Alface romana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alface romana
Alface romana cortada em cruz

Alface-romana (Lactuca sativa var. longifolia), é uma variedade de Alface de tamanho grande e de folhas resistentes com um talo firme no centro. Ao contrário da maioria das espécies de alface, a romana é tolerante ao calor. Este tipo de alface se originou na ilha grega de Cos[1] . O dia 22 do sétimo mês do antigo Calendário Republicano Francês é dedicado à alface-romana[2] .

As alfaces-romanas também são conhecidas por: orelha-de-mula, loura-das-hortas e balão.


Na Cozinha[editar | editar código-fonte]

Nos talos mais grossos que geralmente é presente nas folhas mais velhas no lado exterior do alface, há um líquido viscoso que lhe dá um gosto amargo. A alface-romana é habitualmente usado num prato chamado Salada de César. A alface é um alimento comum no Médio Oriente.


Uso Religioso[editar | editar código-fonte]

A alface-romana é usada na Páscoa como um tipo de erva amarga, para simbolizar os tempos amargos impostos pelos Egípcios, em que os Israelitas foram escravos no Egito[3] .

Nutrição[editar | editar código-fonte]

Alface-romana
Valor nutricional por 100 g (3,53 oz)
Energia 72 kJ (20 kcal)
Carboidratos
Carboidratos totais 3.3 g
 • Fibra dietética 2.1 g
Gorduras
Gorduras totais 0.3 g
Proteínas
Proteínas totais 1.2 g
Água 95 g
Vitaminas
Vitamina A equiv. 290 µg (36%)
Ácido fólico (vit. B9) 136 µg (34%)
Vitamina C 24 mg (29%)
Minerais
Cálcio 33 mg (3%)
Ferro 0.97 mg (7%)
Fósforo 30 mg (4%)
Potássio 247 mg (5%)
Percentuais são relativos ao nível de ingestão diária recomendada para adultos.
Fonte: USDA Nutrient Database


Tal como acontece com as outras verduras de folhas verdes escuras, a alface-romana é rica em Antioxidantes, com propriedades anti-cancerígenas (ou seja, que ajudam na prevenção do cancro). De acordo com o almanaque Old Farmer's de 2011, as substâncias contidas nas folhas verdes escuras (elevada concentração de clorofila), presente na alface-romana, podem reduzir as possibilidades de Câncer de cólon e Fígado.


Referências

  1. Cos, Oxford Dictionaries
  2. Tooke, William . A Monarquia da França: Ascensão, progresso, e Queda, p. 634
  3. “Sobre a Historia do Alimento Pascal” por Joseph Tabory em Passover and Easter: Origin and History to Modern Times Edited by Paul Bradshaw and Lawrence Hoffman.


Notas[editar | editar código-fonte]

  • Davidson, Alan. The Oxford Companion to Food, s.v. lettuce. Oxford University Press 1999. ISBN 0-19-211579-0.
  • Kirschmann, John D. & Dunne, Lavon J. Nutrition Almanac, s.v. ISBN 0-07-034906-1.



Ícone de esboço Este artigo sobre asteráceas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.