Foco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Foco em geral é tomado como o centro de e é nessa asserção que é tomada como o ponto onde se concentram os raios luminosos que passam por uma superfície transparente. Alternativamente é o ponto de convergência ou donde saem emanações.

Óptica[editar | editar código-fonte]

O ponto focal F e a distância focal f de uma lente convergente, uma lente divergente, um espelho côncavo e um espelho convexo.

Na Óptica Geométrica, o foco é o ponto onde os raios de luz originários de um ponto no objeto convergem.

No caso de espelhos esféricos, o ponto focal está situado sobre o eixo central. A distância focal em espelhos esféricos é dada pela seguinte equação:


f = \frac{1}{2}\cdot{r}

Onde r é o raio de curvatura do espelho.

Nos espelhos côncavos, os raios paralelos e próximos ao eixo central são refletidos e convergem para o foco. Em um espelho convexo, os raios refletidos divergem, entretanto os prolongamentos desses raios convergem para o ponto focal. Se uma tela pequena for colocada no foco de um espelho côncavo, uma imagem pontual do objeto se forma na tela. Se for feito o mesmo experimento para um espelho convexo, não será formada imagem na tela. Isso ocorre pelo fato de que nos espelhos côncavos os raios de luz realmente se cruzam, ao contrário dos espelhos convexos, onde o cruzamento é apenas dos prolongamentos dos raios divergentes. Por esse motivo, o foco dos espelhos côncavos é considerado real com distância focal positiva e o foco dos espelhos convexos é considerado virtual com distância focal negativa. [1]

A relação entre a distância focal e as distâncias do objeto e da imagem para espelhos esféricos é dada pela seguinte equação:


\frac{1}{f} = \frac{1}{p} + \frac{1}{i}

Onde

  • p = distância do objeto ao espelho.
  • i = distância da imagem ao espelho.

No caso de lentes, os raios de luz que são incididos sofrem refração. O foco real de uma lente delgada fica no lado oposto ao objeto, pois nesse ponto os raios realmente se cruzam. Em uma lente delgada convergente, os raios paralelos ao eixo central convergem para o ponto focal real, situado do outro lado da lente. Na lente delgada divergente, os prolongamentos dos raios que incidem paralelamente ao eixo central convergem para o ponto focal virtual, localizado no mesmo lado do objeto. [1]

Em uma lente delgada imersa no ar, a distância focal é dada pela seguinte equação:


\frac{1}{f} = (n-1)\cdot \left(\frac{1}{r_1} - \frac{1}{r_2}\right)

Onde

  • n = índice de refração da lente.
  • r_1 = raio de curvatura da superfície da lente mais próxima do objeto.
  • r_2 = raio de curvatura da outra superfície.

Nas lentes delgadas convergentes, a distância focal é considerada positiva. Já nas lentes delgadas divergentes, ela é considerada negativa.

Fotografia[editar | editar código-fonte]

Exemplo de focalização.

No processo fotográfico é um ajustamento para dar mais nitidez ao objeto que terá mais importância na foto. Temos aqui duas distâncias importantes:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

  1. a b Halliday, David, 1916- Fundamentos de física, volume 4 : óptica e física moderna / Halliday, Resnick, Jearl Walker ; tradução e revisão técnica Ronaldo Sérgio de Biasi. - Rio de Janeiro : LTC, 2009.
Ícone de esboço Este artigo sobre fotografia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.