Vitamina A

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Janeiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Vitamina A ou Retinol 1
Alerta sobre risco à saúde
All-trans-Retinol2.svg
Nome IUPAC (2E,4E,6E,8E)-3,7-Dimethyl- 9-(2,6,6-trimethylcyclohex-1-enyl)nona- 2,4,6,8-tetraen-1-ol
Outros nomes Retinol, Axerophthol
Identificadores
Número CAS 11103-57-4
PubChem 1071
Propriedades
Fórmula molecular C20H30O
Massa molar 286.456 g/mol
Ponto de fusão

61–63 °C[1]

Ponto de ebulição

120–125 °C[1]

Solubilidade em água praticamente insolúvel[1]
Solubilidade solúvel em solventes orgânicos apolares
Farmacologia
Riscos associados
Frases R R22, R36/38, R63
Frases S S26, S36/37/39, S45
Compostos relacionados
Compostos relacionados Ácido retinoico
Alfacaroteno
Betacaroteno
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A Vitamina A é um micronutriente pertencente ao grupo das vitaminas lipossolúveis, podendo ser encontrada no tecido animal sob a forma de retinóides ou como pró-vitamina em tecidos vegetais, sob a forma de carotenoide. No organismo humano a vitamina A pode ser encontrada de três formas, o retinol, retinal e o ácido retinóico, sendo o último o principal e mais abundante metabólito intracelular em mamíferos [2] .

Absorção e transporte[editar | editar código-fonte]

As Vitaminas Lipossolúveis são absorvidas quando há presença de lipídeos (gordura), bile e suco pancreático. Após a absorção no intestino, estas são armazenadas nos tecidos. Quando adquirida através de alimentos de origem vegetal, a vitamina A é consumida sob a forma de palmitato de retinila. Para que possam ser absorvidos no intestino delgado estes ésteres sofrem uma hidrólise catalisada pela enzima retinil éster hidrolase, situada na superfície externa da membrana celular da mucosa intestinal. O retinol produzido é absorvido dessa forma, através de células da mucosa por processo ativo, para o interior da célula, onde volta a combinar-se com um ácido graxo, geralmente o palmitato ou o estearato. O éster de retinil é transportado, então, nos quilomicrons através do sistema linfático e da corrente sanguínea até o fígado, onde é armazenado. As reservas de vitamina A no fígado são hidrolisadas pelas enzimas em retinol livre que é transportado por um complexo proteico ligante de retinol (Retinol Binding Proteins - RBP) aos tecidos do organismo onde existirem necessidades metabólicas. A vitamina A na forma de retinol é tóxica ao organismo humano, por este motivo sempre que é transportada aos tecidos deve estar ligada a RBP e quando no meio intracelular encontra-se ligada a proteínas citoplasmáticas ligadoras de retinol (Celular Binding Retinol Proteins – CBRPs)[3] [4] .

Funções[editar | editar código-fonte]

As diferentes formas da vitamina A desempenham várias funções no organismo humano:

Ciclo Visual[editar | editar código-fonte]

O 11-cis-retinal é de vital importância no ciclo visual, atuando nos bastonetes, células que funcionam com baixa intensidade de luz insensíveis às cores. Esta forma oxidada da vitamina A, o retinal, atua com a opsina formando rodopsina (figura 1). Sobre ação da luz visível, a rodopsina é convertida a metarrodopsina II, na qual o retinol apresenta-se na forma todo-trans, sua forma mais ativa. A metarrodopsina II ativa várias moléculas de transducina, um tipo de proteína G. A transducina, na forma ativa, atua ativando várias moléculas de fosfodiesterase. A fosfodiesterase (Phosphodiesterase - PDE) ativada catalisa a hidrólise de monofosfato cíclico de guanosina (Cyclic guanosine monophosphate - GMPc), formando 5’-GMP. A diminuição da concentração de GMPc leva ao fechamento dos canais de Na+ e Ca2+ da membrana celular do segmento externo dos bastonetes. O GMPc, antes de ser hidrolisado, estava ligado aos canais de Na+ e Ca2+, o que deixava os canais abertos, permitindo o influxo de Ca2+ e Na+, em condições de escuridão. A hidrólise de GMPc provoca o fechamento dos canais de Na+ e Ca2+, dessa forma a membrana hiperpolariza. No período escuro o isômero é reconvertido para 11-cis-retinal [5] .

Diferenciação Celular[editar | editar código-fonte]

O ácido retinóico é encontrado no interior das células, onde desempenha funções relacionadas ao ciclo celular. A modulação da expressão gênica pelo ácido retinóico é mediada pela ativação dos receptores nucleares para hormônios esteróides/tiroideanos/vitamina D, que são divididos em dois grupos os receptores de ácido retinóico (Retinoic Acid Receptors - RAR) e receptores X retinóides (Retinoid X Receptor - RXR). A ativação destes receptores depende da interação entre a molécula retinóide e seu sítio de ligação no respectivo receptor. O retinol e o retinal possuem baixa atividade pelos receptores nucleares para retinóides, servindo basicamente como precursores diretos do ácido retinóico in vivo. A ligação do ácido retinóico formado a partir do retinol aos RAR promove a interação deste receptor com RXR, e o heterodímero formado pode, então, ligar-se a regiões do DNA responsivas ao ácido retinóico denominadas elementos responsivos ao ácido retinóico (retinoic acid response elements - RARE), modulando a expressão gênica, produzindo alterações biológicas significativas através de ativação gênica, transcrição, tradução e acumulação de novas proteínas [6] .

Outras funções[editar | editar código-fonte]

A vitamina A também está relacionada com o desenvolvimento dos ossos, ação protetora na pele e mucosa, possui função essencial na capacidade funcional dos órgãos do trato reprodutivo, participa do fortalecimento do sistema imunológico, está relacionada com o desenvolvimento e manutenção do tecido epitelial, contribui para o desenvolvimento normal dos dentes, para a conservação do esmalte dentário, manutenção do bom estado do cabelo e na prevenção da oxidação celular através dos carotenoides pró-vitaminicos A, que atuam como fontes desta vitamina [7] .

Pró-vitamina A - Carotenoides[editar | editar código-fonte]

Os carotenoides são uma família de compostos abundantemente encontrados na natureza, sendo os responsáveis pela cor da maioria dos frutos e vegetais que comemos todos os dias, a qual pode variar desde o amarelo até o vermelho vivo. Dos mais de 600 carotenoides conhecidos, aproximadamente 50 são precursores da vitamina A. Para que um carotenoide possua atividade de pró-vitamina A ele precisar ter pelo menos um anel de ciclo-hexinil ligado a uma cadeia de isoprenos, correspondente a uma molécula de retinol [8] [9] . Entre os carotenoides, o β-caroteno(beta-caroteno) é o mais abundante em alimentos e o que apresenta a maior atividade de pró-vitamina A. Como o β-caroteno é simétrico e corresponde estruturalmente a duas moléculas de retinol, apresentando maior atividade pró-vitamínica A em relação a outros carotenóides. Existem duas vias para descrever a clivagem do β-caroteno em vitamina A: a central e a excêntrica. A principal via é a clivagem central catalisada pela enzima citossólica 15-15’β-caroteno oxigenase. Ela cliva o β-caroteno em sua ligação dupla central, obtendo retinal, que pode ser convertido reversivelmente em retinol ou irreversivelmente em acido retinóico. Já na via de clivagem excêntrica, a clivagem ocorre nas outras ligações duplas, exceto na central, formando β-Apo-carotenos com tamanhos diferentes de cadeia [10] .

Hipovitaminose A[editar | editar código-fonte]

A hipovitaminose A, ou seja, a deficiência de vitamina A, acarreta xeroftalmia, cegueira e morte de milhares de pessoas no mundo, principalmente crianças constituindo um dos principais problemas nutricionais de populações de países em desenvolvimento. A xeroftalmia é o nome genérico dado aos diversos sinais e sintomas oculares da hipovitaminose A. A forma clínica mais precoce da xeroftalmia é a cegueira noturna onde não se consegue boa adaptação visual em ambientes pouco iluminados; manifestações mais acentuadas da xeroftalmia são:


  • Mancha de Bitot - normalmente localizada na parte exposta da conjuntiva;
  • Xerose - nos estágios mais avançados a córnea também está afetada constituindo a xerose córnea, caracterizada pela perda do brilho assumindo aspecto granular;
  • Ceratomalácia - uma cegueira irreversível, causada por ulceração progressiva da córnea levando à necrose e destruição do globo ocular.


Além disso, a carência de vitamina A pode levar a Infecções frequentes, que também podem indicar carência, pois a falta de Vitamina A reduz a capacidade do organismo de se defender das doenças [11] [12] [13] .


Causas da deficiência[editar | editar código-fonte]

  • Falta de amamentação ou desmame precoce: o leite materno é rico em vitamina A e é o alimento ideal para crianças até dois anos de idade.
  • Consumo insuficiente de alimentos ricos em vitamina A.
  • Consumo insuficiente de alimentos que contêm gordura: o organismo humano necessita de uma quantidade de gordura proveniente dos alimentos para manter diversas funções essenciais ao seu bom funcionamento. Uma delas é permitir a absorção de algumas vitaminas lipossolúveis (vitaminas A, D, E e K).
  • Infecções frequentes: as infecções que acometem as crianças levam a uma diminuição do apetite: a criança passa a ingerir menos alimentos podendo surgir uma deficiência de Vitamina A. Além disso, a infecção faz com que as necessidades orgânicas de vitamina A sejam mais altas, levando a redução dos estoques no organismo e desencadeando ou agravando o estado nutricional.
  • Colestase: quando a colestase é prolongada e/ou grave, ocorre supressão total ou quase total da secreção de bílis; sendo a bílis, devido à sua composição característica, essencial para a solubilização de lípidos e vitaminas lipossolúveis de modo a que estes possam ser absorvidos, a vitamina A (e também a ) não poderá ser absorvida, resultando em deficit.

Hipervitaminose A[editar | editar código-fonte]

Quando o consumo do retinol é exagerado, ocorre uma intoxicação por esta vitamina, denominada de hipervitaminose A, surgindo sintomas como: pele seca, áspera e descamativa; fissuras labiais; ceratose folicular (oclusão do folículo piloso); dores nos ossos e articulações; câimbras; queda dos fios de cabelo; lesões no fígado; redução do crescimento do indivíduo; falta de apetite; edema (inchaço); epistaxe (sangramento nasal); esplenomegalia e hepatomegalia (aumento do volume do baço e fígado); e alterações nas enzimas hepáticas.

Ingestão Diária Recomendada - IDR[editar | editar código-fonte]

População Quantidade (µg RE)
Adultos 600
Lactentes 375 (0-6 meses) e 400 (7-8 meses)
Crianças 400*, 450** e 500***
Gestantes 800
Lactantes 850

Fonte: Resolução RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005. Legenda: *1-3 anos, **4-6 anos, ***7-10 anos
Erro de citação: existem marcas <ref>, mas falta adicionar a predefinição {{referências}} no final da página