Bozra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Bozra, ou Botsra, Botzrah, Bozrah (Hebraico:בצרה) é uma antiga cidade bíblica a sudeste do mar Morto (na Jordânia), hoje chamada de Buseirah ou Bouseira entre Tafilah (Tophel) e Shobak.

Bozra

História arqueológica, bíblica e profética[editar | editar código-fonte]

Bozra foi a capital do povo de Edom. De acordo com o Antigo Testamento, Edom foi o lugar onde o irmão gêmeo de Jacó, Esaú, veio a se instalar e originá-lo como novo povo (Gn 36.1,9). No livro de Gênesis, Bozra é citada como cidade do segundo rei do povo de Esaú, ou seja, o povo de "Edom". O nome do rei era Jobabe:

"E estes são os reis que reinaram na terra de Edom, antes que reinasse rei algum sobre os filhos de Israel. Reinou, pois, em Edom Bela, filho de Beor, e o nome da sua cidade foi Dinabá. E morreu Bela; e Jobabe, filho de Zerá, de Bozra, reinou em seu lugar." (Gn 36.31-33).

O significado de Bozra é "curral de ovelhas" ou "aprisco das ovelhas"; portanto, era uma cidade pastoral no sudeste do mar Morto em Edom.

Bozra hoje é uma pequena cidade da Jordânia no estado de Tafilah, chamada de Buseirah ou em outras transliterações do árabe para o inglês grafada como Bouseira.

Suas ruínas conforme foto desta página são de uma povoação segundo a arqueologia, por volta de 2.700 a 2.900 anos (900 a 700 a.C). A citação bíblica de Gn 36 põe a fundação por volta de 3.800 anos atrás, cerca de 1.800 a.C.

Simplificando a linguagem bíblica, Bozra representa a guerra e a paz. A última guerra mundial antes do milênio bíblico e o início da paz mundial ocorrerão em Bozra segundo a geografia e profecia bíblica.

Um lugar ainda "esquecido e desconhecido do mundo" para a importância que a Escritura Sagrada lhe outorga.

Os profetas Amós e Jeremias predizeram a destruição de Bozra (capital de Edom), que pode ser segundo a arqueologia por volta da ocupação persa de 539 a.C, embora o povo edomita efetivamente se desfacelou em cerca de 70 d.C. O profeta Isaías, entretento, nas suas muitas visões apocalípticas, faz uma comparação das profecias de destruição de Bozra com a batalha dos dias finais conhecida na literatura apocalíptica como Armagedom (ArmagEDOM), preditas também pelos profetas Daniel, Joel, Zacarias e Amós.

No passado em II Cron 20.14-24, o rei Jeosafá cercado pelos reis de Amom, Moabe e Edom é avisado pelo profeta Jaaziel que naquela batalha não teria que pelejar e visse somente o "livramento do Senhor". Este evento é descrito como ocorrido em Edom ao "sul" do mar Morto:

"E disse: Dai ouvidos todo o Judá, e vós, moradores de Jerusalém, e tu, ó rei Jeosafá; assim o SENHOR vos diz: Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão; pois a peleja não é vossa, mas de Deus. Amanhã descereis contra eles; eis que sobem pela ladeira de Ziz, e os achareis "no fim do vale" (sul do mar Morto em Edom, Bozra), diante do deserto de Jeruel (sudeste do deserto de Judá, na Jordânia)." (II Cro 20.15-16).

Mais adiante em II Cro 20, os versos explanam uma guerra que os três povos (Amom, Moabe e Edom) tiveram entre si, se matando uns aos outros ao invés de guerrearem contra Israel, que era o propósito primeiro da Guerra.

Da mesma forma as profecias*1 do fim dos tempos predizem que, nos dias finais da Terra em Bozra, antes do retorno físico de Jesus Cristo à Terra em Jerusalém (Zc 14, At 1 e Ap 14), o mesmo terminará uma guerra de várias nações em Bozra (Edom), hoje a cidade de Buseirah na Jordânia. Segundo Is 34 e 63 (mais Ap 14, Ap 16 e Ap 19), nesta guerra futura, novamente Israel não terá que pelejá, pois novamente seus inimigos do futuro se matarão uns aos outros (Zc 14.13 e Ez 38.21).

Os livro do Apocalipse chama essa guerra de Armagedom, onde os profetas Joel e Ezequiel e o livro do Apocalipse (Ap 9, exército de 200 milhões), falam que uma "MULTIDÃO" de exércitos que se encontrarão e se matarão uns aos outros nos montes e vales de Israel e da Jordânia. O profeta Ezequiel diz:

"E sucederá que, naquele dia, darei ali a Gogue (anticristo) um lugar de sepultura em Israel, o vale dos que passam ao oriente do mar (Bozra fica a leste do mar Morto); e pararão os que por ele passarem; e ali sepultarão a Gogue, e a toda a sua multidão, e lhe chamarão o vale da MULTIDÃO de Gogue." (Ez 39.11).

Outro profeta, Joel, relembrando o ocorrido em II Cron 20 e asseverando um evento futuro no "mesmo lugar" do rei Jeosafá, do profeta Ezequiel e da Bozra de Isaías, profetiza:

"Suscitem-se os gentios, e subam ao VALE de JEOSAFÁ; pois ali me assentarei para julgar todos os gentios em redor. Lançai a foice, porque já está madura a seara; vinde, descei, porque o lagar está cheio, e os vasos dos lagares transbordam, porque a sua malícia é grande. MULTIDÕES, MULTIDÕES no vale da decisão; porque o dia do SENHOR está perto, no vale da decisão. O sol e a lua enegrecerão, e as estrelas retirarão o seu resplendor." (Joel 2.12-15).

Esta é a guerra do Armagedom descrita em Apocalise 16. Parece que precipitadamente a maior parte da teologia cristã*2 e judaica interpreta o nome Armagedom como "monte megido", como sendo do hebraico (har=monte) + (megido=magedom).

É verdade que a palavra Armagedom aparece uma única vez na Bíblia no capítulo 16 de Apocalipse e que é uma transliteração do hebraico para o grego. Assim, uma vez que é uma transliteração por que fica "omitido" o final EDOM?

A palavra HARMAGEDOM hebraico, se, transliterada minuciosamente para o grego, teria som de RARMAGEDOM no português, mas é copiada nos manustritos gregos como "Armagedom". É na verdade um ANAGRAMA de três palavras, ou seja, MULTIDÃO (RARMa), MEGIDO (magedo) e EDOM (edoM).

Embora MEGIDO não esteja ausente do significado de HARMAGEDOM; MULTIDÃO e EDOM têm sido substimados nas interpretações teológicas, visto que HAMONÁ, (RAMONÁ, Ez 39.11, 16) como descrito acima, e que significa MULTIDÃO será o nome do local de uma nova cidade criada com a multidão de corpos dos exércitos de Gogue (anticristo). Já o final "EDOM" de ArmagEDOM é inexplicalvemente esquecido pela teologia clássica, visto que sendo uma transliteração, ocorre desta forma, um erro grosseiro na omissão do "povo de Edom" para o entendimento do significado da palavra, visto que várias passagens do Antigo Testamento estão ligadas a palavra Armagedom do Novo Testamento (Joel 2 e 3; Is 34 e 63; Ez 38 e 39; Zc 14; Ap 14; Ap 19), principalmente as citações geográficas de Isaías 34 e 63, localizando Edom e Bozra.

Desta forma, HARma+g+edoM, é um anagrama de três palavras que significa: "MULTIDÃO de MEGIDO e EDOM".

Em hebraico: MULTIDÃO: המון ou ההמונה; MEGIDO: מגדון; EDOM: אדום.

Interessante observar que Rarm-om ou Hahmom=A multidão (ההמון) em hebraico tem terminação e som da palavra em "OM", Magedom=Meguidon (מגדון) tem som de "ON" no final e Edom=Edom (אדום) também tem som de "OM" ao final da palavra.

Assim, o Armagedom (A Multidão de Megido e Edom) segundo a Escritura será o evento profetizado em Daneil 11, Ezequiel 38 e 39, Joel 2 e 3, Zacarias 14, Apocalipse 14, 16, 19 e Isaías 34 e 63, em que o apóstolo João e o profeta Isaías "geograficamente", e respectivamente, localizam a "reunião" das tropas das nações que virão a Israel no fim dos dias em Megido (próximo a Nazaré, João) e a antiga Bozra, como o "local" (Isaías) da ÚLTIMA guerra mundial antes da descida de Cristo no monte das Oliveiras e do milênio bíblico. Nações estas que se unirão*3 para invadir Israel (Dn 11; Joel 2 e 3, Ez 38 e 39; Zc 14; Is 34 e 63; Ap 14, 16 e 19) e que como no passado no vale de Jeosofá em Bozra (Edom, II Cro 20.16), novamente ao invés de lutarem contra Israel como em II Cro 20, se matarão uma as outras no futuro neste "mesmo" *vale de Jeosafá em Edom (Zc 14.13 e Ez 38.21); sendo nesta oportunidade provavelmente europeus contra asiáticos.

  • Obs: *O vale de Jeosafá é interpretado por alguns como sendo na cidade velha de Jerusalém. Porém, a localização e significado do vale de Jeosafá que o profeta Joel "se refere", está descrito na Bíblia desde II Cro 20, asseverando o lugar futuro profetizado por Joel como sendo o lugar da vitória do rei Jeosafá EM EDOM no passado (hoje no sul da Jordânia, II Cro 20).

Por isso, vê-se a extrema ligação de II Cro 20, Joel, Ezequiel, Daniel, Zacarias, Apocalipse mais as palavras multidão, vale de Jeosafá e Armagedom.

Sobre a realidade física e geográfica dos que acreditam no cumprimento das profecias bíblicas na antiga Bozra da Jordânia (hoje Buseirah), Isaías, Daniel e Ezequiel dizem:

"Chegai-vos, NAÇÕES, para ouvir, e vós povos, escutai; ouça a terra, e a sua plenitude, o mundo, e tudo quanto produz.Porque a indignação do SENHOR está sobre TODAS AS NAÇÕES, e o seu furor sobre todo o exército delas; ele as destruiu totalmente, entregou-as à matança.E os seus mortos serão arremessados e dos seus cadáveres subirá o seu mau cheiro; e os montes se derreterão com o seu sangue.E todo o exército dos céus se dissolverá, e os céus se enrolarão como um livro; e todo o seu exército cairá, como cai a folha da vide e como cai o figo da figueira. Porque a minha espada se embriagou nos céus; eis que sobre Edom descerá, e sobre o povo do meu anátema para exercer juízo.A espada do SENHOR está cheia de sangue, está engordurada da gordura do sangue de cordeiros e de bodes, da gordura dos rins de carneiros; porque o SENHOR tem sacrifício em Bozra, e grande matança na terra de Edom." (Is 34.1-6).

"Entrará na terra gloriosa, e dezenas de milhares cairão; mas da sua mão escaparão estes: Edom e Moabe, e as primícias dos filhos de Amom." (Dn 11.41) Obs: Segundo Daniel 11 e Mateus 24, Edom (sul da Jordânia) será o lugar em que o anticristo não invadirá, mas quando invadir será derrotado (Is 34.1-6).

A Bozra antiga no passado ficou deserta, a Bozra futura e a terra de Edom serão simbolo da paz no tempo do milênio entre as nações. É a partir de Edom, Bozra,(Aprisco das ovelhas, Is 34) e de Jerusalém (Zc 14) que a paz começará no mundo após o Armag"edom" do povo de Edom.

"Buscai no livro do SENHOR, e lede; nenhuma destas coisas faltará, ninguém faltará com a sua companheira; porque a minha boca tem ordenado, e o seu espírito mesmo as tem ajuntado." (Is 34.16).

"E também o nome da cidade será Hamona; assim purificarão a terra. E eu porei a minha glória entre os gentios e todos os gentios verão o meu juízo, que eu tiver executado, e a minha mão, que sobre elas tiver descarregado." (Ez 39.16,21).

"Naquele dia haverá estrada do Egito até à Assíria, e os assírios virão ao Egito, e os egípcios irão à Assíria; e os egípcios servirão com os assírios.Naquele dia Israel será o terceiro com os egípcios e os assírios, uma bênção no meio da terra." (Is 19.23-24).

  • 1 SALES, Dickson de Medeiros. Apocalipse: O Livro da História da Terra. Natal, RN: Autor, 2007.
  • 2 PENTECOST, J. Dwight. Manual de Escatologia (Things to Come). São Paulo: Ed. Vida, 1998.
  • 3 LINDSAY, Hal. The Late Great Planet Earth. MIchigan: Zondervan Publish House Grand Rapids, 1977.