Cubo 2: Hipercubo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cubo 2: Hipercubo
Cubo 2 Hipercubo (PT/BR)
 Canadá
2002 • cor • 95 min 
Direção Andrzej Sekula
Produção Ernie Barbarash
Roteiro Sean Hood
Ernie Barbarash
Lauren McLaughlin
Elenco Kari Matchett
Geraint Wyn Davies
Grace Lynn Kung
Matthew Ferguson
Neil Crone
Barbara Gordon
Lindsey Connell
Greer Kent
Bruce Gray
Philip Akin
Género ficção científica suspense
Idioma Inglês
Música Norman Orenstein
Efeitos especiais Jeff Skochko
Cinematografia Andrzej Sekula
Edição Mark Sanders
Estúdio Ghost Logic
Lions Gate Films
Distribuição Canadá Lions Gate Films
Brasil Imagem Filmes
Lançamento Alemanha 29 de julho de 2002
Portugal 26 de fevereiro de 2003
Cronologia
Último
Último
Cube
Cube Zero
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Cube 2: Hypercube (br/pt:Cubo 2 Hipercubo ) é um filme canadense de 2002, do gênero ficção científica e é a sequela do filme Cube. Este filme teve um orçamento muito superior ao seu antecessor, e um novo director, Andrzej Sekula.

O estilo industrial das salas foi substituído por um estilo futurístico, com mais iluminação. As anteriores armadilhas também foram substituídas por armadilhas, aparentemente, mais modernas. Tal como no primeiro filme, as salas do cubo movem-se, mas novas características foram introduzidas em algumas salas, distorção do espaço/tempo e falta de gravidade.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O misterioso projecto do cubo continua. Novamente são colocadas pessoas no cubo, porém com novas armadilhas. Sem saberem ao certo o motivo do cubo, a única coisa que querem é sair do claustrofóbico cubo. Com o decorrer do tempo eles percebem que não apenas as armadilhas estão presentes como alguma espécie de distorção do espaço/tempo afecta o funcionamento das salas.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Diferente do primeiro filme, todas as personagens têm uma ligação com a empresa Izon, que desenvolveu o cubo.

  • Kate Filmore (Kari Matchett): Uma psicóloga que tem a sua ligação com o projecto cubo revelada apenas no fim do filme. É a única a escapar do cubo, mas é assassinada por um soldado. Num fim alternativo Kate aparece como um soldado especial que aparentemente entrou no cubo para recuperar um dispositivo de gravação contido no colar de Sasha/Alex.
  • Simon Grady (Geraint Wyn Davies): Um detetive privado que estava a procura de uma funcionária da empresa Izon, Rebecca Young, também prisioneira no cubo.
  • Max Reisler (Matthew Ferguson): Um hacker envolvido em uma disputa no tribunal com uma empresa, Cyber Thrill, que roubou a sua ideia para um jogo. Esta empresa usou sua idéia para fazer o cubo e é uma subsidiária da empresa Izon.
  • Julia Sewell (Lindsey Connell): Uma advogada de defesa da empresa Izon.
  • Sra. Paley (Barbara Gordon): Uma matemática teórica aposentada com mal de Alzheimer que anteriormente trabalhou para a empresa Izon.
  • Coronel Thomas H. Maguire (Bruce Gray): Um homem que parece ter tido uma ligação muito próxima com o projecto do cubo. Ele faz uma referência ao cubo do primeiro filme: "O primeiro tinha números! Dai-me algo pelo menos!" Ele foi quem desenvolveu o sistema de número do primeiro cubo. Devido às característica deste novo cubo, ele acaba por morrer duas vezes em duas salas que parecem ter uma realidade paralela.
  • Rebecca Young (Greer Kent): Funcionária da Izon. Seus pais contrataram Simon Grady para encontrá-la.
  • Jerry Whitehall (Neil Crone): Um designer que trabalhou em alguns mecanismos do cubo incluindo os painéis para as portas. Aparenta ter algum conhecimento de Física quântica.
  • Sasha (Grace Lynn Kung): Uma adolescente cega que inicialmente não tem qualquer ligação com a empresa Izon, mas no fim é revelado que na verdade ela é Alex Trusk.
  • Dr. Rozenzweig (Andrew Scorer): Um vencedor do Prémio Nobel que já estava preso no cubo por algum tempo até ser encontrado pelo grupo liderado por Kate. Ele é a pessoa que deduz quando a natureza instável do cubo irá destruí-lo. Aparentemente, este é o único motivo para ele ter sido deixado no cubo apenas com uma caneta.
Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Armadilhas[editar | editar código-fonte]

Todas as armadilhas no hipercubo são um resultado do desequilíbrio natural, e como prova do facto é que somente uma sala com portas que leva à mesma sala em um diferente estado, em 4 dimensões.

  • Algumas salas parecem não ter gravidade. Isto somente acontece porque a sala ao lado girou em relação a actual.
  • Algumas salas movem-se no tempo e/ou espaço relativamente à outras salas. Desse modo uma sala pode ter um tempo mais rápido em relação a outra. É possível observar os efeitos disso quando as personagens vêem os ocupantes de outra sala envelhecerem mais rápido.
  • Salas podem mover-se entre outras, isso acontece movendo as paredes de uma sala para outra. Este acontecimento pode ser observado quando uma sala com o tempo mais rápido move-se para dentro de uma sala com o tempo normal, onde encontra-se o Coronel. Ele acaba por morrer pois, conforme a parede se move, uma parte do seu corpo envelhece mais rápida que o resto. De resto, pode-se dizer que este acontecimento funciona como um hipercubo.

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Indicado
Fantasporto
  • Ganhou
Fantasporto

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.