Álmos da Croácia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Álmos da Croácia
Rei da Eslovénia e Príncipe de Nitra
Encontro entre Álmos da Croácia e Colomano da Hungria no Mosteiro das Mosteiro das Cúpulas.
Governo
Reinado rei da Eslovénia
Dinastia Casa de Arpád
Vida
Nome completo Álmos da Croácia ou Álmos Arpád da Croácia
Nascimento c. 1070
Morte 1127 ou 1129
Pai Geza I da Hungria
Mãe Sinadena Teodoro

Álmos da Croácia ou Álmos Arpád da Croácia (em croata e eslovaco Almos) "o Cego" (c. 10701127 ou 1129)[1] . foi um príncipe do Reino da Hungria.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Álmos da Croácia era o irmão do rei Colomano da Hungria e importante figura da corte da Hungria. Ocupou vários cargos públicos no reino Húngaro e levantou inúmeras revoltas contra o seu irmão, detentor da coroa húngara.

Tendo sido preso por ordem do irmão, este mandou-o cegar de forma a incapacitá-lo ao ponto de não poder exercer o poder real. Devido a este acontecimento, passou a ser conhecido como: Álmos "O cego" (em húngaro: Almos Vak).

Entre 1084 e 1091 foi duque de Eslovénia e entre 1091 e 1095, foi nomeado rei da Eslovénia, território que então fazia parte do leste do Reino da Croácia.[2] [3]

Em 1095 Colomano da Hungria destronou Álmos, tornando-o no entanto Duque do Principado de Nitra.

Álmos, apoiado pelo rei da Alemanha e pelo rei da Boémia, entrou em conflito com Colomano em 1098, depois de este se ter declarado rei de toda a Croácia em 1097 (coroado em 1102). Em 21 de agosto de 1104 Álmos casou com Predislava de Kiev, filha de Esviatopolque II de Kiev grão-duque de Kiev e de Helena.

Colomano fez as pazes com Álmos em 1108, tendo isto sido um estratagema para o apanha e o prender. Assim Álmos esteve preso junto com o seu filho Bela II da Hungria algures entre 1108 ou 1109.

Álmos foi o último duque de Nitra, e sua subsequente retirada marca o fim deste Ducado de fronteira, e assim, a integração completa do território que é hoje a Eslováquia no reino da Hungria.

Amikor a Herceg Csórba érkezett és az elfogott egy varjút, ekkor jámbor lelkű herceg ezt mondotta: Ez a varjú, ugye megesküdnék a sólyomnak, ha szabadon engedi többé nem fog károgni?" ("Cuando el príncipe arribó a Csór y capturó un cuervo, entonces el príncipe de alma devota dijo lo siguiente: Este cuervo, cierto que seguro le juraría al halcón que más nunca granzaría, sólo para que este lo dejase en liberad?").
Texto da Crónica Picta Húngara[4]

Em 1113 o Colomano estava preocupado com a subida ao trono do seu filho Estêvão, ainda jovem, dado que corria perigo por causa da presença constante de Almos, tendo este sido um dos motivos que o levou a mandar prender o irmão e o sobrinho, o príncipe Bela, que na altura tinha 5 anos de idade. Prendeu-os no Mosteiro das Cúpulas. Apesar de os ter mandado cegar e mais tarde matar, foi neste último caso impedido pelos monges, que defenderam Álmos e o filho empunhando armas contra os guardas reais.

Em 1116 morreu Colomano e o seu filho foi coroado como Estêvão II da Hungria, já não havendo ninguém que pudesse colocar em risco seu poder.

Álmos cegos permaneceu no mosteiro durante 13 anos até 1126, quando escapou, para a Grécia, deixando o seu filho Bela no mosteiro para evitar colocá-lo em perigo.

Almos instalou-se na cidade macedónica de Constantino, onde morreu em 1129.

Estêvão II da Hungria que não teve descendentes, e preocupado com quem seria o próximo rei da Hungria, sabendo em 1228 que seu primo Bela Cegos ainda estava vivo e continuava a viver no mosteiro das cúpulas, nomeou-o seu herdeiro, e promoveu o casamento deste com Helena da Sérvia (1109 - 1146), filha de Uros I Nemanjic da Sérvia e de Anna Diogenissa. Assim, foi Bela, filho de Álmos "o cego" quem acabou por subir ao trono após a sua morte Estêvão II em 1131.

Os restos de mortais de Álmos foram transferidos em 1131 por ordem do seu filho da Macedónia para Székesfehérvár.

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Foi filho de Geza I da Hungria[5] , rei da Hungria (104024 de Abril de 1077) e de Sinadena Teodoro, filha de Teodoro Sinadeno e de Botaniatissa. Casou com Predislava de Kiev, filha de Esviatopolque II de Kiev (1050 - 16 de abril de 1113) grão-duque de Kiev e de Helena da Boémia de quem teve:

  1. Bela II da Hungria (111013 de fevereiro de 1141)[6] , rei da Hungria casado com Helena da Sérvia (1109 - 1146), filha de Urosh I da Ráscia (1080 - 1146) e de Anna Diogenissa.
  2. Adelaide da Hungria (julho de 110515 de setembro de 1140), casou em 1123 com o duque Sobeslao I de Boémia.
  3. Eduviges da Hungria, que casou em 1132 com o duque Adalberto da Austria (1107 – 1137/38).

Árvore genealógica da Casa de Árpád[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ascendência e descendência de Nicolau de Bettencourt, Vasco de Bettencourt de Faria Machado e Sampaio, Edição do Autor, 1ª Edição, Lisboa, 1991. Tab. 8.
  • Cruz, Samuel e Sherbowitz-Wetzor, Olgerd. A Crônica Russa Básica: Texto Laurentian , 1953

Referências

  1. Gyula Kristo Histoire de la Hongrie Médievale, page 199
  2. Álmos Arpád da Croácia
  3. Livros.google.co.uk
  4. Nógrády, Á. , Pálffy, G. y Velkey, F. (2007). Magyar Uralkodók. Debrecen, Hungría: Tóth Könyvkereskedés és Kiadó
  5. Hungary. (2009). In Encyclopædia Britannica. Retrieved July 16, 2009, from Encyclopædia Britannica Online.
  6. Ascendência e descendência de Nicolau de Bettencourt, Vasco de Bettencourt de Faria Machado e Sampaio", Edição do Autor, 1ª Edição. Lisboa, 1991. Tabela 8.