O Aleijadinho: Paixão, Glória e Suplício

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Aleijadinho: Paixão, Glória e Suplício
 Brasil
2003 • cor • 100 min 
Direção Geraldo Santos Pereira
Produção Jayme del Cueto
Roteiro Geraldo dos Santos Pereira
Renato dos Santos Pereira
Elenco Maurício Gonçalves
Maria Ceiça
Ruth de Souza
Carlos Vereza
Edwin Luisi
Gênero Drama biográfico
Idioma Português
Direção de arte Marco Antônio Rocha
Direção de fotografia Cláudio Portioli
Estúdio Vila Rica Cinematográfica
Distribuição G. Minas Produção
Página no IMDb (em inglês)

O Aleijadinho: Paixão, Glória e Suplício é um filme brasileiro de 2003, do gênero drama biográfico, dirigido por Geraldo Santos Pereira.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A história do escultor mineiro Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, acompanhando sua vida e sua formação artística e cultural. O filme mostra o relacionamento com a escrava Helena, os conflitos políticos com o pai, um arquiteto português, a sua amizade com o inconfidente Cláudio Manuel da Costa e a doença que o deixou deformado, mas não conseguiu impedi-lo de trabalhar.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Maurício Gonçalves .... Aleijadinho
  • Maria Ceiça .... Helena
  • Ruth de Souza .... Joana Lopes
  • Carlos Vereza .... Cláudio Manoel da Costa
  • Edwin Luisi .... Manoel Francisco Lisboa
  • Antônio Naddeo .... Rodrigo Bretas
  • Wilma Henriques .... Dona Tereza Ribeiro de Alvarenga
  • Carl Schumacher .... Governador-Geral
  • Aruana Zumbi .... Isabel
  • Gil Amâncio .... Maurício
  • Helvécio Isabel .... Januário
  • Márcio Alexandre .... Agostinho
  • Rodrigo Penna .... João Gomes Batista
  • Shelmer de Queiroga .... Tente José Romão
  • Adyr Coelho .... Manoel da Costa Ataíde
  • Geraldo Carrato .... Guarda
  • Kimura Schttino .... Guarda
  • Marcelo Santos Pereira .... Tenente Antônio Xavier
  • Alessandra Elias .... Filha do Governador-Geral
  • Carlos Eugênio Spinola .... Padre
  • Breno Fonseca .... Contratador Vicente Freire de Andrade

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Maurício Gonçalves recebeu o prêmio de melhor ator no 5º Festival do Recife, em 2001, prêmio este dividido com Rodrigo Santoro, por Bicho de Sete Cabeças.[1]

Referências

  1. Lopes, Edu (14 de maio de 2001). Maria Ceiça e Maurício Gonçalves rompem grilhões. IstoÉ Gente. Página visitada em 16 de julho de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.