Cultural Brasileira. Um prêmio, segundo Bueno, concedido graças ao seu trabalho no O Nicolau. A APCA voltou a premiar o jornal, considerando-o o melhor veículo do gênero na década de 80. O presidente da APCA, Henrique Alves escreveu na ocasião, o artigo: "A Década do Nicolau". Outro prêmio de Wilson Bueno foi o troféu Parahyba, um dos mais importantes e tradicionais do nordeste. O reconhecimento internacional veio em 1994, com o prêmio IWA, concedido pela International Writers Association, como melhor jornal cultural do Brasil. O júri que escolheu O Nicolau era composto por intelectuais de diversos países.

O estranho desativamento do jornal em 1994 foi uma grande perda para a cultura paranaense e nacional, pois era formado por uma equipe pequena e possuíam papel e dinheiro para postagem fornecidos pelo governo estadual. O jornal gastava pouco e agradava muitos.

Referências

  • Wilson Bueno em Germina.
  • Bueno foi uma das vozes mais influentes do Paraná.
  • ENTRE A CRUZ E A ESPADA - Folha de Londrina, Folha 2, 30/03/1995
  • "NÃO ME CONCEBO SEM ESCREVER" - Estado do Paraná, Almanaque página 16, 02/06/2010
  • WILSON BUENO SELECIONADO PELA VITAE - O Estado do Paraná, Almanaque página 19, 02/02/2001
  • LITERATURA REFINADA - O Estado do Paraná, Almanaque página 1, 19/10/2008
  • PRÊMIOS AO TALENTO - Correio de Notícias, 14/08/1988
  • WILSON BEUNO JUNTA-SE A GIGANTES DA LITERATURA - O Estado do Paraná, Almanaque página 20, 07/04/2005
  • LITERATURA DE PRIMEIRA GRANDEZA - Folha de Londrina, Folha 2, 06/09/2006

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.