Ben E. King

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde janeiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Ben E. King
Ben E. King em 2006
Informação geral
Nome completo Benjamin Earl Nelson
Nascimento 28 de Setembro de 1938 (76 anos)
Origem Harlem, Cidade de Nova York, Nova York
País  Estados Unidos
Gênero(s) Soul music
R&B
Instrumento(s) Vocais, piano, teclados
Período em atividade 1958 - atualmente
Outras ocupações Cantor, compositor, produtor musical
Afiliação(ões) The Drifters, The Five Crowns
Página oficial http://www.beneking.info

Ben E. King, nome artístico de Benjamin Earl Nelson (Henderson, 28 de setembro de 1938), é um cantor de Soul americano. Nasceu em Henderson, Carolina do Norte, mas mudou-se para o Harlem, em New York, com a idade de 9 anos. Ele é talvez mais conhecido como vocalista e co-compositor da música Stand by Me do álbum Don't Play That Song gravado em 1961 e lançado em 1962 pela gravadora Atco Records.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ben E. King começou como cantor de soul no início dos Anos 60. Em 1958, Ben Nelson juntou-se a um grupo de "doo wop" chamado "The Five Crowns". Mais tarde, naquele ano, o agente do "The Drifters" despediu todos os membros e trocou-os pelo pessoal do "The Five Crowns". Nelson ajudou a escrever "There Goes My Baby", o primeiro sucesso dessa nova versão dos "The Drifters". Também fez o vocal solo em "Save the Last Dance for Me", uma canção escrita por Doc Pomus e Mort Shuman. Cantou, também, em "Dance With Me", "This Magic Moment", "I Count the Tears" e "Lonely Winds". Ben E. King gravou dez canções com o "The Drifters".

Em 1960, ele deixou o "The Drifters" após não ter conseguido um aumento de salário. Neste ponto ele assumiu o nome de Ben E. King em preparação para a carreira solo. Permanecendo na Atlantic Records, King acertou em seu primeiro sucesso com estilo: a balada "Spanish Harlem" (1961). "Stand by Me" foi sua próxima gravação. Escrita por King junto com Jerry Leiber e Mike Stoller,

"Stand by Me" foi votada com uma das Canções do Século pela "Recording Industry Association of America".

"Stand by Me" e "Spanish Harlem" foram nomeadas como duas das "500 Canções que Moldaram o Rock and Roll" pelo "The Rock and Roll Hall of Fame" e, ambas, ganharam um "Grammy Hall of Fame Award".

Seus outros clássicos são "Don't Play That Song (You Lied)" (que foi regravada por Aretha Franklin), "Love", "Seven Letters", "How Can I Forget", "On the Horizon", "Young Boy Blues", e outras.

As gravações de King continuaram indo bem até 1964. As bandas pop inglesas começaram a dominar o cenário musical, mas King continuou a fazer sucesso no "R&B". No verão de 1963, Ben E. King colocou uma canção entre as 30 mais: a poderosa "I (Who Have Nothing)", (essa até o Status Quo regravou). Outros sucessos foram: "What is Soul?" (1967), "Supernatural Thing, part 1" (1975), e a reedição, em 1986, de "Stand by Me," que foi parte da trilha-sonora do filme com o mesmo nome, chamado, no Brasil, de "Conta Comigo" (filme baseado no conto "The Body" de Stephen King).

Em 1998, gravou um álbum infantil intitulado "I Have Songs In My Pocket", escrito e produzido por Bobby Susser, o qual ganhou um prêmio "Best Vacation Products Award For Children". Em 2007, King apresentou "Stand By Me" no programa "Late Show with David Letterman". Ahmet Ertegün disse que King tem uma das grandes vozes na história do Soul.

Atualmente, King trabalha em sua fundação: a "Stand By Me Foundation".

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Outros Álbuns[editar | editar código-fonte]

  • Benny & Us (1977) US: #33 [King guest starred on an album by the Average White Band]
  • The Atlantic Family Live in Montreux (1977) [A recording involving the Average White Band and other artists]
  • Soul Meeting (1968) [as a member of the Soul Clan]

Canções (Singles) com The Drifters[editar | editar código-fonte]

  • "There Goes My Baby" (1959) R&B: #1 US: #2 with The Drifters
  • "Oh My Love (1959) with The Drifters
  • "Dance With Me" (1959) R&B: #2 US: #15 UK: #17 with The Drifters
  • "This Magic Moment" (1960) R&B: #4 US: #16 with The Drifters
  • "Lonely Winds" (1960) R&B: #9 US: #54 with The Drifters
  • "Save The Last Dance For Me" (1960) R&B: #1 US: #1 UK: #2 with The Drifters
  • "Nobody But Me" (1960) with The Drifters
  • "I Count the Tears" (1960) US: #17 UK: #28 with The Drifters
  • "Sometimes I Wonder" (1962) with The Drifters

Canções Solo (Solo Singles)[editar | editar código-fonte]

  • "Brace Yourself (1960, Atco)
  • "Show Me the Way" (1960, Atco)
  • "A Help Each Other (1960, Atlantic) with Lavern Baker
  • "How Often" (1960, Atlantic) with Lavern Baker
  • "Spanish Harlem (1961, Atco) R&B: #15 US: #10
  • "First Taste of Love" (1961) US: #53 UK: #27 (b-side of "Spanish Harlem")
  • "Stand by Me" (1961) R&B: #1 US: #4 UK: #27
  • "Amor" (1961) R&B: #10 US: #18 UK: #38
  • "Young Boy Blues" (1961) US: #66
  • "Here Comes the Night" (1961) US: #81 (b-side of "Young Boy Blues")
  • "Ecstasy" (1962) US: #56
  • "Don't Play That Song (You Lied)" (1962) R&B: #2 US: #11
  • "Auf Wiedersehen, My Dear (1962)
  • "Too Bad" (1962) US: #88
  • "I'm Standing By" (1962) US:#111
  • "Tell Daddy" (1962) US:#122 R&B: #29
  • "How Can I Forget" (1963) R&B: #23 US: #85
  • "I (Who Have Nothing)" (1963) R&B: #16 US: #29
  • "I Could Have Danced All Night" (1963) US: #72
  • "What Now My Love" US:#102(1964)
  • "That's When It Hurts" (1964)
  • "What Can A Man Do" (1964) US:#113
  • "It's All Over" (1964) US: #72
  • "Around The Corner" (1964) US:#125
  • "Seven Letters" (1965) R&B: #11 US: #45
  • "The Record (Baby I Love You)" (1965) Pop: #84
  • "She's Gone Again" (1965) US:#128
  • "Cry No More" (1965)
  • "Goodnight My Love" (1965) US: #91
  • "So Much Love" (1966) US: #96
  • "Get In a Hurry" (1966)
  • "I Swear By Stars Above" (1966) R&B: #35 (b-side of "Get in a Hurry")
  • "They Don't Give Medals to Yesterday's Heroes" (1966)
  • "What Is Soul?" (1966) R&B: #38 (b-side of "They Don't Give...")
  • "A Man Without a Dream (1967)
  • "Tears, Tears, Tears" (1967) R&B: #34 US: #93 (b-side of "A Man Without...")
  • "Katherine" (1967)
  • "Don't Take Your Sweet Love Away" (1967) R&B: #44
  • "We Got a Thing Goin' On" (1968) with Dee Dee Sharp US:#127
  • "Don't Take Your Love from Me" (1968) US:#117
  • "Where's the Girl" (1968)
  • "It Ain't Fair" (1968)
  • "Til' I Can't Take It Anymore" US:#134
  • "Hey Little One" (1969)
  • "I Can't Take It Like a Man" (1970, Maxwell)
  • "Take Me to the Pilot" (1972, Mandala)
  • "Into the Mystic" (1972)
  • "Spread Myself Around" (1973)
  • "Supernatural Thing, Part 1" (1975, Atlantic) R&B: #1 US: #5
  • "Do It in the Name of Love" (1975) R&B: #4 US: #60
  • "We Got Love" (1975)
  • "I Had a Love" (1975) R&B: #23 (b-side of "We Got Love")
  • "I Betcha you Didn't Know" (1976)
  • "Get It Up" (1977) with Average White Band
  • "A Star in the Ghetto" (1977) R&B: #25 with Average White Band
  • "Fool for You Anyway" (1977) with Average White Band
  • "I See the Light" (1978)
  • "Fly Away to My Wonderland" (1978)
  • "Music Trance" (1979) R&B: #29
  • "Street Tough" (1981)
  • "You Made the Difference in My Life" (1981)
  • "Stand By Me [re-issue]" (1986) US: #9 UK: #1
  • "Spanish Harlem [re-issue]" (1987)
  • "Save the Last Dance for Me" [re-recorded] (1987, EMI-Manhattan) UK: #69
  • "What's Important to Me" (1991, Ichiban)
  • "You've Got All of Me" (1992)
  • "You Still Move Me" (1992)
  • "4th of July" (1997, Right Stuff)
Ícone de esboço Este artigo sobre um cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências

Links Externos[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ben E. King