Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF) é uma tradicional instituição de ensino superior da cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.


A história do CES/JF remonta a 1891, quando teve início o funcionamento da Academia do Comércio de Juiz de Fora, fundada para formar profissionais na área de finanças, que o crescimento econômico da cidade demandava.

Em 1901, a Congregação do Verbo Divino assume a Academia e imprime uma proposta de educação verbita à instituição, condizente com seus preceitos cristãos. A escola, voltada para a Educação Básica (antiga pré-escola, o primário, o ginásio e o secundário) passou a denominar-se Colégio Cristo Redentor. Entretanto, o nome Academia permanece, até hoje, no imaginário da população da cidade de Juiz de Fora, principalmente quando a referência é feita ao complexo de unidades, tanto do Colégio de Educação Básica quanto dos diversos cursos e modalidades do Ensino Superior do CES/JF.

A partir daquela data, no início do século XX, outras escolas surgiram e a educação em Juiz de Fora tomou vulto. Aos poucos, novos cursos e faculdades foram criados, como a Faculdade de Economia, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras e a Escola de Farmácia, que, por volta de 1972, com a criação da Universidade Federal de Juiz de Fora, foram incorporadas pela nova instituição.

Atendendo às necessidades da cidade e região e retomando sua tradicional vocação para a educação e a ciência, além da experiência acumulada no Ensino Superior, a Congregação do Verbo Divino define a criação do Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora – CES/JF, em 1972, após chancela do Governo Federal, e oferece, inicialmente, os cursos de Pedagogia, Psicologia, Letras (licenciatura curta), Estudos Sociais (licenciatura curta), Ciências (licenciatura curta) e Artes Industriais (Educação para o Lar e Técnicas Comerciais), reconhecidos entre 1975 e 1978.

Como a UFJF não funcionava no período noturno, o CES/JF, visando a suprir também a demanda daqueles que estavam inseridos no mercado de trabalho e buscavam formação superior a fim de ampliar suas possibilidades profissionais, criou e implantou cursos superiores nesse turno.

Em 1987, foi autorizado o funcionamento do Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados, proposto para atender as demandas da cidade e região diante do desenvolvimento da área eletrônica e micro-eletrônica.

Em 1992, os cursos de licenciatura (Letras, Estudos Sociais e Ciências), após solicitação e despacho do Ministério da Educação e Cultura, foram convertidos em licenciaturas plenas, com as seguintes habilitações: Licenciatura Plena em Letras (habilitação em Língua Portuguesa e Língua Inglesa); Licenciatura Plena em Estudos Sociais (habilitação em Geografia e História); Licenciatura Plena em Ciências (habilitação Matemática).

No ano de 2000, é concedida a autorização para o funcionamento do Curso de Fonoaudiologia e, em 2001, o Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados transforma-se em Bacharelado em Sistemas de Informação.

Através de convênio com a Arquidiocese de Juiz de Fora, viabilizaram-se os cursos de Licenciatura em Filosofia e Teologia que iniciaram suas atividades em 2001 e 2002, respectivamente.

Tendo em vista as alterações na legislação, o Curso de Estudos Sociais foi extinto e, em 2001, foram criados os Cursos de História e Geografia.

Em 2002, o Curso de Ciências Biológicas foi implantado.

Em 2005, os Cursos de Engenharia de Telecomunicações, Comunicação Social (Jornalismo, Publicidade e Propaganda) e de Arquitetura e Urbanismo passaram a ser oferecidos.

Ao longo desses anos, atento às solicitações educacionais da cidade e região, outros níveis e modalidades de formação superior foram ofertados pelo CES/JF: cursos de pós-graduação lato sensu – especialização – em diversas áreas correlatas aos cursos de graduação, e cursos de pós-graduação stricto sensu – Mestrado em Letras, Psicologia e Educação.

Acompanhando também as tendências e inovações do ensino superior, o CES/JF procurou ampliar o leque de opções na formação acadêmica e profissional, avançando, assim, na área da Tecnologia em nível superior, amparado pelas diretrizes e políticas estabelecidas pelo Ministério da Educação.

A seleção das áreas de abrangência dos Cursos de Tecnologia pelo CES/JF, feita em consonância com as tendências e potencialidades identificadas no mercado profissional de Juiz de Fora e região, levou à oferta dos cursos de Design de Moda e Gastronomia (autorizados em 2009 e já em funcionamento), Design de Interiores (autorizado em março de 2010 e já em funcionamento), Hotelaria (autorizado em novembro de 2010) e Gestão Desportiva e de Lazer (autorizado em fevereiro de 2011).

A instituição oferece hoje 20 (vinte) cursos de graduação e programas de pós-graduação Lato Sensu e Stricto Sensu (Mestrado em Letras), divididos em 4 (quatro) Campi ou unidades educacionais (Campus Academia de Comércio, Campus Verbum Divinum, Campus Arnaldo Janssen e Seminário Arquidiocesano Santo Antônio).

Em 25 de fevereiro de 2011, foi publicada a Portaria MEC nº. 555, que autorizou a transferência de mantença do CES/JF para a Sociedade Mineira de Cultura, a mesma mantenedora da PUC Minas e do Colégio Santa Maria. No dia 31 de março do mesmo ano, efetivou-se a referida transferência, com a posse da SMC.

MISSÃO

O Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora se fundamenta nos princípios da ética, tendo por missão a produção e difusão do conhecimento que promova a formação humana e profissional, orientada por critérios de qualidade, competência e relevância social que levem à construção de uma sociedade fraterna e justa.

VISÃO

Ser uma instituição de referência local e regional, reconhecida pela excelência de seus cursos, serviços e pesquisa, caracterizada pela inovação e pela ação solidária que promovam a interação com a comunidade, a qualidade de vida e a interlocução entre saberes.

VALORES

Como instituição de ensino superior, que visa à formação humana e profissional integral à luz do diálogo profético, tem no espírito de criatividade, liberdade de expressão e entusiasmo os valores norteadores de suas ações em busca de uma consciência ética:

Diálogo profético: poder falar sobre o futuro; estar sempre em busca da verdade; trazer o encontro com a luz do espírito. Criatividade: para inovar, construir novos paradigmas, elaborar alternativas tecnológicas, para ampliar horizontes. Liberdade: para garantir a autonomia e o direito ao diálogo, como forma de expressão do seu próprio ser, respeitando as diversidades. Entusiasmo: para alcançar as metas de crescimento institucional, pela excelência no atendimento ao aluno em suas necessidades, pela atitude dialogal, pelo respeito e empatia com o próximo. Consciência ética: para difundir os valores da essência da educação católica por meio de uma conduta íntegra e transparente, na busca da Verdade.


Objetivo Geral

Manter a excelência acadêmica no ensino nas áreas de conhecimento em que atua, a fim de se constituir como um centro de referência para a cidade de Juiz de Fora e para a região de sua abrangência, desenvolvendo uma política que conjuga diversos fatores:

qualificação do corpo docente, inovação nos projetos pedagógicos e nas abordagens metodológicas, orientação e acompanhamento dos discentes em suas atividades acadêmicas de ensino-pesquisa-extensão, equipe administrativa e infra-estrutura adequada; formar profissionais nas diversas áreas em que atua com competência profissional e responsabilidade social; formar profissionais que contribuam, efetivamente, para o desenvolvimento da sociedade brasileira em bases democráticas e para a ampliação das igualdades sociais; estimular a criação cultural, o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento crítico e socialmente responsável; suscitar o desejo permanente de atualização e de aperfeiçoamento profissional e cultural para o aprimoramento e otimização das ações profissionais comprometidas com o bem estar social; incentivar o trabalho de pesquisa e de investigação científica, tendo em vista o desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da cultura, bem como sua difusão, a partir da compreensão do mundo e do homem contemporâneo; divulgar os conhecimentos culturais, científicos e técnicos que se constituem em patrimônio da humanidade, comunicando-o por meio do ensino e de publicações diversas; promover a extensão, a partir do conhecimento dos problemas sociais existentes, oferecendo serviços especializados à comunidade, resultantes da criação cultural, da pesquisa científica e tecnológica, estabelecendo com a sociedade uma relação de reciprocidade.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]