Aginter Press

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Aginter Press, também conhecida como Ordem Central e Tradição, foi uma pseudo agência de notícias estabelecida em Lisboa em Setembro de 1966, durante o regime do Estado Novo em Portugal.

A Agência era dirigida pelo antigo capitão do Exército Francês, Yves Guérin-Sérac, que tinha tomado parte na fundação da OAS, um grupo militante clandestino que defendia uma "Argélia francesa" durante a guerra da Argélia entre 1954 e 1962, acusado de levar a cabo diversos atentados terroristas. A Aginter Press era na realidade uma organização de mercenários anti-comunista, com subsidiárias por todo o mundo. Treinava os seus membros em técnicas de operações clandestinas, incluindo ataques a bomba, eliminação de personalidades, guerra psicológica, comunicação e infiltração clandestinas e contra-insurreição.

A Estratégia de Tensão em Itália[editar | editar código-fonte]

A Aginter Press tomou parte na estratégia de tensão na Itália, uma campanha de pseudo-operações, incluindo ataques a bomba e uma tentativa de golpe de estado organizada pelos neofascistas italianos, com o apoio de ramos da Maçonaria e de redes clandestinas da NATO.

Outras actividades da Aginter Press[editar | editar código-fonte]

A Agência trabalhou para vários regimes autoritários de direita em todo o mundo, incluindo os de Portugal, Espanha e Grécia. Os seus agentes trabalhavam disfarçados de jornalistas ou repórteres fotográficos, permitindo-lhes viajar e investigar.

Uma actividade importante da Aginter Press foi o seu envolvimento na luta contra os movimentos independentistas das colónias portuguesas.

25 de Abril de 1974: o fim[editar | editar código-fonte]

Na sequência do golpe de 25 de Abril de 1974 os membros da Aginter Press fugiram de Lisboa para Espanha e depois para a América do Sul, pondo assim termo ao funcionamento da agência.

Ver também[editar | editar código-fonte]