Christa Wolf

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Christa Wolf
Christa Wolf
Nacionalidade Alemanha alemã
Data de nascimento 29 de março de 1929
Data de falecimento 1 de dezembro de 2011 (82 anos)
Cidadania Cidadania Alemanha alemã(o) desde 1936, cancelada em 2011

Christa Wolf (nascida Christa Ihlenfeld, Gorzów Wielkopolski, 18 de março de 1929 - 1 de dezembro de 2011[1] ) foi uma escritora, ensaísta e crítica literária alemã.

Após a derrota da Alemanha na Segunda Guerra Mundial em 1945, mudou-se com familiares para a comunista Alemanha Oriental. Militou no Partido Socialista da RDA. Durante a Guerra Fria, opôs-se ao governo da RDA, mantendo-se fiel ao marxismo. Opôs-se à reunificação alemã.

A sua obra reflete as experiências que teve durante a Segunda Guerra Mundial e a sua vida durante o pós-guerra. Entre as suas novelas podem-se mencionar "O céu dividido" (1963), "Reflexiones sobre Christa T." (1968), severamente criticada na Alemanha Oriental; "Mostra de infância "(1976); "Cassandra" (1983), o seu livro mais lido, que vincula o poder nuclear e o patriarcal; "O que resta" (1990), que trata da vigilância do governo e os seus próprios contactos com a polícia secreta, e "Medea:Stimmen", novela que reelabora o mito trágico grego.

Obras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Obituário de Christa Wolf no Die Welt; Acesso em 1 de dezembro de 2011
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Christa Wolf