Dokken

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Dokken
Informação geral
Origem Los Angeles, Califórnia
País  Estados Unidos
Gênero(s) Heavy metal
Hard rock
Glam metal
Período em atividade 1978–1989
1993–presente
Gravadora(s) Elektra
CMC
Afiliação(ões) Lynch Mob, Winger
Página oficial Site oficial

Dokken é uma banda estadunidense de heavy metal e hard rock[1] formada em 1978. Ao todo já vendeu mais de 10 milhões de discos em todo o mundo e esteve no topo de diversas paradas de sucesso ao longo dos anos.[2]

A formação original da banda era Don Dokken (vocal), George Lynch (guitarra), Juan Croucier (baixo) e Mick Brown (bateria). Em 1983, Croucier saiu da banda para ir para o Ratt e foi substituído por Jeff Pilson. Da formação original, somente Don e Mick continuam até hoje após vários membros passarem pela banda.

História[editar | editar código-fonte]

O Dokken como o próprio nome demonstra, foi uma banda idealizada por uma pessoa: Donald Dokken. O frontman desta banda se lançou no início da década de 80, com o ep “Breaking the Chains”, sob o nome de Don Dokken apenas. Ele tinha o apoio de Juan Croucier (baixista) que mais tarde viria a integrar o Ratt.

Don ficou conhecido no meio musical antes mesmo de gravar seu disco, já que ele fizera os vocais de guia do álbum “Blackout” do Scorpions, em razão de Klaus estar adoentado. Antes de se tornar vocalista, ele ainda tentou tocar guitarra e saxofone, mas não obteve grande resultado.

Don assinou contrato com a Elektra records, que achou melhor que o projeto fosse uma banda, e desta maneira ficaria apenas o nome Dokken. Os integrantes já haviam sido escolhidos: Jeff Pilson (b) George Lynch (g) e Mick Brown (D).

Em 1984, Lançaram “Tooth And Nail” que de cara, ganhou o público. Canções como “Just got Lucky” e “Into the Fire” embalavam as festinhas americanas.

Em 85 saiu “Under Lock and Key” e o sucesso triplicou. O Dokken entrava no páreo pela coroa de reis do hard californiano. Neste segundo álbum, encontra-se o hit “It’s not Love” e a incrível “Unchain the Night”.

O Dokken ia subindo cada vez mais. Turnês se seguiram, a banda era elogiada pela crítica, em principal George Lynch pela técnica e velocidade. Lançado o álbum “Back from the Attack” o Dokken chega ao seu ápice, sendo inclusive indicado para o Grammy Awards. George Lynch caia nas graças da mídia e era aclamado como um Deus da guitarra. Tais exageros inflaram o ego do músico que começou a bater de frente com Don Dokken.

Na turnê desse álbum saiu “Beast from the East”. Gravado ao vivo no Japão, esse disco rendeu ao Dokken a honrosa menção de a mais potente banda de hard ao vivo... superando Motley Crue e Quiet Riot.

George Lynch resolve sair da banda e montar o Lynch Mob, levando junto o baterista Mick Brown. Jeff Pilson foi trabalhar com Dio. Don Dokken voltou ao seu projeto inicial, seu álbum solo, com o nome de Don Dokken apenas. O resultado é “Up From the Ashes”, junto ao ex- Europe John Norum. O disco dividiu opiniões. O álbum é pesado e técnico, mas muitos diziam que faltava algo...

Sofrendo pressão da mídia Don e George fazem as pazes, ou melhor... fingem fazer as pazes. Gravam em 94 o acústico “One live night”. A gravadora pede por um novo álbum e eles lançam “Dysfunctional”. Com Jeff e Mick juntos, é claro, o álbum é bem recebido, mas as vendas ficam abaixo do esperado. George resolve tomar a frente da banda. Don deixa o trabalho em suas mãos...

Um produtor alternativo é contratado. Desde o primeiro contato com a banda, ele deixa bem claro que detesta hard rock e nunca gostou do Dokken, portanto seria tudo reformulado... “Shadowlife” é lançado. O disco é disparado o pior da carreira da banda, com uma sonoridade pobre e suja. O Dokken chega ao fundo do poço. O clima estava tão pesado que Don e George chegaram a sair no braço dentro do estúdio.

Com isso tudo, George sai novamente e cede o lugar a Reb Beach (ex-Winger). Em 97 eles lançam “Erase the Slate” na intenção de apagar a má impressão deixada pelo seu antecessor. O resultado é positivo, mas a banda acaba sofrendo outra baixa na guitarra. Reb Beach deixa seu posto para retornar ao Winger. John Norum assume e mais tarde eles gravam o disco “Long Way Home”. Canções como “Little girl” e “Under the gun” marcam uma nova fase do Dokken.

O problema crônico da banda ataca novamente e desta vez deixa sequelas... o guitarrista John Norum deixa a banda, e Jeff Pilson também não continua. Em seus lugares ficam Alex De Rosso e Barry Sparks respectivamente.

Mais tarde ambos saem, e em seus lugares entram Jon Levin e Sean McNabb, que permanecem na banda até hoje.


Don Dokken em 2008.

Membros atuais[editar | editar código-fonte]

  • Don Dokken – vocais e ocasionalmente guitarras (1978-1989, 1993–presente)
  • Jon Levin – guitarra (2004-presente)
  • Sean McNabb – baixo (2009-presente)
  • Mick Brown – bateria, vocais de apoio (1980-1989, 1993–presente)

Antigos membros[editar | editar código-fonte]

  • Steve Barry - guitarra (1978)
  • Greg Pecka - bateria (1978)
  • Peter Baltes - baixo (1978)
  • Greg Leon - guitarra (1978-1980)
  • Gary Holland - bateria (1978-1980)
  • Jeff Tappen - baixo (1978-1979)
  • Gary Link - baixo (1979-1980)
  • Juan Croucier – baixo (1980–1983)
  • George Lynch – guitarra (1980-1989, 1994-1999)
  • Jeff Pilson - baixo, vocais de apoio (1983-1989, 1993-2001)
  • Reb Beach – guitarra (1999–2001)
  • John Norum – guitarra (2001–2003)
  • Alex De Rosso - guitarra (2003-2004)
  • Barry Sparks – baixo, vocais de apoio (2001–2009)

Membros temporários para shows[editar | editar código-fonte]

  • John Norum – guitarra (1997–1999)
  • Mikkey D - baixo (Sweden Rock Festival de 2001)
  • Jeff Tappen - baixo
  • Frankie Banali - bateria (2002)
  • Adam Hamilton - baixo (2002)
  • Greg Smith - baixo (2005)
  • Sean McNabb - baixo (2006)
  • Chris McCarvill - baixo (2008)
  • Jeff Martin - bateria (2008)
  • Bobby Marks - bateria (2008)
  • Vik "Vikki" Foxx - bateria (8-2007)
  • BJ Zampa - bateria (2008-10)
  • Billy Dee -Baixo (2008)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio
  • Breaking the Chains (1983)
  • Tooth and Nail (1984)
  • Under Lock and Key (1985)
  • Back for the Attack (1987)
  • Dysfunctional (1995)
  • Shadowlife (1997)
  • Erase the Slate (1999)
  • Long Way Home (2002)
  • Hell to Pay (2004)
  • Lightning Strikes Again (2008)
  • Broken Bones (2012)

Referências