Quiet Riot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Quiet Riot
Quietriot2.jpg
Quiet Riot em sua formação clássica (da esquerda para a direita: Kevin Dubrow, Rudy Sarzo, Frankie Banali, Carlos Cavazo)
Informação geral
Origem Los Angeles, Califórnia
País  Estados Unidos
Gênero(s) Heavy metal, glam metal, hard rock
Período em atividade 19752003
20042008
2010–presente
Página oficial Site oficial (em inglês)
Integrantes Keith St. John
Frankie Banali
Chuck Wright
Alex Grossi
Ex-integrantes Randy Rhoads
Kelli Garni
Drew Forsyth
Kevin Dubrow
Rudy Sarzo
Carlos Cavazo
Sean McNabb
Paulo Shortino
Mark Huff

Quiet Riot é uma banda de heavy metal norte-americana.

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Eles começaram em 1973 pelo vocalista Kevin DuBrow; a banda se chamava Mach 1, depois se chamou Little Womam até 1975. A formação original era composta por Randy Rhoads (guitarra), Kelli Garni (baixo) e Drew Forsyth (bateria).

Randy Rhoads e Kelly Garni moravam na Califórnia e durante quatro anos tocaram em algumas bandas pequenas. Já estavam cansados de tocar em festas na região e, em 1975, juntaram-se a dois amigos, Kevin DuBrow (vocal) e Drew Forsyth (bateria), criando, assim, o Quiet Riot, que rapidamente tornou-se um dos grupos mais ativos de Heavy Metal da região de Los Angeles.

A saída de Randy Rhoads[editar | editar código-fonte]

Logo a Sony Record percebeu o talento do grupo e fechou um contrato para lançar dois álbuns, só que no Japão. Foram "Quiet Riot", em 1977, e "Quiet Riot II", em 1978. Estranhamente, os discos nunca foram lançados nos Estados Unidos. O plano para fazer a esperada turnê japonesa estava pronto, já que o disco estava bem no país, mas ele foi cancelado. Naquele mesmo ano, o grupo ainda enfrentou duas saídas, a de Kelly Garni e Randy Rhoads, que passou no teste para ser o guitarrista da banda de Ozzy Osbourne.

A nova formação e sucesso[editar | editar código-fonte]

O grupo se dispersou e Kevin criou uma nova banda com o baterista Frankie Banali e o baixista cubano Rudy Sarzo, mas com a chegada do novo guitarrista, Carlos Cavazo, eles decidiram fazer daquela reunião a volta do Quiet Riot. O grupo fechou um contrato com a Pasha Records e lançou, em 1983, Metal Health. O sucesso repentino do disco surpreendeu a todos e a canção "Cum on Feel the Noize", cover do Slade, foi direto para as paradas norte-americanas. Outra faixa importante no disco foi "Thunderbird", uma homenagem ao guitarrista Randy Rhoads, que havia falecido em um acidente um ano antes.

Crise[editar | editar código-fonte]

Condition Critical saiu em 1984 e trouxe mais uma canção cover do Slade, "Mama, Weer All Crazee Now". A crítica achou que o disco era uma cópia do anterior e o grupo enfrentou o início de uma crise. Quando recuperaram a atenção da mídia para "Quiet Riot III", que saiu em 1986, Rudy Sarzo abandonou o grupo e foi substituído por Chuck Wright. O álbum foi um fracasso e a turnê resultou em mais baixa para o Quiet Riot. Kevin DuBrow largou o grupo no Hawaii, onde tinha feito o último show da turnê e pegou um vôo mais cedo. Os conflitos internos ainda resultaram na saída de Chuck.

Foram dois anos para se recuperar de tanta saída e colocar mais um álbum nas lojas, "Quiet Riot". A nova formação ficou completa com a entrada de Sean McNabb, no baixo e Paulo Shortino (ex-Rough Cutt), no vocal. A turnê do disco estava pronta e o que parecia ser um promissor recomeço, foi apenas um pequeno suspiro. Os ex-integrantes Carlos e Frankie moveram uma ação que proibiu o grupo de usar o nome de Quiet Riot e eles pararam de tocar.

Reconciliação[editar | editar código-fonte]

A reconciliação só aconteceu em 1993, mesmo assim, só com parte da banda. Kevin, Carlos e Frankie lançaram "Terrified", que não chegou a fazer sucesso. Eles tentaram melhorar a imagem com outro lançamento no mesmo ano, "Randy Rhoads Years", que continha gravações do começo do grupo com o guitarrista, o que também não funcionou. Sem desistir, o Quiet Riot colocou no mercado, dois anos depois, "Down to the Bone", que também não emplacou.

Para o Quiet Riot voltar a se destacar foi preciso engolir os sapos do passado. Kevin DuBrow, Carlos Cavazo, Rudy Sarzo e Frankie Banali se reuniram novamente em 1997 e saíram em turnê mundial no ano seguinte, na qual foi gravado o disco "Alive & Well", em 1999. Um trabalho inédito só foi lançado em 2001, "Guilty Pleasures". Em 2003, DuBrow deu início ao um novo projeto e a banda encerrou suas atividades mais uma vez.

A Morte de DuBrow[editar | editar código-fonte]

Kevin DuBrow durante uma apresentação

O cantor americano Kevin DuBrow, vocalista da banda de heavy metal Quiet Riot, foi encontrado morto, no dia 25 de novembro de 2007, em sua casa em Las Vegas, informou a revista People. O roqueiro tinha 52 anos e era o único integrante que fazia parte da formação original da banda, composta pelo guitarrista Randy Rhoads, pelo baixista Kelli Garni e pelo baterista Drew Forsyth. As causas da morte de Dubrow não foram divulgadas. Em seu site oficial, a banda publicou uma nota lamentando a morte do líder. "Não sei o que dizer. Peço que respeitem nossa privacidade e a memória do nosso querido amigo", escreveu Frankie Banali, o atual baterista do Quiet Riot. O baixista da formação recente do grupo, Kelly Garni, afirmou que a banda deve se pronunciar oficialmente nas próximas 48 horas, assim que receber maiores informações da equipe que investiga a morte do cantor. O Quiet Riot alcançou certa notoriedade na década de 1980, regravando a música "Cum On Feel the Noize", (escrita por Jim Lea e Noddy Holder e produzida originalmente por Chas Chandler , Slade, em 1973), álbum de estréia "Metal Health", de 1983. O disco mais recente do grupo, "Rehab", foi lançado em 2006. A banda também tem belas participações em jogos de video-game. A primeira em 2002 com a música Cum On Feel the Noise, presente no Grand Theft Auto: Vice City. A segunda participação foi em 2006 com a música Metal Health (Bang Your Head ) no jogo Grand Theft Auto: Vice City Stories. E a terceira, também última, foi novamente com a música Metal Health (Bang Your Head), só que desta vez no Guitar Hero Encore Rock's The 80s, em 2007. A imprensa se manifestou dizendo que DuBrow morreu decorrente a uma overdose de cocaína, apesar de seus companheiros de banda não terem o conhecimento que ele ainda usava a droga.

A volta[editar | editar código-fonte]

Incentivado pela família de Dubrow - especialmente pela mãe do vocalista - Frankie Banali decidiu reativar a banda em 2010. Convocou o vocalista Mark Huff, o baixista Chuck Wright e o guitarrista Alex Grossi e o grupo iniciou uma excursão à Austrália nesse mesmo ano em conjunto com as bandas Warrant e L.A. Guns.[1] A nova formação do Quiet Riot continua junta até hoje.12

Em Janeiro de 2012, o vocalista Mark Huff foi substituído por Keith St. John. Em 2013, Foi substituido por Jizzy Pearl

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]


* Lançados apenas no Japão.

Singles[editar | editar código-fonte]

  • "It's Not So Funny" (1977)
  • "Slick Black Cadillac" (1979)
  • "Metal Health" (1983) #31 Hot 100
  • "Cum On Feel the Noize" (1983) #5 Hot 100
  • "Slick Black Cadillac" (1983)
  • "Bad Boy" (1984)
  • "Mama Weer All Crazee Now" (1984) #51 Hot 100
  • "Party All Night" (1984)
  • "Winners Take All" (1984)
  • "The Wild and the Young" (1986)
  • "Twilight Hotel" (1986)
  • "Stay with Me Tonight" (1988)
  • "Little Angel" (1993)

Ao vivo[editar | editar código-fonte]

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

Vídeografia[editar | editar código-fonte]

Ao vivo[editar | editar código-fonte]

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

Video clips[editar | editar código-fonte]

Quiet Riot no Brasil[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 1985, o Quiet Riot fez três apresentações no Brasil, uma no Rio de Janeiro , no Maracanãzinho, uma em São Paulo, no ginásio do Corinthians e uma em Porto Alegre, no Gigantinho. O grupo já não contava com Rudy Sarzo, que foi substituído na última hora por Cjell Benner. Para surpresa de todos e decepção de alguns, o grupo não trouxe nenhuma grande aparelhagem de som e luz, contando apenas com o básico. Ainda assim, usando de sua experiência e talento, o grupo fez uma apresentação bastante competente e divertida, com destaque para Dubrow e Banali - que, no show de São Paulo, agitou uma bandeira do Corinthians após seu solo para delírio da Fiel Torcida. O nível de som no ginásio do Corinthians foi considerado bom, mas o do Maracãzinho foi considerado péssimo. A abertura do show foi feita por Robertinho do Recife.[2] [3]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]