A Cabana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Shack
A Cabana
A Cabana
Autor (es) William P. Young
Idioma Inglês
Assunto «Uma metáfora para investigar o problema da dor.»
Género Ficcional
Série Ficcional
Linha de tempo da história Fim de semana
Espaço onde decorre a história Dentro e à volta de uma cabana
Arte de capa Marisa Ghiglieri, Dave Aldrich e Bobby Downes
Editora Windblown Media
Formato Capa em cartão
Lançamento 2007 07 01
Páginas 272
ISBN 978-0-9647292-3-0
Edição portuguesa
Tradução Fernando Dias Antunes
Editora Porto Editora
Lançamento 2009
ISBN 978-972-0-04178-4
Edição brasileira
Tradução Alves Calado
Editora Sextante
Lançamento 2008
ISBN 978-85-99296-36-3

A Cabana é um livro escrito pelo Canadense William P. Young, lançado originalmente em 2007 e que desde então já vendeu mais 18 milhões de cópias.[1] A Cabana foi publicado em português pela primeira vez em 2008.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O livro aborda a questão recorrente de um Deus de amor através da história de Mack Allen Phillips, um homem que vive sob o peso da experiência de ter sua filha Missy, de seis anos, raptada durante um acampamento de fim de semana. A menina nunca foi encontrada, mas sinais de que ela teria sido violentada e assassinada são achados em uma cabana perdida nas montanhas.

Vivendo desde então sob a "A Grande Tristeza", Mack, três anos e meio depois do episódio, recebe um misterioso bilhete supostamente escrito por Deus, convidando-o para uma visita a essa mesma cabana. Ali, Mack terá um encontro inusitado com Deus, de quem tentará obter resposta para a inevitável pergunta: "Se Deus é tão poderoso, por que não faz nada para amenizar nosso sofrimento?".

Histórico[editar | editar código-fonte]

O livro, que tornou-se um best-seller desde seu primeiro lançamento[2] , não foi escrito para ser publicado, conta o autor. A história havia sido criada como um presente que Young imprimiu para 15 amigos no Natal de 2005.

Young afirma que muito da história tem a ver com sua própria experiência de vida e que escreveu o livro em uma ocasião que "ele próprio precisava de consolo"'.[3]

A receptividade da história levou Young a mostrarem-se-em o livro para dois produtores de cinema, Wayne Jacobsen e Brad Cummings. Após re-escrever a história 4 vezes em pouco menos de um ano e meio, Young enviou a versão final para 26 editoras, tendo sido recusada por todas. Por causa disso, Jacobsen e Cummings criaram uma editora[4] e finalmente publicaram o livro, com um orçamento de divulgação inicial de 300 dólares.[2]

Análises[editar | editar código-fonte]

Vale lembrar também que apesar de ser um livro de ficção com uma história muito intrigante, o conceito de santíssima trindade deste livro mais volta-se para o modalismo do que aquele da trindade propriamente dito.[5] Isso porque no livro encontram-se frases do tipo "E Deus falou assim: eu sou verdadeiramente humano na figura de Jesus." ou ainda "existe um círculo de relações entre nós [Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo] ao invés de uma cadeia de comando" consistentes com modalismo

Este livro tem uma semelhança com o Livro O Mundo de Sofia que fala de uma menina de 15 anos e um major que tem uma cabana numa floresta. A menina começa a receber correspondências de um curso de filosofia alem de cartões postais de um suposto combatente Norueguês que serve no Libano. A historia se passa ao entorno da cabana do major.

Referências

  1. Los Angeles Times The flak over 'The Shack'
  2. a b USA Today "Aim at 'spiritually interested' sparks 'The Shack' sales"
  3. Revista Veja Resenha (8 de outubro de 2008)
  4. O Globo William Young, autor do romance de sucesso 'A cabana', conta que não pretendia publicar o livro (29 de outubro de 2008)
  5. http://www.avivamentoja.com/comu/index.php?topic=322.msg686#msg686

Ligações externas[editar | editar código-fonte]