Análise fundamentalista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Análise fundamentalista (ou Análise fundamental) é a análise da situação financeira, econômica e mercadológica de uma empresa, um setor ou dado econômico, uma commodity ou uma moeda e suas expectativas e projeções para o futuro.1

A análise fundamentalista é um campo da análise econômica que lida com um amplo espectro de análises e interpretação das mesmas; indo da macro à microeconomia, passando por finanças internacionais até ciências política e econômica. Variando suas interpretações de um grau razoável de possível acuidade ao total subjetivismo, visto que tais análises e interpretações podem ir desde uma relativamente simples análise e interpretação de balanços de uma única empresa até a possível influência que dados ecônomicos nacionais possam ter sobre o desempenho desta mesma empresa e/ou sobre todo o setor da economia no qual esta empresa está inserida, e/ou o câmbio (no caso de ser uma empresa com negócios internacionais), e/ou numa commodity (dependendo de quais insumos são matérias-primas desta empresa). E isto apenas em relação à análise fundamentalista de uma única empresa.2

Porém, a análise fundamentalista não lida apenas com análises de empresas e corporações, mas também de países (grau de risco de investimento), regiões (idem), commodities (matéria-primas), etc. Explica-se assim o amplo e subjetivo espectro de análises que podem ou não estar interligadas em diferentes graus de correlação.

Por exemplo, a análise fundamentalista de uma empresa de equipamento militar privada que esteja lista na Bolsa de Valores de Londres, tem de levar inúmeros fatores em consideração:
Quantas vezes a mesma abriu e fechou Capital (algo muito comum neste ramo), por quais motivos? Isto afetou os lucros ou a própria empresa? De que maneira? Quais são seus principais clientes (multinacionais, líderes políticos e militares formais, senhores da guerra, ou todos)? Em que regiões do globo atua? Quais já atuou, por que deixou de atuar, qual seu retrospecto de retiradas? Foram forçadas ou acordadas? Novamente, como isto afetou os lucros ou a própria empresa? Qual seu grau de relacionamento parlamentar e com a indústria armamentista em seu país de origem?;3
são apenas algumas das questões que um analista fundamentalista tem de responder neste caso, o que demonstra o quão ampla pode ser uma análise deste tipo.
E devido a isto, a exemplo de outras formas de análise, como a técnica ou a quantitativa, é uma modalidade de análise igualmente sujeita a risco, falhas, vieses de cognição e com graus de fragilidade em relação à incerteza, tanto maiores quanto mais ampla for sua extensão.4 5 6

Análise de empresas[editar | editar código-fonte]

No básico de uma análise de empresa, são analisados os dados econômicos considerados "fundamentais" de uma empresa, obtidos no balanço, na (análise contábil), verificados a situação do mercado, seu patrimônio, etc. Essa análise é normalmente utilizada para definir o valor de mercado de uma empresa e comparar com sua cotação atual no mercado.7

Neste caso, o analista fundamentalista se baseia nas demontrações contábeis da empresa, além de notícias como fatos relevantes, dividendos, dentre outros. A partir destas informações, o analista avalia o valor teoricamente "justo" da empresa e compara com o valor de mercado atual (número de ações disponíveis no mercado x a cotação atual das ações da empresa).

Referências

  1. Zvi Bodie, Alex Kane & Alan J.Marcus "Fundamentos de Investimentos" McGraw-Hill 1998 Capítulo 12 "Análise Macroeconômica e Setorial" ISBN 0216164592
  2. Ibidem Bodie, Kane & Marcus 1998
  3. Uesseler; Rolf "Guerra como prestação de serviços" Editora Estação Liberdade 2008 Parte 1 "A guerra como negócio" - Capítulos:
    1 "Os novos mercenários", 2 "Empresas militares", 3 "Os Clientes" e 4 "Mercados globais da violência" ISBN 9788574481517
  4. Taleb; Nassim "Iludido pelo Acaso" Ed. Record 2004 págs 294 (a partir do 2º parágrafo) à 296 ISBN 8501065110
  5. Max Gunther; "Os Axiomas de Zurique", 1ª edição na língua original 1985. Editora Record 2006 Axiomas nrs. 4 & 12 ISBN 8501033502
  6. Watts; Duncan J. "Tudo é Obvio; desde que você saiba a resposta (como o senso comum nos engana)" Editora Paz & Terra 2011 Parte I, Capítulo 6 "O sonho da previsão" -
    do último parágrafo, pág. 135 ao final do capítulo. E do último parágrafo da pág. 164 à pág. 172
  7. Carlos Alberto Debastiani, Felipe Augusto Russo "Avaliando Empresas, Investindo em Ações",(2008), Novatec
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.