Xunantunich

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
El Castillo, Xunantunich (parte do friso visível à esquerda)
Vista de Xunantunich

Xunantunich é um sítio arqueológico maia antigo no oeste de Belize, a cerca de 110 km a oeste da cidade de Belize, no distrito de Cayo. Xunantunich está localizado no topo de uma cordilheira acima do rio Mopan, bem à vista da fronteira da Guatemala - que fica a apenas 1 km a oeste.[1] Serviu como um centro cerimonial cívico maia nos períodos Clássico tardio e terminal para a região do Vale do Belize.[2] Nessa época, quando a região estava no auge, quase 200.000 pessoas viviam em Belize.[3]

As primeiras explorações modernas do local foram conduzidas por Thomas Gann em meados da década de 1890. Gann se mudou da Grã-Bretanha e serviu como cirurgião distrital e comissário distrital de Cayo, Honduras Britânicas, a partir de 1892. Ele escolheu essa área para se estabelecer porque tinha interesse na arqueologia maia e desejava poder explorar maravilhas então desconhecidas dos povos indígenas.[4] O sucessor de Gann, Eric S. Thompson, implementou uma abordagem mais metódica e conseguiu estabelecer a primeira cronologia da produção de cerâmica da região.[5] As principais equipes arqueológicas que trabalham em Xunantunich e na região circundante atualmente são o Xunantunich Archaeological Project (XAP) e o Xunantunich Settlement Survey (XSS).

Em 1959–60, a Expedição de Cambridge às Honduras Britânicas chegou à colônia e seu membro do arqueólogo, Euan MacKie, realizou vários meses de escavação em Xunantunich. Ele escavou o edifício superior na Estrutura A-11 no Grupo B e uma estrutura residencial recém-descoberta, A-15, nos arredores do complexo principal. Usando o método europeu de registro detalhado da estratigrafia dos depósitos superficiais (as próprias estruturas de alvenaria não foram extensivamente cortadas), ele conseguiu inferir que os dois edifícios foram destruídos por um desastre repentino que marcou o fim da ocupação do período Clássico. Um terremoto foi proposto provisoriamente como a causa; é inferido puramente com base nas evidências escavadas e também no estado muito danificado do edifício superior da Estrutura A-6 ('El Castillo'). Ele também foi capaz de confirmar a parte posterior da sequência de cerâmica construída por Thompson.[6]

Os agricultores que alimentavam as pessoas que moravam em Xunantunich geralmente viviam em pequenas aldeias, divididas em grupos residenciais familiares. As fazendas estavam espalhadas pela paisagem, embora o centro de Xunantunich seja bastante pequeno em comparação. Essas aldeias eram economicamente auto-suficientes, o que pode ser a razão pela qual Xunantunich durou tanto tempo quanto elas; pois estas não eram dependentes da cidade para sustentá-las.[3] A densidade de assentamento foi relativa à qualidade do solo, proximidade a rios e histórias políticas localizadas. Como os fazendeiros estavam estabelecidos há muito tempo em seus assentamentos de terra, eles não gostariam de se envolver com uma política que estava sob constante agitação devido a forças invasoras, entre outras coisas.[7] Outros sítios arqueológicos maias próximos incluem Chaa Creek e Cahal Pech, Buenavista del Cayo e Naranjo.[8]

Referências

  1. Yaeger, Jason (2003). «Untangling the Ties That Bind: The City, the Countryside, and the Nature of Maya Urbanism at Xunantunich, Belize.». The Social Construction of Ancient Cities. Washington, D.C.: Smithsonian Institution. pp. 121–155 
  2. LeCount, Lisa J. (2010). «Ka'kaw Pots and Common Containers: Creating Histories and Collective Memories Among the Classic Maya of Xunantunich, Belize.». Ancient Mesoamerica 21.2: 341–351 
  3. a b Fagan, Brian M. (1998). «Xunantunich: "The Maiden of the Rock"». From Black Land to Fifth Sun: The Science of Sacred Sites. Reading: Addison-Wesley. pp. 302–331 
  4. Thompson, J. E. (1975). «Thomas Gann in the Maya Ruins». British Medical Journal: 741–743 
  5. LeCount, Lisa J.; Yaeger, Jason, eds. (2010). Classic Maya Provincial Politics: Xunantunich and Its Hinterlands. Tucson: University of Arizona 
  6. MacKie, Euan Wallace (1985). Excavations at Xunantunich and Pomona, Belize, in 1959-60: A Ceremonial Centre and Earthen Mound of the Maya Classic Period (em inglês). 251. Oxford: B.A.R. 
  7. Ashmore, Wendy; Yaeger, Jason; Robin, Cynthia (2004). «Commoner Sense: Late and Terminal Classic Social Strategies in the Xunantunich Area». The Terminal Classic in the Maya Lowlands: Collapse, Transition, and Transformation. Boulder: University of Colorado. pp. 302–323 
  8. Awe, Jaime; Bill, Cassandra; Campbell, Mark; Cheetham, David (1990). «Early Middle Formative Occupation». Consultado em 14 de abril de 2020. Cópia arquivada em 29 de abril de 2001 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre construção civil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.