Quiet Riot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Quiet Riot
Quietriot2.jpg
Quiet Riot em sua formação clássica (da esquerda para a direita: Kevin Dubrow, Rudy Sarzo, Frankie Banali, Carlos Cavazo)
Informação geral
Origem Los Angeles, Califórnia
País  Estados Unidos
Gênero(s) Heavy metal, glam metal, hard rock
Período em atividade 19752003
20042008
2010 – presente
Página oficial Site oficial (em inglês)
Integrantes Keith St. John
Frankie Banali
Chuck Wright
Alex Grossi
Ex-integrantes Randy Rhoads
Kelli Garni
Drew Forsyth
Kevin Dubrow
Rudy Sarzo
Carlos Cavazo
Sean McNabb
Paulo Shortino
Mark Huff

Quiet Riot é uma banda de heavy metal norte-americana.

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Eles começaram em 1973 pelo vocalista Kevin DuBrow; a banda se chamava Mach 1, depois se chamou Little Womam até 1975. A formação original era composta por Randy Rhoads (guitarra), Kelli Garni (baixo) e Drew Forsyth (bateria).

Randy Rhoads e Kelly Garni moravam na Califórnia e durante quatro anos tocaram em algumas bandas pequenas. Já estavam cansados de tocar em festas na região e, em 1975, juntaram-se a dois amigos, Kevin DuBrow (vocal) e Drew Forsyth (bateria), criando, assim, o Quiet Riot, que rapidamente tornou-se um dos grupos mais ativos de Heavy Metal da região de Los Angeles.

A saída de Randy Rhoads[editar | editar código-fonte]

Logo a Sony Record percebeu o talento do grupo e fechou um contrato para lançar dois álbuns, só que no Japão. Foram "Quiet Riot", em 1977, e "Quiet Riot II", em 1978. Estranhamente, os discos nunca foram lançados nos Estados Unidos. O plano para fazer a esperada turnê japonesa estava pronto, já que o disco estava bem no país, mas ele foi cancelado. Naquele mesmo ano, o grupo ainda enfrentou duas saídas, a de Kelly Garni e Randy Rhoads, que passou no teste para ser o guitarrista da banda de Ozzy Osbourne.

A nova formação e sucesso[editar | editar código-fonte]

O grupo se dispersou e Kevin criou uma nova banda com o baterista Frankie Banali e o baixista cubano Rudy Sarzo, mas com a chegada do novo guitarrista, Carlos Cavazo, eles decidiram fazer daquela reunião a volta do Quiet Riot. O grupo fechou um contrato com a Pasha Records e lançou, em 1983, Metal Health. O sucesso repentino do disco surpreendeu a todos e a canção "Cum on Feel the Noize", cover do Slade, foi direto para as paradas norte-americanas. Outra faixa importante no disco foi "Thunderbird", uma homenagem ao guitarrista Randy Rhoads, que havia falecido em um acidente um ano antes.

Crise[editar | editar código-fonte]

Condition Critical saiu em 1984 e trouxe mais uma canção cover do Slade, "Mama, Weer All Crazee Now". A crítica achou que o disco era uma cópia do anterior e o grupo enfrentou o início de uma crise. Quando recuperaram a atenção da mídia para "Quiet Riot III", que saiu em 1986, Rudy Sarzo abandonou o grupo e foi substituído por Chuck Wright. O álbum foi um fracasso e a turnê resultou em mais baixa para o Quiet Riot. Kevin DuBrow largou o grupo no Hawaii, onde tinha feito o último show da turnê e pegou um vôo mais cedo. Os conflitos internos ainda resultaram na saída de Chuck.

Foram dois anos para se recuperar de tanta saída e colocar mais um álbum nas lojas, "Quiet Riot". A nova formação ficou completa com a entrada de Sean McNabb, no baixo e Paulo Shortino (ex-Rough Cutt), no vocal. A turnê do disco estava pronta e o que parecia ser um promissor recomeço, foi apenas um pequeno suspiro. Os ex-integrantes Carlos e Frankie moveram uma ação que proibiu o grupo de usar o nome de Quiet Riot e eles pararam de tocar.

Reconciliação[editar | editar código-fonte]

A reconciliação só aconteceu em 1993, mesmo assim, só com parte da banda. Kevin, Carlos e Frankie lançaram "Terrified", que não chegou a fazer sucesso. Eles tentaram melhorar a imagem com outro lançamento no mesmo ano, "Randy Rhoads Years", que continha gravações do começo do grupo com o guitarrista, o que também não funcionou. Sem desistir, o Quiet Riot colocou no mercado, dois anos depois, "Down to the Bone", que também não emplacou.

Para o Quiet Riot voltar a se destacar foi preciso engolir os sapos do passado. Kevin DuBrow, Carlos Cavazo, Rudy Sarzo e Frankie Banali se reuniram novamente em 1997 e saíram em turnê mundial no ano seguinte, na qual foi gravado o disco "Alive & Well", em 1999. Um trabalho inédito só foi lançado em 2001, "Guilty Pleasures". Em 2003, DuBrow deu início ao um novo projeto e a banda encerrou suas atividades mais uma vez.

A Morte de DuBrow[editar | editar código-fonte]

Kevin DuBrow durante uma apresentação

O cantor americano Kevin DuBrow, vocalista da banda de heavy metal Quiet Riot, foi encontrado morto, no dia 25 de novembro de 2007, em sua casa em Las Vegas, informou a revista People. O roqueiro tinha 52 anos e era o único integrante que fazia parte da formação original da banda, composta pelo guitarrista Randy Rhoads, pelo baixista Kelli Garni e pelo baterista Drew Forsyth. As causas da morte de Dubrow não foram divulgadas. Em seu site oficial, a banda publicou uma nota lamentando a morte do líder. "Não sei o que dizer. Peço que respeitem nossa privacidade e a memória do nosso querido amigo", escreveu Frankie Banali, o atual baterista do Quiet Riot. O baixista da formação recente do grupo, Kelly Garni, afirmou que a banda deve se pronunciar oficialmente nas próximas 48 horas, assim que receber maiores informações da equipe que investiga a morte do cantor. O Quiet Riot alcançou certa notoriedade na década de 1980, regravando a música "Cum On Feel the Noize", (escrita por Jim Lea e Noddy Holder e produzida originalmente por Chas Chandler , Slade, em 1973), álbum de estréia "Metal Health", de 1983. O disco mais recente do grupo, "Rehab", foi lançado em 2006. A banda também tem belas participações em jogos de video-game. A primeira em 2002 com a música Cum On Feel the Noise, presente no Grand Theft Auto: Vice City. A segunda participação foi em 2006 com a música Metal Health (Bang Your Head ) no jogo Grand Theft Auto: Vice City Stories. E a terceira, também última, foi novamente com a música Metal Health (Bang Your Head), só que desta vez no Guitar Hero Encore Rock's The 80s, em 2007. A imprensa se manifestou dizendo que DuBrow morreu decorrente a uma overdose de cocaína, apesar de seus companheiros de banda não terem o conhecimento que ele ainda usava a droga.

A volta[editar | editar código-fonte]

Incentivado pela família de Dubrow - especialmente pela mãe do vocalista - Frankie Banali decidiu reativar a banda em 2010. Convocou o vocalista Mark Huff, o baixista Chuck Wright e o guitarrista Alex Grossi e o grupo iniciou uma excursão à Austrália nesse mesmo ano em conjunto com as bandas Warrant e L.A. Guns.[1] A nova formação do Quiet Riot continua junta até hoje.12

Em Janeiro de 2012, o vocalista Mark Huff foi substituído por Keith St. John. Em 2013, Foi substituido por Jizzy Pearl

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]


* Lançados apenas no Japão.

Singles[editar | editar código-fonte]

  • "It's Not So Funny" (1977)
  • "Slick Black Cadillac" (1979)
  • "Metal Health" (1983) #31 Hot 100
  • "Cum On Feel the Noize" (1983) #5 Hot 100
  • "Slick Black Cadillac" (1983)
  • "Bad Boy" (1984)
  • "Mama Weer All Crazee Now" (1984) #51 Hot 100
  • "Party All Night" (1984)
  • "Winners Take All" (1984)
  • "The Wild and the Young" (1986)
  • "Twilight Hotel" (1986)
  • "Stay with Me Tonight" (1988)
  • "Little Angel" (1993)

Ao vivo[editar | editar código-fonte]

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

Vídeografia[editar | editar código-fonte]

Ao vivo[editar | editar código-fonte]

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

Video clips[editar | editar código-fonte]

Quiet Riot no Brasil[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 1985, o Quiet Riot fez três apresentações no Brasil, uma no Rio de Janeiro , no Maracanãzinho, uma em São Paulo, no ginásio do Corinthians e uma em Porto Alegre, no Gigantinho. O grupo já não contava com Rudy Sarzo, que foi substituído na última hora por Cjell Benner. Para surpresa de todos e decepção de alguns, o grupo não trouxe nenhuma grande aparelhagem de som e luz, contando apenas com o básico. Ainda assim, usando de sua experiência e talento, o grupo fez uma apresentação bastante competente e divertida, com destaque para Dubrow e Banali - que, no show de São Paulo, agitou uma bandeira do Corinthians após seu solo para delírio da Fiel Torcida. O nível de som no ginásio do Corinthians foi considerado bom, mas o do Maracãzinho foi considerado péssimo. A abertura do show foi feita por Robertinho do Recife.[2] [3]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]