Cristina Bermudes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mosteiro de San Salvador de Cornellana fundado pela infanta Cristina Bermudes

Cristina Bermudes (ca. 982-Cornellana, Astúrias c. 1050) foi infanta de Leão, filha do rei Bermudo II e de sua primeira esposa, a rainha Velasquita Ramires.[1] Seus avós paternos eram Ordonho III e Urraca Fernandes, filha de Fernão Gonzalez, conde de Castela. Seus avós maternos foram, provavelmente, o conde Ramiro Mendes e sua esposa Adosinda Guterres, membros da mais alta nobreza galaico-portuguesa.[2]

Seu pai, o rei Bermudo, havia repudiado sua primeira esposa e se casou em novembro 991 com Elvira Garcia, filha do conde Garcia Fernandez. Os filhos deste último casamento foram o futuro rei Afonso V e as infantas Sancha e Teresa Bermudes. Cristina deixou a corte de Leão e foi para Oviedo com sua mãe.[3]

Teresa e Sancha Bermudes, meias-irmãs da infanta Cristina

Casamento e prole[editar | editar código-fonte]

Cristina se casou logo após 1000 e antes de 1016 com Ordonho Ramirez o Cego,[4] [3] filho do rei Ordonho III e Sancha Gómez. Desse casamento, provavelmente patrocinado pela rainha Velasquita e pela rainha viúva Teresa Ansúrez, ambas ja reclusas no Mosteiro de San Pelayo de Oviedo,[5] descende uma das mais importantes linhagem das Asturias do século XI. Rodrigo Jiménez de Rada menciona em sua crônica do rei Bermudo II de Leão a descendência de os infantes Ordonho e Cristina: "... de Velasquita teve a Infanta Cristina, Cristina tinha do Ordonho o cego, filho do Rei Ramiro, a Afonso, Ordonho, a Condessa Pelaya e a Aldonça", informação que coincide com a documentação de vários mosteiros asturianos, incluindo, Cornellana, Mosterio de São João Bautista de Corias e a Catedral de Oviedo[6] [7] onde seus filhos são nombrados como: Alfonso; Aldonça, Ordonho; e Pelaya Ordonhes, tambem chamada "Dona Palla".[4]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Mosteiro de San Salvador de Cornellana, mosteiro fundado pela Infanta Cristina

A Infanta Cristina ficou viúva em 1024, como declarou em uma doação feita ao mosteiro que fundou em Cornellana no mesmo ano.[4] [8] Morreu entre 1051 e 1067 e,[9] provavelmente, foi sepultada neste mosteiro onde professou como religiosa.[10]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em espanhol, cujo título é «Cristina Bermúdez», especificamente desta versão.
  • Calleja Puerta, Miguel. El conde Suero Vermúdez, su parentela y su entorno social: La aristocracia asturleonesa en los siglos XI y XII (em ). [S.l.]: KRK Ediciones, 2001. ISBN 84-95401-68-1.
  • García Álvarez, Manuel Rubén. (1960). "¿La Reina Velasquita, nieta de Muniadona Díaz?" (em Espanhol). Revista de Guimarães (70): 197-230. Guimarães: Sociedade Martins Sarmento. ISSN 0871-0759.
  • Sánchez Candeira, Alfonso. (1950). "La reina Velasquita de León y su descendencia" (em espanhol). Hispania: Revista española de historia (40): 449-505. ISSN 0018-2141.
  • Torres Sevilla-Quiñones de León, Margarita Cecilia. Linajes nobiliarios de León y Castilla: Siglos IX-XIII (em ). Salamanca: Junta de Castilla y León, Consejería de educación y cultura, 1999. ISBN 84-7846-781-5.