Classe King George V

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Classe King George V
King George V em Apra Harbor (Guam) 1945
King George V em Apra Harbor (Guam) 1945
Origem    Bandeira do país de origem
Lançamento 1932
Unidade inicial 1927
Em serviço 1927 a 1947
Utilizadores Naval Ensign of the United Kingdom.svg Royal Navy
Tipo Couraçado
Características gerais
Deslocamento 37.338 ton padrão, 42.753,28 ton com carga máxima
Comprimento 227,1 m
Boca 31,4 m
Calado 9,9 m
Propulsão Turbinas a vapor acopladas Parsons; oito caldeiras Admiralty; 110.000 cv; quatro eixos
Velocidade 28 nós (51,9 km / h)
Armamento Canhões: 10 de 356 mm; 16 de 133 mm de dupla função, 32/48 de duas libras AA; três/quatro torres de única função no King George V e no Prince of Walles.
Aeronaves 1 ( Nelson ) / 2 ( Rodney ) a partir de 1934
Equipamentos especializados Aviões : 4 Supermarine Walrus seaplanes; Catapulta: 1 double-ended
Tripulação 1.314 a 1.631

Os navios da Classe King George V, formaram uma série de cinco encouraçados da Marinha Inglesa, que combateram na Segunda Guerra Mundial.

Projeto[editar | editar código-fonte]

O projeto dos couraçados da classe King George V foi bastante restringido desde o início, por motivos políticos. Pelo Tratado de Londres de 1930, os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e o Japão estavam de acordo com uma moratória de cinco anos para construções novas. Isto significava, portanto que nenhum couraçado britânico poderia ser lançado antes de Janeiro de 1937, muito embora os franceses, italianos (que não eram signatários deste tratado) e os alemães que mantinham um acordo em separado com o ingleses), já tivessem iniciado a construção de seus próprios couraçados rápidos e poderosos.

Desta forma os ingleses tinham a esperança de obter um novo acordo, na conferência que iria acontecer em 1936, em que se fixasse, para novas contribuições, calibres de no máximo 356 mm.

Na prática tanto os Estados Unidos quanto o Japão, recusaram-se a aceitar estas limitações, pois já haviam iniciado construções com calibres de 406 e 460 mm.

Desta forma os ingleses não poderiam esperar as definições do tratado e iniciaram a construção com canhões de 356 mm tentando minimizar a liderança já alcançada por alguns vizinhos.

Armamento[editar | editar código-fonte]

Os canhões MK VII, de 356 mm disparavam projéteis de carga pesada (720 kg) a uma velocidade modesta e, com uma elevação máxima de 40º, atingindo distâncias de até 32.900 m. O projeto das torres baseou-se naqueles 381 mm da Primeira Guerra Mundial, exceto pelo fato dos paióis estarem localizados abaixo dos compartimentos de munições.1

Isto complicava as operações de guindagem, porém proporcionava uma cadencia de tiro de duas granadas por minuto. Frequentes falhas nos canhões e nas torres ocorreram quando os primeiros navios foram construídos, notadamente a bordo do Prince of Wales, durante a batalha contra o Bismarck quando ambas as torres “A” e “Y”, travaram. Todavia, estes problemas foram corrigidos e os canhões no futuro serem muito eficazes no decorrer da guerra.

História[editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros a entrar em combate foi Prince of Wales em ações contra o poderoso couraçado alemão Bismarck, enquanto ainda havia empregados do estaleiro a bordo, mas, mesmo assim conseguiu suportar dois impactos do couraçado alemão antes de abandonar a batalha.2

O King George V, neste mesmo episódio servia de nau-capitânia da frota inglesa e teve papel fundamental na batalha.

Referências

  1. John Jordan : Couraçados e Cruzadores, pag .41
  2. John Jordan : Couraçados e Cruzadores, p. 43

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Coleção 70º Aniversário da II Guerra Mundial, Abril, 2009 - Fasc. 10
  • Friedman, Norman:U.S. Battleships an illustrated design history ISBN 0-87021-715-1
  • John Jordan : Couraçados e Cruzadores, Nova Cultura, 1986
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Segunda Guerra Mundial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.