Banco de tempo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O banco de tempo é um sistema de troca de serviços por tempo, e uma das ferramentas da economia solidária para desenvolvimento econômico e social.

Características[editar | editar código-fonte]

Nele, a unidade de troca não é o dinheiro, mas uma medida comum de tempo e o potencial humano, por exemplo, o trabalho por hora. Consiste na ajuda mútua de pessoas, de uma cidade ou de um bairro, que fazem serviços comunitários em troca de outros serviços. A capitalização é de serviços, nunca de dinheiro pois não se visa o lucro. É um sistema de troca de serviços para os serviços ou favores por favores. Propõe fomentar as relações sociais, igualdade e entre diferentes camadas econômicas. O uso deste tipo de economia pode resolver vários problemas presentes na economia de mercado. Atualmente, esses projetos são melhorados com o apoio da tecnologia da informação.

Cquote1.svg O que é a riqueza, senão a totalidade das necessidades, capacidades, prazeres, potencialidades produtoras, etc., dos indivíduos, adquirida no intercâmbio universal? Cquote2.svg
Karl Marx

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Cada parceiro, fornece algumas horas para dar uma outra pessoa de uma certa competência . As horas, as datas são calculadas e creditadas ou carregadas no Banco.

Custos[editar | editar código-fonte]

Todas as trocas são gratuitas, e só há um reembolso de despesas (para transporte por exemplo, ou quaisquer materiais utilizados na obra) e taxa de adesão, principalmente anual, variável de banco para banco. A cada hora é avaliada por uma hora, independentemente do valor monetário do tipo de serviço prestado.

Formas de transações da moeda "tempo"[editar | editar código-fonte]

As atividades do BDT são muito diversificadas, por exemplo: aulas de culinária, manutenção donas de casa, acompanhamentos de idosos, crianças, efêrmos, cuidados de plantas e animais, empréstimo ou troca de equipamentos variados.

História[editar | editar código-fonte]

Um dos pioneiros no desenvolvimento de experiências em torno do banco de tempo foi o anarquista americano Josiah Warren, por exemplo, a famosa Cincinnati Time Store.[1] Este projecto inspirou muitos anarquistas, em sua maioria franceses e americanos.

Em 1848, socialista e a primeira pessoa a chamar-se um anarquista, Pierre-Joseph Proudhon postula um sistema de vales de tempo. Em 1875, Karl Marx escreveu "Certificados de trabalho" (Arbeitszertifikaten) em sua Crítica do Programa de Gotha de um "certificado da sociedade que [o trabalhador] forneceu tal e tal quantidade de trabalho", que pode ser usado para desenhar "do estoque social dos meios de consumo tanto quanto custa a mesma quantidade de trabalho.".

Cquote1.svg Se o indivíduo trabalha apenas para si mesmo, poderá vir a ser um famoso erudito, um grande sábio, um poeta renomado, mas jamais alguém genuinamente grande e completo. A História chama essas pessoas de os maiores... aqueles que se enobrecem trabalhando para o propósito universal. A experiência exalta como o mais feliz aquele que fez mais pessoas felizes. Cquote2.svg
Karl Marx

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. WARREN, J. Equitable Commerce (em inglês). New York: Burt Franklin, 1852. 79 pp.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]