Antônio Carlos Pires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Antônio Carlos
Nome completo Antônio Carlos Pires
Nascimento 1 de janeiro de 1927
Rio de Janeiro, RJ
Morte 28 de fevereiro de 2005 (78 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação Ator e humorista
Cônjuge Elza Pires
IMDb: (inglês)

Antônio Carlos Pires (Rio de Janeiro, 1 de janeiro de 1927 — Rio de Janeiro, 28 de fevereiro de 2005) foi um ator e humorista brasileiro.

Foi um dos humoristas pioneiros do rádio brasileiro, atuando na rádio Mayrink Veiga, nos anos 40. Estreou no cinema em 1953, em Santa de um Louco, de George Dusek. Celebrizou-se em chanchadas como O Primo do Cangaceiro, Trabalhou Bem, Genival, Tira a Mão Daí, Genival é de Morte, O Batedor de Carteiras, Quanto Mais Samba, Melhor, Aí Vem a Alegria, Pintando o Sete e Os Mendigos.

Chegou à televisão pela TV Excelsior e, em 1966, estreou na novela O Anjo e o Vagabundo, de Benedito Ruy Barbosa, e depois em Éramos Seis, de Pola Civelli, baseada na obra de Maria José Dupré, ambas transmitidas pela TV Tupi. A partir de então, passou a intercalar novelas com filmes, que era o seu principal espaço de atuação. Nessa época, fez Anuska, Manequim e Mulher, O Donzelo e Vinte Passos para a Morte, ao mesmo tempo em que participou das novelas da TV Excelsior: O Direito dos Filhos, A Muralha e A Pequena Órfã; e de As Pupilas do Senhor Reitor e Tilim, transmitidas pela TV Record.

A partir dos anos 70, passou a atuar definitivamente na Globo. Foi nessa época que retornou às suas raízes humorísticas ao atuar em programas como Satiricom, Planeta dos Homens, Chico Anysio Show e Escolinha do Professor Raimundo. Neste último, onde atuou ao lado de antigos colegas como Chico Anysio, Grande Otelo, Zezé Macedo e Nádia Maria, interpretou seu personagem mais famoso, Joselino Barbacena, um aluno oriundo da cidade mineira de Barbacena que sempre tentava inutilmente se esconder do professor Raimundo. Atuou nesta de 1990 a 1994.

Em 1995, após dez anos longe dos cinemas, atuou em seu último filme: O Quatrilho, ao lado de sua filha Glória Pires.

Sofrendo do Mal de Parkinson, parou de atuar pela dificuldade em decorar textos. Em 2002, perdeu a capacidade de falar. Faleceu três anos depois, após dois meses de internamento na Clínica São José.

Antônio Carlos foi casado com a empresária Elza Pires, falecida no início da década de 1990, com quem teve duas filhas: a terapeuta Linda Pires e a atriz Glória Pires. Eles também fundaram o Instituto Casazul para pessoas idosas.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]