Decamerão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Boccaccio retratado por Andrea del Castagno, exibe sua obra-prima, o Decamerão.

Decameron[nota 1] (Decamerão ou Decameron: ou Príncipe Galeotto[2] (título no Brasil) ou Decameron[3] (título em Portugal) (vocábulo com origem no grego antigo: deca, "dez", hemeron, "dias", "jornadas") é uma coleção de cem novelas escritas por Giovanni Boccaccio entre 1348 e 1353.

A obra é considerada um marco literário na ruptura entre a moral medieval, em que se valorizava o amor espiritual, e o início do realismo, iniciando o registro dos valores terrenos, que veio redundar no humanismo; nele não mais o divino, mas a natureza, dita o móvel da conduta do homem. Foi escrito em dialeto toscano.[4]

A obra e seu contexto[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Com subtítulo de Príncipe Galeotto, o Decamerão marca com certa nitidez o período de transição vivido na Europa com o fim da Idade Média, após o advento da Peste Negra — aliás é neste período de terror que a narrativa se passa.

Dez jovens (sete moças e três rapazes) fogem das cidades tomadas pela pandemia que dizimava impiedosamente o continente europeu ao se recolherem a uma casa de campo. Aconselhados por Pampinéia, a mais velha entre as mulheres, estabaleceram que escolheriam um chefe para o grupo para cada dia. Sendo ela a primeira escolhida, definiu: "(...)Para os que vierem depois, o processo de escolha será o seguinte: quando se vier aproximando a hora do surgimento de Vênus, no céu, à tarde, o chefe será, à vez de cada um, escolhido por aquele, ou aquela, que estiver comandando durante o dia.(...)"

O Decamerão, rompendo com a mítica literatura medieval, é considerado o primeiro livro realista da literatura.

As circunstâncias descritas em Decamerão têm o senso medieval de numerologia e significados místicos. Por exemplo, é amplamente acreditado que as sete moças representam as Quatro Virtudes Cardinais (Prudência, Justiça, Fortaleza, Temperança) e as Três Virtudes Teologais (Fé, Esperança e Caridade). E mais além é suposto que os três homens representam a Divisão da Alma em Três Partes (Razão, Ira e Luxúria) da tradição helênica.

As moças tinham idade entre 18 e 28 anos, eram bonitas e de origem nobre, e seu comportamento honesto. Agrupadas por acaso na igreja de Santa Maria Novela, resolvem continuar juntas e logo surgem três moços, com idade a partir dos 25 anos, agradáveis e bem educados, que procuravam suas amadas, que eram 3 das moças ali reunidas.

A Peste[editar | editar código-fonte]

Ilustração da peste negra na Bíblia (c. 1411).

A narrativa oferecida por Boccaccio sobre o flagelo da peste negra que dizimara a Europa constitui um verdadeiro documento acerca desta praga que devastara o continente. Seu relato ilustra a doença (suas manifestações, evolução, sintomas, etc.), bem como a reação das pessoas diante da perspectiva de uma morte horrenda, a ineficácia da religião católica dominante até aquele momento e de uma medicina quase ou totalmente ineficaz...

Um exemplo de sua descrição da peste dá-se logo no início da obra, pois ela (a peste) é a verdadeira razão de todo o livro:

...tínhamos já atingido o ano ... de 1348, quando, na mui importante cidade de Florença... sobreveio a mortífera pestilência... nenhuma prevenção valeu, baldadas todas as providências dos homens... Nem conselho de médico, nem virtude de mezinha alguma parecia trazer a cura ou proveito para o tratamento.
A peste, em Florença, não teve o mesmo comportamento que no Oriente. Neste, quando o sangue saía pelo nariz, fosse de quem fosse, era sinal evidente de morte inevitável... apareciam no começo, tanto em homens como em mulheres, ou na virilha ou na axila, algumas inchações... a que chamava o povo de bubões... - passava a repontar e a surgir por toda a parte. Em seguida, o aspecto da doença começou a alterar-se; apareciam manchas escuras ou pálidas nos doentes. Nuns, eram grandes e espalhadas; noutros, pequenas e abundantes."

Estimando as vítimas em Florença e arredores em cem mil mortos, o autor revela também dois tipos principais de conduta: um, da luxúria desenfreada (as pessoas que passavam a beber e entregar-se aos prazeres); outro, onde pessoas se recolhiam, fechadas em grupos, orando e praticando o ascetismo — além de tantos que agiam entre estes dois tipos, adotando condutas intermediárias. Numerosas levas de gente saíam das cidades, vagando pelos campos, reunindo-se nas igrejas. Foi numa delas que encontrou-se o inusitado grupo que serve como narrador do Decamerão.

Books-aj.svg aj ashton 01.png A Wikipédia possui o
Portal de Literatura

Autores influenciados pela obra[editar | editar código-fonte]

A forma inovadora e realista na qual os contos foram escritos por Boccaccio fez com que o Decamerão se tornasse uma fonte de referência para muitos escritores vindouros.

  • O primeiro conto (que fala do falso São Ciappelletto) foi depois vertido para o latim por Olímpia Fulvia Morata, e depois por Voltaire. Molière usou esta segunda tradução para criar a personagem título do seu Tartufo.
  • Martinho Lutero revisa o segundo conto, no qual um judeu se converte ao catolicismo após visitar Roma e ver a corrupção da hierarquia católica. Mas na sua versão ele e Philipp Melanchthon tentam converter o judeu em visita a Roma.
  • A parábola dos anéis (terceiro conto) está presente na obra de Gotthold Ephraim Lessing, em seu livro Nathan der Weise — um apelo à tolerância religiosa. Numa carta a seu irmão, datada de 11 de agosto de 1778 ele diz claramente ter conseguido sua história no Decamerão. Jonathan Swift também utilizou esta mesma história para A Tale of a Tub, seu primeiro trabalho publicado, uma bem humorada sátira religiosa.
  • Shakespeare fez uma tradução para o inglês do conto Frederico de Jennen, cujo enredo foi baseado no nono conto da segunda jornada. E O Mercador de Veneza teve clara influência do nono conto da terceira jornada.
  • Antonio Vivaldi escreveu a sua ópera Griselda sobre o argumento da décima novela da décima jornada.
  • Molière e Félix Lope de Vega usaram o terceiro conto da terceira jornada como base para suas respectivas peças teatrais: L'ecole de maris e Discreta enamorada.
  • Percy Bysshe Shelley, Alfred Tennyson, e muitos outros beberam na fonte do Decamerão em muitas de suas obras — uma influência que perpassa através dos séculos e das escolas literárias.

Fontes do Decamerão[editar | editar código-fonte]

Estátua de Boccaccio (exterior da Galeria Uffizi, Florença).

Não apenas Boccaccio influenciou os pósteros, foi ele próprio influenciado por outros autores, não apenas italianos, franceses e espanhóis — alguns de seus contos parecem ter sua origem remota em lugares como a Pérsia, Índia, etc.

Como exemplo, temos o quinto conto da segunda jornada, que fala de Andreuccio, remonta aos contos efésios, de Xenofonte de Éfeso. Até mesmo a sua descrição da Peste Negra não é original: baseia-se na História gentis Langobardorum, de Paulo, o Diácono, que viveu no oitavo século.

Alguns estudiosos sugerem além disso que muitos dos contos, para os quais não há uma referência anterior, basearam-se em versões que circulavam na tradição oral local, e que Boccaccio teria sido apenas o primeiro a registrá-los. O próprio autor diz ter ouvido alguns daqueles contos: é o caso do primeiro conto da sétima jornada que disse ter ouvido, quando criança, ser contado por uma velha mulher.

Este caráter de falta de originalidade na criação das histórias não implica dizer que Boccaccio os tenha reproduzido mecanicamente. Ele os recontou, trazendo-os para a linguagem atual do seu tempo; noutros casos reuniu duas histórias sem conexão entre si, formando uma terceira toda própria (como no segundo conto da segunda jornada, e no sétimo conto da sétima).

Decamerão: A história das marquesas de Monferrato, na Biblioteca Nacional da França

Além disso, muitos dos personagens realmente existiram, como Giotto di Bondone, Guido Cavalcanti, Saladino e o rei Guilherme II, da Sicília. Estudiosos conseguiram averiguar mesmo a existência de personagens menos conhecidos, como os famosos malandros Bruno e Buffalmacco, e a sua vítima, Calandrino. Outros personagens fictícios foram baseados em pessoas reais, como a Senhora Fiordaliso (conto 5 da 2ª jornada), que baseia-se numa Senhora Flora, que viveu em Nápoles. Mas não se pode deduzir que, tendo existido a pessoa, seja verdadeiro o fato narrado no Decamerão. Boccaccio intencionalmente muitas vezes confunde a História (caso do conto 3, 2ª jornada) e a Geografia (conto 2, 5ª jornada).

Os contos do Decamerão ultrapassam seus antecedentes, em complexidade, qualidade e capacidade narrativa. Embora muito poucos deles sejam longas narrativas, têm como características diálogos verossímeis, que prendem a atenção do leitor, de forma que suas ações e conclusão sejam perfeitamente lógicas em seu contexto.

Boccaccio também tornava as histórias que eram já conhecidas mais complexas e inteligentes. Um claro exemplo disso é o sexto conto da nona jornada, baseada num conto do francês Jean de Boves, em que desce a detalhes ao narrar as mudanças de camas ocorridas durante a noite, bem como a passagem da esposa do anfitrião por todas elas — que são elementos criado por Boccaccio, tornando a história mais humorística e complexa.

As novelas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Decamerão

Cem novelas integram a obra, falando sobretudo das idiossincrasias humanas. Nelas Boccaccio exibe de forma crua a natureza humana, como nunca antes a literatura havia exposto.

Notas

  1. No original Comincia il libro chiamato Decameron cognominato prencipe Galeotto, nel quale si contengono cento novelle in diece dì dette da sette donne e da tre giovani uomini.[1]

Referências

  1. Italica - Rinascimento - Parole chiave. www.italica.rai.it. Página visitada em 2010-03-23.
  2. Busca em diversas livrarias brasileiras
  3. BERTRAND LIVREIROS * Desde 1732. www.bertrand.pt. Página visitada em 2010-03-22.
  4. GUIMARÃES, Torrieri. Biografia de Boccaccio. In: Decamerão, vol. I, São Paulo: Abril Cultural, 1981.