Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde maio de 2015).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
CES/JF
Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora
CES JF.jpg
Fundação 1972 [1] [2]
Tipo de instituição Privada, com fins lucrativos
Mantenedora Sociedade Mineira de Cultura
Reitor(a) Carlos Henrique Oliveira e Silva Paixão
Campi Campus Acadêmia
Campus Arnaldo Janssen
Campus Verbum Divinum
Centro Gastronômico
Seminário Santo Antônio
Estado  Minas Gerais
Afiliações Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Academia de Comércio de Juiz de Fora
Página oficial CESJF.br
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora é uma tradicional instituição de ensino superior, uma das primeiras faculdades privadas a serem fundadas e a primeira a oferecer cursos noturnos na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Seus cursos de graduação são autorizados ou reconhecidos pela portaria SERES, do Ministério de Educação Nacional.

Em 25 de fevereiro de 2011, foi publicada a Portaria MEC nº. 555, que autorizou a transferência de mantença do CES/JF para a Sociedade Mineira de Cultura, a mesma mantenedora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e outras instituições. No dia 31 de março do mesmo ano, efetivou-se a referida transferência, com a posse da SMC.

História[editar | editar código-fonte]

A história do CES/JF remonta a 1891, quando teve início o funcionamento da Academia do Comércio de Juiz de Fora, fundada para formar profissionais na área de finanças, que o crescimento econômico da cidade demandava.

Em 1901, a Congregação do Verbo Divino assume a Academia e imprime uma proposta de educação verbita à instituição, condizente com seus preceitos cristãos. A escola, voltada para a Educação Básica (antiga pré-escola, o primário, o ginásio e o secundário) passou a denominar-se Colégio Cristo Redentor. Entretanto, o nome Academia permanece, até hoje, no imaginário da população da cidade de Juiz de Fora, principalmente quando a referência é feita ao complexo de unidades, tanto do Colégio de Educação Básica quanto dos diversos cursos e modalidades do Ensino Superior do CES/JF[3] .

A partir daquela data, no início do século XX, outras escolas surgiram e a educação em Juiz de Fora tomou vulto. Aos poucos, novos cursos e faculdades foram criados, como a Faculdade de Economia, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras e a Escola de Farmácia, que, por volta de 1972, com a criação da Universidade Federal de Juiz de Fora, foram incorporadas pela nova instituição.

Atendendo às necessidades da cidade e região e retomando sua tradicional vocação para a educação e a ciência, além da experiência acumulada no Ensino Superior, a Congregação do Verbo Divino define a criação do Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora – CES/JF, em 1972, após chancela do Governo Federal, e oferece, inicialmente, os cursos de Pedagogia, Psicologia, Letras (licenciatura curta), Estudos Sociais (licenciatura curta), Ciências (licenciatura curta) e Artes Industriais (Educação para o Lar e Técnicas Comerciais), reconhecidos entre 1975 e 1978.

Acadêmia do Comércio em 1915. Hoje, um dos Campus do CES JF.

Como a UFJF não funcionava no período noturno, o CES/JF, visando a suprir também a demanda daqueles que estavam inseridos no mercado de trabalho e buscavam formação superior a fim de ampliar suas possibilidades profissionais, criou e implantou cursos superiores nesse turno.

Em 1987, foi autorizado o funcionamento do Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados, proposto para atender as demandas da cidade e região diante do desenvolvimento da área eletrônica e micro-eletrônica.

Em 1992, os cursos de licenciatura (Letras, Estudos Sociais e Ciências), após solicitação e despacho do Ministério da Educação e Cultura, foram convertidos em licenciaturas plenas, com as seguintes habilitações: Licenciatura Plena em Letras (habilitação em Língua Portuguesa e Língua Inglesa); Licenciatura Plena em Estudos Sociais (habilitação em Geografia e História); Licenciatura Plena em Ciências (habilitação Matemática).

Campus Arnaldo Janssen do CES/JF

Atualmente[editar | editar código-fonte]

No ano de 2000, é concedida a autorização para o funcionamento do Curso de Fonoaudiologia e, em 2001, o Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados transforma-se em Bacharelado em Sistemas de Informação.

Através de convênio com a Arquidiocese de Juiz de Fora, viabilizaram-se os cursos de Licenciatura em Filosofia e Teologia que iniciaram suas atividades em 2001 e 2002, respectivamente.

Tendo em vista as alterações na legislação, o Curso de Estudos Sociais foi extinto e, em 2001, foram criados os Cursos de História e Geografia.

Em 2002, o Curso de Ciências Biológicas foi implantado.

Em 2005, os Cursos de Engenharia de Telecomunicações, Comunicação Social (Jornalismo, Publicidade e Propaganda) e de Arquitetura e Urbanismo passaram a ser oferecidos.

Ao longo desses anos, atento às solicitações educacionais da cidade e região, outros níveis e modalidades de formação superior foram ofertados pelo CES/JF: cursos de pós-graduação lato sensu – especialização – em diversas áreas correlatas aos cursos de graduação, e cursos de pós-graduação stricto sensu – Mestrado em Letras, Psicologia e Educação.

Campus Acadêmia do CES/JF

Acompanhando também as tendências e inovações do ensino superior, o CES/JF procurou ampliar o leque de opções na formação acadêmica e profissional, avançando, assim, na área da Tecnologia em nível superior, amparado pelas diretrizes e políticas estabelecidas pelo Ministério da Educação.

A seleção das áreas de abrangência dos Cursos de Tecnologia pelo CES/JF, feita em consonância com as tendências e potencialidades identificadas no mercado profissional de Juiz de Fora e região, levou à oferta dos cursos de Design de Moda e Gastronomia (autorizados em 2009 e já em funcionamento), Design de Interiores (autorizado em março de 2010 e já em funcionamento), Hotelaria (autorizado em novembro de 2010) e Gestão Desportiva e de Lazer (autorizado em fevereiro de 2011).

A instituição oferece hoje 20 (vinte) cursos de graduação e programas de pós-graduação Lato Sensu e Stricto Sensu (Mestrado em Letras), divididos em 4 (quatro) Campi ou unidades educacionais (Campus Academia de Comércio, Campus Verbum Divinum, Campus Arnaldo Janssen e Seminário Arquidiocesano Santo Antônio).

Cursos[editar | editar código-fonte]

Bacharelado e Técnico:

  • Administração
  • Arquitetura e Urbanismo   
  • Ciências Biológicas   
  • Comunicação Social - Jornalismo   
  • Comunicação Social - Publicidade e Propaganda   
  • Design de Interiores   
  • Design de Moda   
  • Engenharia de Software   
  • Engenharia de Telecomunicações   
  • Engenharia Elétrica    Filosofia   
  • Gastronomia   
  • Gestão de Recursos Humanos   
  • Marketing   
  • Psicologia   
  • Sistemas de Informação   
  • Teologia

Pós Graduação:

Lato Sensu (PUC Minas/Unidade Juiz de Fora)

  • Direito Civil Aplicado
  • Direito do Trabalho
  • Direito Público
  • Gerenciamento de Projetos
  • Gestão de Negócios
  • Gestão de Pessoas
  • Psicologia Organizacional e do Trabalho

Stricto Sensu

  • Mestrado em Letras

Missão e Valores[editar | editar código-fonte]

MISSÃO

O Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora se fundamenta nos princípios da ética, tendo por missão a produção e difusão do conhecimento que promova a formação humana e profissional, orientada por critérios de qualidade, competência e relevância social que levem à construção de uma sociedade fraterna e justa[4] .

VISÃO

Ser uma instituição de referência local e regional, reconhecida pela excelência de seus cursos, serviços e pesquisa, caracterizada pela inovação e pela ação solidária que promovam a interação com a comunidade, a qualidade de vida e a interlocução entre saberes[5] .

VALORES

Como instituição de ensino superior, que visa à formação humana e profissional integral à luz do diálogo profético, tem no espírito de criatividade, liberdade de expressão e entusiasmo os valores norteadores de suas ações em busca de uma consciência ética:

Diálogo profético: poder falar sobre o futuro; estar sempre em busca da verdade; trazer o encontro com a luz do espírito. Criatividade: para inovar, construir novos paradigmas, elaborar alternativas tecnológicas, para ampliar horizontes. Liberdade: para garantir a autonomia e o direito ao diálogo, como forma de expressão do seu próprio ser, respeitando as diversidades. Entusiasmo: para alcançar as metas de crescimento institucional, pela excelência no atendimento ao aluno em suas necessidades, pela atitude dialogal, pelo respeito e empatia com o próximo. Consciência ética: para difundir os valores da essência da educação católica por meio de uma conduta íntegra e transparente, na busca da Verdade[6] .

Objetivo Geral[editar | editar código-fonte]

Um dos dois prédios do campus Verbum Divinum do CES/JF

Manter a excelência acadêmica no ensino nas áreas de conhecimento em que atua, a fim de se constituir como um centro de referência para a cidade de Juiz de Fora e para a região de sua abrangência, desenvolvendo uma política que conjuga diversos fatores:

qualificação do corpo docente, inovação nos projetos pedagógicos e nas abordagens metodológicas, orientação e acompanhamento dos discentes em suas atividades acadêmicas de ensino-pesquisa-extensão, equipe administrativa e infra-estrutura adequada;

formar profissionais nas diversas áreas em que atua com competência profissional e responsabilidade social;

formar profissionais que contribuam, efetivamente, para o desenvolvimento da sociedade brasileira em bases democráticas e para a ampliação das igualdades sociais;

estimular a criação cultural, o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento crítico e socialmente responsável;

suscitar o desejo permanente de atualização e de aperfeiçoamento profissional e cultural para o aprimoramento e otimização das ações profissionais comprometidas com o bem estar social;

incentivar o trabalho de pesquisa e de investigação científica, tendo em vista o desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da cultura, bem como sua difusão, a partir da compreensão do mundo e do homem contemporâneo;

divulgar os conhecimentos culturais, científicos e técnicos que se constituem em patrimônio da humanidade, comunicando-o por meio do ensino e de publicações diversas;

promover a extensão, a partir do conhecimento dos problemas sociais existentes, oferecendo serviços especializados à comunidade, resultantes da criação cultural, da pesquisa científica e tecnológica, estabelecendo com a sociedade uma relação de reciprocidade.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]